Siga-nos

Perfil

Expresso

Peixinho de aquário

António Costa não acredita em nada. A bajulação mediática que em Portugal passa por “comentário político” costuma transformar este vazio amoral numa virtude celestial, “génio político”, “inteligência tática”. Lamento, mas não é inteligência tática, é só a mais completa inexistência de convicções. Os cínicos como Costa são os seres mais flexíveis da Criação, porque não têm um centro moral; são feitos de uma pasta viscosa e escorregadia que se adapta a gregos e a troianos. O cínico pode assim desenvolver um discurso liberal de manhã, almoçar com comunistas e fazer promessas socialistas à tarde. Há dias, nas Américas, Costa parecia um libertário a defender os benefícios da globalização. Estamos a falar do homem que, quando necessário, recorre às linguagens e às políticas do PCP e BE.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)