Siga-nos

Perfil

Expresso

Opinião

O futuro do PSD é votar CDS, Iniciativa Liberal ou... Rui Moreira

O PSD está numa situação parecida à do PCP, isto é, em decadência geracional. Curiosamente, a causa da decadência do PSD é inversa à do PCP: se os comunistas estão em decadência devido ao seu excesso de ideologia, o PSD está em decadência devido ao seu défice de ideologia

Não votaria num PSD liderado por Santana. Não voto num PSD liderado por Rui Rio, sobretudo quando tenho à minha disposição um CDS sem complexos no centro-direita. Além do mais, tenho à minha disposição um movimento novo (Iniciativa Liberal) e parece-me que não é surreal sonhar com outro fenómeno novo e disruptivo: o movimento Rui Moreira aplicado às eleições legislativas. Isso é que era! O repto de Francisco Lucas Pires continua a fazer sentido, "para a direita e para norte". A direita só terá uma vida própria e emancipada da esquerda quando representar sem embaraço aquela visão nortenha assumidamente mais liberal e mais conservadora: mais religião, mais empresa, mais família, mais exportações, mais sociedade, menos estado, mais poupança, menos consumo, mais desporto, mais associações e clubes, mais bairro e bairrismo. É um outro país – por acaso o mais importante na demografia e no pib – que está sempre à espera de representação. Para grande espanto da imprensa e dos meios da corte de Lisboa, as vitórias históricas da direita (AD, Cavaco, Passos) foram construídas a parte deste coração nortenho. Um coração que vive sempre num défice de representação mediática e política. Sei que é quimérico sonhar com um norte representado no parlamento num bloco à parte - mas também era quimérico sonhar com um Porto gerido por um movimento cívico.

Lucas Pires vem à cabeça por outra razão. O Grupo de Ofir e o CDS de meados de 80 constituem o momento mais emblemático da direita em Portugal. Está lá tudo o que um centro direita europeu pode e deve propor. Lucas Pires foi esmagado por um Cavaco Silva emergente; o esmagamento das ideias de Lucas Pires pela tecnocracia de Cavaco é um momento negro para a direita portuguesa, representa uma automutilação que dura até hoje, e representa a destruição de um efectivo pluralismo político. Santana e Rio querem um PSD igual ao PS. E assim pergunta-se: então para que serve a política se todos são iguais? Portas não teve a chance de vingar Lucas Pires, até porque as suas oscilações em nome da sobrevivência não permitiam saber uma coisa: Portas representa exactamente o quê? Seja como for, Portas entregou um partido estabelecido na casa dos 10%. Um feito. Este 10% podem crescer se Cristas tiver coragem para ir até Ofir. É em Ofir que está a chave para um centro direita contra as esquerdas mas também contra os crescentes nacionalismos, marialvismos, trumpismos e anti europeísmos.

O PSD está numa situação parecida à do PCP, isto é, em decadência geracional. Curiosamente, a causa da decadência do PSD é inversa à do PCP: se os comunistas estão em decadência devido ao seu excesso de ideologia, o PSD está em decadência devido ao seu défice de ideologia. Não compreende que a minha geração e a geração que tem agora 20 anos não tem os complexos das gerações mais antigas. Sou de direita, e então? Este ponto leva-nos a uma segunda ironia: PCP e PSD não querem sair de 76. O primeiro vive no PREC, o segundo não quer sair do complexo de Estocolmo que o PREC e 76 aplicaram à direita. No entanto, não marquem já o funeral do PSD. Ao invés do PCP, o PSD tem regeneração possível e a próxima e inevitável AD terá num PSD renovado o seu pilar fundamental. A alquimia dessa AD será diferente, outros partidos e movimentos terão mais poder dentro dessa Aliança. O que é óptimo.