Siga-nos

Perfil

Expresso

Opinião

Carlos Farinha Rodrigues, coordenador do estudo “Desigualdade e Pobreza em Portugal” realizado pelo ISEG para a FFMS

Opinião: autor do estudo “Desigualdade e Pobreza em Portugal” responde às críticas do PSD

  • 333

Carlos Farinha Rodrigues, coordenador do estudo “Desigualdade e Pobreza em Portugal” realizado pelo ISEG para a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) e lançado em parceria com o Expresso e a SIC, responde às críticas de Marco António Costa. O vice-presidente do PSD considera que o estudo é “um inaceitável embuste”, ao favorecer uma visão “distorcida da realidade e dos factos ocorridos” entre 2009 e 2014

Numa conferência realizada segunda-feira, o Dr. Marco António Costa preferiu várias críticas ao estudo “Desigualdade e Pobreza em Portugal” coordenado por mim para a FFMS. Essas críticas merecem-me os seguintes comentários:

Em primeiro lugar o Dr. Marco António Costa não contesta nenhum dos indicadores ou resultados apresentados no estudo. A sua principal preocupação parece ser a de demonstrar que as principais responsabilidades nas alterações ocorridas nos rendimentos em Portugal não são do Governo PSD/CDS mas do governo que o antecedeu. Na sua opinião, o estudo induziria os leitores a atribuir essa responsabilidade ao Governo PSD/CDS.

O estudo “Desigualdade e Pobreza em Portugal” procede a uma análise comparativa da distribuição do rendimento, da desigualdade e da pobreza ao longo do período 2009-2014, confrontando a distribuição do rendimento existente em 2009 com a distribuição do rendimento em 2014. A escolha destes anos tem uma justificação simples: 2009 foi o último ano considerado no estudo anterior realizado em 2012 para a FFMS enquanto 2014 é o último ano para os quais existem dados disponíveis publicados pelo INE. A principal preocupação do estudo foi a de analisar como se alteraram as condições de vida dos portugueses, a sua exposição à pobreza e à desigualdade e não a de fazer qualquer associação com o governo A ou B, aliás nunca referidos no texto.

O estudo é muito claro ao dizer que, quando fala do processo de ajustamento seguido em Portugal e procede a uma avaliação das suas consequências sociais, se refere ao período 2010-2014, isto é, ao período de implementação das principais políticas de austeridade em Portugal. A informação disponibilizada, consistente com a publicada por diversos organismos oficiais nacionais e internacionais, é suficientemente rica e detalhada para permitir que cada leitor faça a sua leitura dos factos apresentados.

Por último, refira-se que as observações do Dr. Marco António Costa pouco referem a análise dos principais indicadores de pobreza, desigualdade e privação material que constituem a parte principal do estudo efectuado.