23 de abril de 2014 às 15:41
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Atualidade  ⁄  Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente  ⁄  ONU acusa Exército sírio por violações de Direitos Humanos

ONU acusa Exército sírio por violações de Direitos Humanos

Relatório da ONU hoje divulgado aponta para uma "crescente militarização" do conflito na Síria, acusando o Exército e forças de segurança pela violência no país. Clique para visitar o dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente
Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt)
Mãe chora morte do filho, assassinado durante o conflito sírio Getty Images Mãe chora morte do filho, assassinado durante o conflito sírio

A comissão independente das Nações Unidas para investigar a violência na Síria não tem dúvidas. "A maioria das graves violações aos Direitos Humanos foram cometidas pelo Exército e pelas forças de segurança  sírios em operações militares ou de busca de  suspeitos, desertores, pessoas armadas ou simpatizantes da oposição". O relatório da ONU hoje divulgado analisou os acontecimentos no período de março a maio de 2012.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

De acordo com a comissão internacional - que continua sem permissão de Damasco para visitar a Síria -, o documento foi elaborado com base em entrevistas realizadas dentro e fora do país, com testemunhas diretas do conflito e da repressão.

Os investigadores admitem, no entanto, que "grupos armados opositores ao Governo também cometem abusos".

Entretanto, o presidente do Conselho Nacional Sírio (CNS)- principal coligação de oposição -, Burhan Ghalioun, reeleito no passado dia 15, apresentou esta madrugada a sua demissão. No entanto, a pedido da liderança do CNS, ficará em funções até à eleição de um novo dirigente,  que deverá ocorrer na reunião dos dias 9 e 10 de junho.

Execuções e tortura


A comissão da ONU refere que as graves violações dos Direitos Humanos não diminuíram, sendo "crescente" a militarização do conflito, "apesar do acordo das partes" sobre o plano de Kofi Annan, enviado especial da ONU e da Liga Árabe.

Além de o Exército estar a empregar um "enorme leque de meios militares, incluindo disparos de artilharia pesada contra zonas civis", dizem os investigadores, os militares e as forças de segurança são também responsáveis pelo "bloqueio sistemático em determinadas regiões do acesso a meios básicos para a vida humana. Ou seja, alimentos, água e medicamentos".

De acordo com a comissão, há provas de que "os grupos armados de oposição utilizam  regularmente crianças como mensageiros, portadores de medicamentos ou como cozinheiros nas unidades de rua", e que estas são muitas vezes obrigadas a viajar pela fronteira com a Turquia.

O relatório afirma, ainda, que o Governo sírio realiza execuções extrajudiciais e insiste na prática de tortura, inclusive de crianças, "que frequentemente são feridas durante ataques a manifestações ou bombardeamentos a cidades ou aldeias".

Crianças até 10 anos que foram detidas pelas forças públicas disseram à comissão terem sido torturadas porque os seus familiares simpatizam ou aderiram ao Exército Sírio Livre. 

Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
De ultimato em ultimato, até à chacina final.
Os sanguinários do Médio Oriente e os hipócritas ocidentais.
A propósito, não é estranho o Expresso online não noticiar que um grupo israelita de defesa dos direitos humanos divulgou vídeos em que um grupo de colonos abre fogo sobre palestinianos, com soldados israelitas a assistirem?
Idílicas nações reunidas
Da reestruturação do CS já se fala há demasiado tempo. O consenso a este respeito entre 190 e tal membros da ONU é idílico. Com o fim da Guerra Fria, durante a última década do século passado, a actividade e flexibilidade do conselho aumentou consideravelmente. Actualmente, vai publicando o seu programa de trabalho, as metas e sanções a serem aplicadas, citando-se apenas algumas melhorias relacionadas com uma maior transparência dos seus trabalhos, porque na sua composição, não-representativa das realidades geopolíticas actuais, não foi ainda dado o grande passo para se reformar efectivamente. Aquele que é o mais poderoso órgão das Nações Unidas, no que toca à reforma da sua estrutura, limitou-se a aumentar o número de assentos, ainda na década de 60. Seria desejável aumentar-se a sua responsabilização, credibilidade e eficiência, fazendo com que a sua composição reflicta uma realidade mais actual, com vista a torná-lo mais representativo da comunidade internacional; aprimorar o processo de implementação de decisões, para não estar a pensar nos russos. Como membro permanente do CS da ONU, a Rússia é o fornecedor de armamento que dizimou já centenas de Sírios.
Re: Idílicas nações reunidas Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub