Anterior
"Touch" estreia hoje na TV
Seguinte
Provedor quer regras mais simples nos parques infantis
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Obra atribuída a anónimo é, afinal, um Van Gogh

Obra atribuída a anónimo é, afinal, um Van Gogh

Um quadro na posse de um museu holandês, desde 1974, e atribuído a um autor desconhecido é, afinal , um original de Vincent Van Gogh.
com AP |
Imagem da obra de Van Gogh, a partir de hoje exposta no museu Kröller Müller, na Holanda
Imagem da obra de Van Gogh, a partir de hoje exposta no museu Kröller Müller, na Holanda / AP

Após décadas de incerteza, sabe-se agora que o quadro "Natureza morta com flores do prado e rosas" foi mesmo pintado por Vincent Van Gogh.

Segundo um comunicado do Museu Kröller Müller , proprietário da obra desde 1974, já se tinha suspeitado que o quadro pudesse ter sido executado pelo mestre impressionista, mas as suas grandes dimensões (um metro por 90 centímetros) e o local onde aparecia a assinatura fizeram questionar a sua autoria, acabando por ser atribuído a um pintor anónimo.

A verdade acabou por ser revelada depois de efetuado um rigoroso exame com recurso a raios X, tendo também sido descoberto, sob o motivo floral e invisível a olho nu, uma outra pintura, com os corpos de dois lutadores.

A verdade é que, numa carta enviada em 1886 ao irmão Theo, Van Gogh dizia ter pintado esses lutadores durante um curso na academia de arte de Amberes, o que explica as grandes dimensões do quadro, que correspondem à medida standard para os estudos de figuras dessa escola, explica o museu.

Confirmada a sua autoria, a obra estará a partir de hoje exposta no Museu Kröller Müller, em Arnhem, na Holanda.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub