Anterior
"Queremos a Lady Gaga embrulhada em duas costeletas de novilho"
Seguinte
Sequestrou e violou uma mulher durante 3 dias e sai em liberdade?
Página Inicial   >  Blogues  >  100 reféns  >   O verdadeiro esterco em forma de gente (vídeo de assalto em Londres)

O verdadeiro esterco em forma de gente (vídeo de assalto em Londres)

|

Chamem-me insensível, chamem-me o que quiserem que já estou habituado, mas não consigo olhar para a destruição e constantes agressões que milhares estão a provocar de forma deliberada, desumana e sem qualquer causa social ou protesto que contextualize estes actos de pura cobardia e que se estendem um pouco por toda a Inglaterra. Não basta condenar. Há que actuar. Em força. Chamem o capitão "Nascimento" e o BOPE se preciso for, mas ajam "em conformidade". "Canhões de água"? Já agora levem os meninos ao elefante azul e esfreguem-nos com óleo de amêndoas doces.

Venham sociólogos, psicólogos, "televisológos" (aquela espécie que passa a vida na televisão a falar de tudo um pouco, de branqueadores dentários para os caninos ao PIB do Luxemburgo), os habituais da esquerda-faz-o-que-eu-digo-não-faças-o-que-eu-faço e que em tempos defenderam que os agentes deviam patrulhar as ruas desarmados, falem-me do melting pot, da imigração, de lutas interclassistas. Dos anos oitenta e dos riots de então (que rigorosamente nada têm a ver com o que agora se passa). Do capitalismo desmedido numa das faces da mesma moeda que esconde no verso a falta de condições em que vive grande parte da população. Que a culpa é da sociedade, que aliena toda uma geração (coitadinhos dos meninos, as bestazinhas). O tanas! Há milhares de pessoas a passarem dificuldades e nem todos agem desta forma criminosa. Nem todas as pessoas são más e isto não são actos desesperados, de descontentamento social ou de afirmação, mas sim de cobardia e crime premeditado.

O que se passa em Inglaterra é uma guerra perpetrada por bandos de criminosos à solta nas ruas e que devem ser tratados como tal. Condescender é cair no erro em que os britânicos vivem mergulhados nos últimos anos. Gerações a viverem de subsídios. Gerações que cresceram aninhados ao bolso sem fundo dos contribuintes. Always the polite way tem sido a forma dos ingleses conduzirem um processo que cedo se percebeu que ia degenerar, tinha mesmo de ser. Só quem não conhece a forma de estar deste povo não via isto. Um barril que foi enchendo de pólvora e que precisava de fracos ou nenhuns pretextos para explodir. Sometimes the polite way is the wrong way.

Não há qualquer justificação para estes actos de cobardia. Não se pode aceitar que muitos, só por optarem nada fazer da vida ou preferirem conseguir algo que desejam através de uma pedra num vidro de uma loja, possam destruir sem oposição o que outros construíram a pulso e a custo ao longo de anos, décadas de sangue suor a arderem céu aberto, de lagrimas nos olhos. Muitos deles vizinhos. Cruzam-se todos os dias. Uma vergonha.

Não são seres humanos. São bichos. As pessoas, essas, têm sentimentos, têm emoções e sobretudo têm causas. As pessoas não agem como animais selvagens em bando por pura necessidade de espalhar o caos, a desordem sem qualquer motivação para alem da pura maldade, falta de objectivos, noção exígua de cidadania, falta de sanidade intelectual e principalmente de alguém que lhes vá à tromba como deve ser e na altura certa, para que nunca mais se esqueçam do que fizeram.

Fica o filme. Lamentável. Verdadeiras bestas.

 

Acompanhe o 100 Reféns no Facebook

Na página oficial do 100 Reféns no Facebook juntam-se pessoas que gostam e que não gostam, que odeiam e que adoram, que veneram e que detestam, mas que não são indiferentes a este blogue do Expresso. Dê um passo e junte-se a nós.

Clique no link para aceder à página do 100 Reféns no Facebook .



Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 109 Comentar
ordenar por:
mais votados
Olhe para o seu quintal Tiago ....
Concordo com tudo o que diz Tiago, só discordo fortemente é quando dá a entender que a situação e o problema são britânicos:

- Gerações a viverem de subsidios? Pensa que é só lá? O que se passa aqui?

        Experimente amanhã a acabar com os vergonhosos rendimentos minimos garantidos (na maior parte dos casos subsidios à mandriagem distribuidos por drogados, ciganos e emigrantes ilegais) e vai ver o que eles fazem ....

      Aliás - certamente tem conhecimento que os Carteiros não entram nos bairros problemáticos nos dias X sem levarem o envelopezinho com o cheque - quando se atrevem a fazê-lo (por atraso da segurança social) são liminarmente espancados pelos "coitadinhos" ....

          Estamos a começar a assistir ao resultado das "tolerâncias", do ter pena dos coitadinhos, de achar que somos todos muito boas pessoas mas ás vezes temos dias maus ..... resumidamente estamos a assistir ao resultado da impunidade criminal que se tem verificado desde há uma década ou duas na Europa. estamos perante uma geração que sempre viu seus pais viverem á custa dos subsidios (financiados por quem trabalha) e que ainda dizia mal e cuspia na sopa. Uma geração que vê na TV que politicos corruptos, violadores, pedófilos, assaltantes e outros criminosos são regularmente perdoados de seus crimes e saem totalmente impunes de situações gritantes.....

        Ainda ontem vimos o caso do violador e sequestrador de uma italiana que está ilegalmente no país ser libertado por um juiz ...
tudo verdade
é um artigo perfeito, brilhante. Temos desta gente por cá, basta visitar os bairros na ribeira, no Porto e encontram jovens com o mesmo modo de vida. É urgente colocar esta gente no seu devido lugar. Construam mais prisões, em vez de pistas para aviões...
Re: tudo verdade
Re: tudo verdade
Re: tudo verdade
Re: tudo verdade
Re: tudo verdade
populismo
De facto não há justificação para actos de vandalismo como os que foram perpetuados. Mas ignorar as causas e o contexto, como o autor faz, é meio caminho andado para que aconteça outra vez.
Sugiro que imaginem a vossa vida sem qualquer perspectiva de futuro, nem trabalho nem dinheiro para universidades. E, no entanto, sujeitos aos mesmo valores sociais em que o estatuto é medido pelo tamanho do plasma. A sociedade consumista tem na génese isto mesmo, alimentar sonhos através de objectos. Ah mas só vale para os ricos, os outros que se cozam, não podem ter desejos, o pobre continua a ser castigado ainda e sempre!
Pior cedo é o que não quer ver.
Re: populismo
Re: populismo
Re: populismo
Re: populismo
Muito bem
A maior parte dos seus artigos costuma ser a puxar para o humor, mas com este prova que também consegue escrever coisas sérias, e bem escritas. Os meus parabéns!
O 2esterco" deste título do Mesquita
Mesquita não é único,infelizmente.Mas quando o "caco" não tem ideias um "esterco" no título sabe-lhe sempre bem.Quando assim é o melhor seria ir de férias,para bem longe e não levar o "aparelho".
Está a melhorar...
Tiago, está a começar a surpreender....

Com efeito, masi uma vez escreve uma coisas decentes.

Afinal, você até capaz de dizer umas coisas acertadas e não cair no "jornalismo esterco" do qual nos deu largos exemplos.

Fica-lhe bem este texto e felicito-o por isso.

Está a melhorar...?!?!
Re: Está a melhorar...?!?!
Prefiro morrer com uma bala, do que de tédio:)
«Não são seres humanos. São bichos.»
Era para pregar aos peixes à semelhança do que fiz noutro espaço; dizer que a violência tem de ser reprimida mas depois há que conhecer as tensões que levaram a tensão social.

Mas ao ler a frase «Não são seres humanos. São bichos.» perdia as estribeiras.
Como é Tiago, manda-se abater? E quem a seguir? Vamos a votos para decidir quem é «humano», ou decide só o Tiago?

Sabe, é preciso muita estupidez acumulada para nos julgarmos melhores do que os outros.
Se soubesse um bocadinho de história ou lesse Os Miseráveis saberia que já houve explosões no passado sem que houvesse subsídio-dependência ou imigração.

Enfim, não gasto mais o meu latim. As mentes estreitas preferem sempre sempre liquidar do que compreender.
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Abstracto? Claro que não.
Re: «Não são seres humanos. São bichos.»
Devaneio
E eis que o Homem moderno - sofisticado, educado, sociável - dedica a sua vida a construir a sua carreira, a sua família e a sua sociedade à imagem dos seus ideiais. Uma economia forte trará benefícios para aqueles que para ela contribuem. Uma educação esmerada dos filhos para que estes consigam "vencer na vida", terem sucesso, recompensas e, por sua vez, darem seguimento à família.
Neste quadro de sucesso falta o enquadramento com a sociedade no geral. Gente há que não nasceu em famílias de posses, nem com posses. Pais que são pagos à hora ou ao dia e que nunca sabem o que lhes trará o dia seguinte. Não sabem se terão pão em cima da mesa no dia seguinte; para si e para os seus filhos.
A passagem à idade adulta é marcada pela perda das ilusões e compreensão do que é a realidade do mundo. Para alguns acontece na puberdade, para outros depois da universidade, mas para outros acontece muito mais cedo.
Quando um homem não tem (porque não lhe dão) esperanças de um futuro melhor; nem tem orgulho naquilo que faz nem naquilo que é; quando olha para os filhos e pergunta-se "o que pensarão de mim?"; e sabe que também a eles lhe espera a mesma sorte; só lhe resta tentar transmitir valores como dignidade, respeito pelos outros.
Mas e os jovens que crescem a ver as injustiças? Os outros "comem tudo e não deixam nada"; E pensam > Nada têm a perder.
Re: Devaneio
Re: Devaneio
Re: Devaneio
+1 Devaneio
Re: +1 Devaneio
Re: Devaneio
Re: Devaneio
Re: Devaneio
Simplificações da Comunicação Social
Quem escreve na Comunicação Social raramente tem formação científica para entender os FACTOS SOCIAIS para além da superfície, razão pela qual se ficam por respostas simples, simplistas, simplificadoras, básicas, superficiais, quando não meramente reprodutoras de um certo primarismo.

Quem é que se contentaria com uma explicação simplista, imediatista e básica sobre o Tsunami que, em Dezembro de 2004, ceifou a vida de centenas de milhares de vidas? Portanto, veio uma onda malvada muito grande e varreu indiscriminadamente aquelas pobres pessoas, levando na frente bons e maus, ricos e pobres, indígenas e turistas. Pronto! É isso! Apareceu uma maléfica onda e roubou a vida a muito boa gente. Prenda-se a onda! Pena de morte para a onda! Restrição de 3 kms. mínimos para a onda se aproximar das costas asiáticas...

Pois! As simplificações, para além de serem básicas e fornecerem uma "preciosa" ajuda para "explicar" a realidade, não passam de mecanismos lógicos baseados na superficialidade analítica e na incapacidade de ver mais longe.

A "onda" provocou grandes destruições? E, antes da "onda" chegar, que causas, factores e origens estão na base da formação dessa "onda"? Vamos fingir que não existem causas e que a sociedade não tem MESMO nada a ver com a ORIGEM desta "onda"? Vamos enterrar a cabeça na areia e fingir populista e demagogicamente que não existem, na nossa sociedade, formas de VIOLÊNCIA diária e permanente que estão na origem desta ONDA DE VIOLÊNCIA?

(...)
Que tal olhar para outras VIOLÊNCIAS?
Das violências diárias que não queremos ver
Das violências diárias que não queremos ver
Obviamente: "tsunami de 2004" e não "de 2005"
Simplificações da Comunicação Social
Simplificações da Comunicação Social
Obviamente: "ondas dos tsunamis" e não "tesunamis"
Re: Obviamente:
Re: Obviamente:
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Termino!!!
Re: Termino!!!
Re: Termino!!!
Re: Termino!!!
Re: Termino!!!
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
Re: Simplificações da Comunicação Social
e o que mais estara para vir
O que se passou em Franca no passado recente e o que se passou na Inglaterra nestes últimos dias, ou muito me engano ou ira' repetir-se aqui na Austrália. A incompetência politica para "deal" com a anarquia publica e' confrangedora. O Partido. os votos estão em primeiro lugar. Note-se que a ministra britânica disse, que o uso de canhões de agua NUNCA! Entretanto o sr., Cameron já veio dizer que TALVEZ.
Re: e o que mais estara para vir
Um flagelo das sociedades modernas.
De facto, depois de assistirmos na TV àquele espectáculo degradante e sem nada podermos fazer, só a revolta fica. A peça está bem escrita. Por cá, temos uma enorme franja da sociedade a viver exactamente na mesma. Muitos vêm viver para cá, apenas na mira dos subsídios. O trabalho aborrece-os. O não ter dinheiro não constitui problema, arranja-se! É preciso é ter carro, (com vidros negros de preferência), um bom TM, roupas de marca e muita música. Os que não têm idade para certos saltos, dão apoio logístico em troca de qualquer coisa. Políticas erradas por partes dos governos e por parte das famílias, que não estão para ralar-se.
Se tivessem um trabalhinho como o seu
secalhar não tinham este tipo de comportamentos. Estando no seu lugar é fácil criticar e insultar mas já tentou perceber o porquê de eles terem este tipo de atitudes??? Pela sua ordem de ideias com força bruta das forças de autoridade o problema resolvia-se. Mais uma vez está errado, o problema era simplesmente adiado. Há que compreender o porquê destas atitudes. Quem controla o povo pelo medo são os ditadores.
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
Re: Se tivessem um trabalhinho como o seu
O TROCO VEIO A CAVALO,NUM BURRO....
NAO GOSTAM DE DEFENDER BANDIDOS TIPO O EX PRESIDENTE DO BENFICA,NUNCA USAM ARMAS MAS MATARAM O BRASILEIRO JEAN CHARLES,ESTA NA HORA DESTES PEDANTES SENTIREM NA PELE COMO E....
Re: O TROCO VEIO A CAVALO,NUM BURRO....
Re: O TROCO VEIO A CAVALO,NUM BURRO....
Re: O TROCO VEIO A CAVALO,NUM BURRO....
O verdadeiro esterco em forma de gente.
Será que o esterco não se encontra e bem implantado na democracia portuguesa?, neste tipo de democracia dita da UE? Será que só com esta dispersão da sociedade dita de vandalos por uma sociedade degradante e, e, e... como a portuguesa, não são os pravicadores destes dasacatos sociais?
Este tipo de sociedade portuguesa e da UE pensem em deixar de explorar quem trabalha e tem uma familia a manter e não andar com as hipocrisias do costume, sociedades de consumismo e de azeiteirismo social.
Aprendam a ser pessoas decentes e sociais e não de consumistas de quem trabalha.
Brilhante artigo...
Estou surpreendido com este artigo. Normalmente os jornalistas, comentadores e outros da mesma espécie, escrevem artigos e fazem comentários a defender o indefensável. Vêm logo em defesa das minorias coitadinhas, e a apelidar, quem critica comportamentos, de racistas e xenófobos...
Gostei especialmente do último parágrafo:
"Não são seres humanos. São bichos. As pessoas, essas, têm sentimentos, têm emoções e sobretudo têm causas. As pessoas não agem como animais selvagens em bando por pura necessidade de espalhar o caos, a desordem sem qualquer motivação para alem da pura maldade, falta de objectivos, noção exígua de cidadania, falta de sanidade intelectual e principalmente de alguém que lhes vá à tromba como deve ser e na altura certa, para que nunca mais se esqueçam do que fizeram.

Fica o filme. Lamentável. Verdadeiras bestas"

Re: Brilhante artigo...
Comentários 109 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub