1
Anterior
Um Português entre Rãs
Seguinte
Um Português ao Acaso
Página Inicial   >  Blogues  >  A agenda de Mário Claúdio  >   O Som e a Fúria

O Som e a Fúria

|

Seja ela religiosa, ou seja profana, não há festa à portuguesa, e sobretudo nos meses de Verão, que não se manifeste pela desenfreada barulheira. Debruçados sobre o fenómeno uns quantos etnólogos, antropólogos e viajantes, entre os quais o britânico Rodney Gallop, hoje em dia mais ou menos esquecido, atribuem-no a uma atávica intenção de afugentar os espíritos maus. Foguetes e petardos, ribombos de zés-pereiras, gritaria de comadres excitadas, contando por pano de fundo com a estentória performance de várias bandas, destinar-se-iam a desinfestar os ares de entidades deletérias, susceptíveis de trazer maleitas aos humanos, e aos bichos domésticos, e de desencadear a fome e a guerra.

A chinfrineira que vai de par com a alegria colectiva, e que se exprime pelo excesso de decibéis, constitui aliás uma constante dos países mediterrânicos, aqueles que, carentes de muita coisa, menos de gáudio desnorteado, procuram iludir a sua triste sorte com quanto baste de estonteamento sonoro. Enlouquece o terreiro da vila, e o areal da praia, com altifalantes que vomitam três musicatas sobrepostas, e com transístores que misturam o relato de futebol à berrata da criançada, e a gente sente-se em casa. Roncam os tubos de escape livre, e os engenhos dos velocípedes, arenga a plenos pulmões o vendedor de cobertores, e o vocalista de serviço expectora a sua desafinação, adornado por quatro beldades rechonchudas, e de barriga ao léu, que guincham nas pausas do meneio das suculentas ancas.

O ruído arbitrário afirma-se como um atestado de presença, quer se trate da telefonia do automóvel, distribuindo a playlist do jovem condutor por quem se lhe depare no percurso, quer do magote de adolescentes que no autocarro proclama aos brados a fecundidade vocabular que armazena no tocante às partes pudendas. E em fase tão soturna como esta que atravessamos, órfã de horizontes de límpida quietude, e poluída pela enxovalhada oratória dos ministros, se não recorrermos ao charivari, a fim de não ouvirmos o que não nos interessa, ou de colhermos algo que nos divirta, enfrentamos o risco de engrossar a legião dos inúmeros deprimidos nacionais. Venha portanto o estrondo salvar-nos do tédio, e do silêncio que entre os pobres atrasados convida ainda a reflectir!

Perguntar-se-á no entanto, não é afinal de som e fúria que se faz este nosso mundo, criado em papel e tinta à imagem e semelhança do gigante Shakespeare? De um tal binómio se compõe na verdade a história que contamos, maluquinhos que de quando em quando supomos articular uma frase com juízo.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Será possível?
Eis quando, entediado e meio estonteado pelas férias mais impostas que queridas, abro uma crónica ao calhas no Expresso e a dita cuja é legível. Mais: é inteligente!
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub