25
Anterior
Portugal, um país de carros franceses cheio de bombas alemãs
Seguinte
Naipaul e a pornografia africana
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >   O povinho não precisa de gramática

O povinho não precisa de gramática

|
A Tempo e a Desmodo - O povinho não precisa de gramática

Cara Sophia, li com um misto de agrado e desencanto as cartas que trocou com Sena. O agrado não carece de grandes explicações: dois clássicos a falar sem rede é sempre um espectáculo; é como ver o backstage, na esperança de aprender técnicas e apanhar truques. O desencanto, por seu lado, já carece de alguma explicação. É um desencanto que nasce daquela sensação de tempo perdido, do tempo perdido por Portugal. Lendo algumas das suas cartas, um sujeito fica mesmo a pensar que os vícios de hoje são iguais aos vícios do passado. Um exemplo? Em 1976, V. escreveu assim: "a tragédia de toda a revolução é a sua incompetência cultural (...) Houve até quem no grupo parlamentar respondesse à minha crítica à má redacção de um articulado, dizendo-me que 'o povo não precisa de gramática'." (pp. 145-146).

O problema, cara Sophia, é que este desprezo pela gramática não se ficou pelo PS, alastrou a toda a gente dentro e fora do parlamento. Sugiro que leia coisas de alguns professores de Direito aqui de Lisboa. A vírgula entre o sujeito e o predicado não parece incomodar a genialidade jurídica destes sábios que marcam centenas de alunos todos os anos. O povinho não precisa de gramática, não é verdade? Lendo estes génios, um sujeito até fica a compreender a fraca qualidade dos nossos deputados, coitadinhos, e das nossas leis. Estou até desconfiado de que as faculdades de direito têm uma cadeira fantasma intitulada "como escrever uma lei sem clareza". Para quê pensar e escrever com clareza quando podemos prosperar no pântano jurídico?

Passaram quase 40 anos sobre a sua carta, e nada mudou. Ou melhor, as coisas mudaram para pior. Quando lê uma lei portuguesa, um sujeito vê ali um cotonete, uma coisa ambígua que dá para os dois lados. Há ali o culto da imprecisão. Às segundas, quartas e sábados, a lei é x; às terças, quintas e domingos, a mesma lei é y.  Ora, quem é que beneficia com esta falta de gramática, cara Sophia? A indústria dos pareceres jurídicos, partilhada por advogados da Av. Liberdade e por professores de Direito, esses seres que aparecem na TV com o subtítuto de senadores. Para quê professar a clareza quando podemos beneficiar dos velhos slogans revolucionários? O povo, pá, não precisa de gramática. 

 

Série "Pensar pode ter efeitos secundários"

Quando uma mulher é literalmente uma escrava

A vingança das feias

Quando se podia ser mulher no Irão

Álvaro Cunhal não era um democrata

Álvaro Cunhal não queria o 25 de Abril

O filme da Guiné (e de África)

Amo a Humanidade (e mato recém-nascidos nos intervalos)

A Igreja esteve sempre em crise

Os ideólogos da pobreza

As pessoas não querem andar de autocarro? A gente obriga

Católico e liberal, por esta ordem e sem contradição

Deus não é para o bico da ciência

Permitirá a Alemanha que Portugal rivalize com a Rússia?

Não há diálogo entre religiões, só tolerância

A Angola mimada 

O caos de África (I): a culpa não é dos branquelas

O caos de África (II): a democracia é possível

Churchill estava errado

A China não-beijável

Da "pornografia climática"

A necessidade de Deus (e de Cristo)

Fetiche europeu: ai, que não há esperança

A minha tia gostava muito de ter a ADSE

Um livro para compreendermos Sarkozy (e Merkel)

TS Eliot, ou o cristão no circo pagão

Por um liberalismo conservador

Obama: assassino ou guerreiro?

A obsessão do ambientalismo: o homem, esse pulha

A desonestidade árabe perante Israel

Porque é que os egípcios molestam mulheres?

Não comprar produtos chineses?

É católica, logo é estúpida, não é?

Os católicos e a política

A Europa farsolas de Strauss-Kahn

Khadafi e as guerrinhas entre EUA e Europa

As escolas desistiram de ensinar português?

O outro problema da Europa: o Pacífico é o novo Mediterrâneo

A Europa é exótica para Obama

As dores do eurocentrismo

Nuno Crato: o problema da escola começa em casa

O euro, a UE e o pensamento mágico

Scruton, e o retrato-robô de Sócrates

A potência de Strauss-Kahn e a impotência da Europa

Cuidado com a Alemanha

O católico da treta

Salazar bipolar

Manuel Clemente um bispo para a crise, I e II

Ratzinger e a ilegalização de Deus, I e II

Deus e a máfia do cinismo

Deus é moderno

A desgraça árabe

Egito e Tunísia: "Islão" não é "Islamismo"

Uma nova geração de democratas árabes?

O criminoso que o PCP ainda protege

Paulo Rangel, sair do socialismo

Alma conservadora

Somos ingovernáveis?

 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 25 Comentar
ordenar por:
mais votados
'O povinho não precisa de gramática
Sempre igual a si próprio. "este desprezo pela gramática não se ficou pelo PS, alastrou a toda a gente" sugere que o desrespeito gramatical começou no PS. Mas lendo-o, depreende-se que a Sophia era deputada socialista pelo que neste partido haveria as duas posições, os que achavam a gramática importante e os que não achavam. E percebendo-se também que partilha das preocupações da Sophia, também poderia ter dito pela mesma lógica abusadora que o respeito pela gramática se alastrou a partir deste partido.

O Henrique seria um cronista melhor se não procurasse constantemente ajustar contas com a história. Portugal em 1970 tinha 30% de analfabetos (17% em 1978) e quase metade da população não tinha a quarta classe. É natural que houvesse muitos deputados, uma vez abertas as portas do parlamento a uma verdadeira representação da população, que procurassem desvalorizar a sua falta de cultura face a outros. Mais desapontador é que não cite nada que mostre que Sophia Breynner teria consciência disso. Classificar uma revolução de "incompetente cultural" quando resolver essa incompetência era a sua missão, não me recomenda a autora da frase.

A sua temática final é válida, mas o foco na gramática parece-me secundário. Mais importante que esta é a lógica. Pode-se ser brilhante a gramática e dar-se pontapés na lógica todos os dias (como a sua leitura frequentemente me lembra). Ora, se os significados não são suficientemente discutidos, como podem os significantes serem claros?
Re: 'O povinho não precisa de gramática
Re: 'O povinho não precisa de gramática
Re: 'O povinho não precisa de gramática
Re: 'O povinho não precisa de gramática
Re: 'O povinho não precisa de gramática
O Povo é culto:Os drs de aviário,não!
Esse é o problema: a Universidade Portuguesa intoxicou-se com muitas "pequenas universidades" de aviário,vendendo titulos académicos para todos os gostos e dentro dos melhores preços partidários.
Assiste-se hoje á bandalheira geral dos "canudos" ,licenciaturas de fim de semana e casos escandalosos que provam o terreno movediço em que a seriedade curricular caíu.Esse negócio de chorudos lucros para alguns empresários de "universidades",merecia ser investigado a fundo e o Ministério da Educação lançar uma limpeza geral numa área de tão nefastos e públicos exemplos .
Reerguer de novo a Universidade Portuguesa,para que cumpra de modo sério a sua missão principal:investigar e transmitir O SABER!
Re: O Povo é culto:Os drs de aviário,não!
Re: O Povo é culto:Os drs de aviário,não!
Re: O Povo é culto:Os drs de aviário,não!
veja se o exemplo do sr relvas
Sócrates estava no Governo,relvas não!
Re: Sócrates estava no Governo,relvas não!
Re: Sócrates estava no Governo,relvas não!
estar na oposição ou no gov é a mesma merda
Re: O Povo é culto:Os drs de aviário,não!
o-povinho-nao-precisa-de-gramatica
Diz o povo e tem razão que cada burro com sua mania, mas também é verdade que cada época com seus costumes. Um português de cultura média não consegue entender o português do século XV. Muito tinta tem corrido devido ao actual acordo e muitos são contra enquanto outros a favor. Uma coisa é certa tudo evolui e nada fica na mesma. Hoje já ninguém escreve Farmácia, nem Filosofia com PH.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/acordo-ortografico-henrique-monteiro.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/05/acordo-ortografico-antes-da-meia.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/excelente-texto.html
O Henry errou no alvo
O Mr. Henry Raposo errou no alvo, pois não é o povinho que precisa de gramática.
pão e circo..
...pão e circo..

barbarraridades.blogspot.pt/
Dá jeito?
O que hoje é verdade, amanhã é mentira e vice-versa. Da palavra que gera acção mas garante ao orador a inacção, nasce o espaço necessário para qualquer interpretação personalizada e optimizada, para que a parte em falta seja atenuada na condenação dos seus actos danosos, tornando o ofendido seguro mas abrindo vunerabilidade para o mesmo não se fortalecer e com isso abusar da posição determinada. Assim vivemos há décadas e não é agora que isso vai mudar, porque se muda, é para pior.
Barricados
Essas leisecas cozinhadas por encomenda não os vão proteger.

Especialmente quando vierem com a conversa de mais austeridade sem terem tocado numa virgula dessas IMORAIS PPP's e rendas que pr'ái andam.

Nesse dia (que já vem perto...) vão-se barricar por detrás demuito arame farpado e muita polícia...
Re: Barricados
Re: O povinho não precisa de gramática
Bom dia Henrique Raposo,

Gosto muito dos seus textos, leios diariamente. E concordo com eles na maioria. No entanto, gostava que me desse a sua opinião em relação à licenciatura do "Dr." Miguel Relvas. Uma vez que mostrou a sua total repulsa em relação às artimanhas do Eng. José Sócrates para conseguir a licenciatura.
Continue a escrever que eu continuarei a ler.
Revoluções há muitas, palerma!
... e normalmente não são simpáticas para mentes brilhantes como a tua, Raposo.

Pregas contra a mediocridade quando é a própria mediocridade que te permite mediocrizar por aqui...

quando a maré subir, outra vez, como sempre o faz e sempre fará, não te esqueças de comprar uma bóia, Raposo!
jpafonso sempre igual a si próprio
...o que lhe confere personalidade!
Obviamente que só se pode concordar com tudo o que diz mas para chegarmos a um tal estado de precisão analítica é preciso concluir que quem faz as leis saiba tanto de direito como de gramática.
A questão levantada pelo artigo não será tanto essa mas será antes ter-se usado o facto de 'o povo não precisar de gramática' porque a sabe de cor e salteado quando fala à sua maneira com a falta de cultura dos deputados do PREC que usaram o povo para ficarem reformados com oito anos de mandato. E como estes labregos revolucionários da constituinte não foram capazes de segurar o poder deixaram o governo constitucionalíssimamente entregue a quem o foi usando e abusando em nome do povo até chegarmos a este estado de cursos comprados a granel em universidades privadas e que ninguém quer assumir como sendo da responsabilidade proporcionalmente igual ao tempo de quem teve o poder nos últimos 30 anos, que afinal dá o primeiro lugar do pontapé na gramática ao PS e não torna afinal Henrique Raposo tão faccioso e exagerado quanto a militância socialista o quer fazer.

Comentários 25 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub