Anterior
Lançadas Jornadas de Empreendedorismo Diogo Vasconcelos
Seguinte
Tuberculose recua pela primeira vez no mundo
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "O pior palavrão começado por F é fome" (vídeo)

"O pior palavrão começado por F é fome" (vídeo)

ONG dirigida por Bono Vox, a One International, lançou uma campanha que junta várias celebridades a exigirem ação governamental na próxima cimeira do G20 para mitigar a fome no Corno de África.
|
George Clooney é uma das celebridades presentes no vídeo da One International

Só nos últimos três meses deste ano, dezenas de milhares de vidas perderam-se na área geográfica do Corno de África devido à fome que assola esta zona, uma das mais pobres do mundo.

Afetada pelas piores cheias dos últimos seis anos e com uma situação explosiva na Somália e noutros países da região, as populações que dependem da agricultura para não morrer à fome veem a sua sobrevivência ameaçada.

A ONU estima mesmo que a vida de 750 mil africanos está ameaçada pela questão da fome.

Como tal, e tendo em conta a aproximação da cimeira dos países do G20, que se vai realizar em novembro, a One International , a organização não-governamental criada por Bono Vox, lançou uma campanha publicitária para pressionar os Governos mais poderosos do mundo a atuarem relativamente à fome no Corno de África e, consequentemente, no mundo.

Participe e pressione


A campanha tem o nome de, "O pior palavrão começado por F é fome" ou, em inglês, "The F Word - Famine is the Real Obscenity" e gira à volta do conceito de que a palavra fome devia merecer a mesma reação e o mesmo tratamento que as outras asneiras começadas por F recebem.

No vídeo, incluem-se participações de Jessica Alba, Clive Owen, Ewan McGregor, Vincent Cassel, do próprio Bono Vox e de George Clooney, também uma das personalidades mais envolvidas em esforços humanitários para acabar com a fome a pobreza, sobretudo na zona de África.

O principal objetivo da campanha da One International é levar as pessoas a indignarem-se com a situação sub-humana em que vive a população, não só do Corno de África mas também de todo o mundo.

Procura de uma solução


As celebridades exortam no vídeo as pessoas a acederem ao site da One International e assinaram a petição que lá se encontra disponível, para exigir dos países do G20 mais enfoque gravíssimo e, potencialmente explosivo, problema da fome no Corno de África.

Criada em 2004 por um grupo de ativistas que incluía o vocalista dos U2, Bono Vox, a One International tem vindo a desenvolver um trabalho de sensibilização para a fome que ainda subsiste no mundo, particularmente no Corno de África.

A organização defende que as principais economias do mundo deveriam ter um papel muito mais ativo na erradicação de um problema que consideram que devia envergonhar as sociedades desenvolvidas e que, por falta de ação eficiente, não está a ter uma solução definitiva.

Veja o vídeo da campanha da One International:


Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
O Fado dos "Fs"

"Afetada pelas piores cheias dos últimos seis anos..."

Piores cheias do Corno de África?!?

Desculpa Bono, mas o maior palavrão que existe é "Fado", no sentido de aceitar que estas mortes são o destino ditado por forças superiores, insistir que o problema no Corno de África é climático.

O problema nestes países é estrutural, as secas são cíclicas, isso não é novidade nenhuma, até a formiga sabe que no Verão tem de se abastecer para o Inverno.

Não é a matar-lhes a fome que os ajudamos, pelo contrário, estamos a prolongar o problema.

Considerar seres humanos como números e barrigas famintas, como fazem estas campanhas é ridículo.
Ajuda, que se destina a matar a fome, gera mais corrupção, mais negligência ainda dos governos corruptos, cria mais violência entre grupos, mais abandono da terras, etc…é uma ajuda tipo heroína, vícia e mata lentamente.

Vejam o caso do campo de refugiados do Daadab, o objectivo era acolher 90.000 refugiados somalis, entretanto, já são 400.000…Leiam o relatório da Human Rights Watch " From Horror to Hopelessness".

Ajuda sim, mas estratégica, devidamente orientada, e com compromissos de retorno, de resto, é piorar mais ainda a situação.

As mortes por fome no Corno de África representam 8% das mortes por fome no mundo…e as outras?

Em CUBA não ha fome, mas em Portugal para além
da pobreza ha fome...
F de
Caro/a kcorreia,

creio que o seu comentário é de uma injustiça chocante.

Primeiro porque o texto da One diz exactamente o oposto do que diz no comentário e não atribui a fome meramente às condições climáticas:

"The reasons for the famine in the Horn of Africa are complex and solutions are difficult, especially in Somalia, but we can’t lose sight of some simple facts:

1. 30,000 children have died in just 3 months. Thirty thousand. With over 12 million people at risk.

2. Famine is not a natural catastrophe – drought doesn’t have to lead to famine. It can be prevented, as we’ve seen in much of Kenya and Ethiopia.

Segundo, ter fome é estar às portas da morte. Neste momento, a única coisa que se pode fazer por estas pessoas é dar-lhes de comer. De que adianta pensar em outro tipo de ajuda a longo prazo se as pessoas morrerão a curto prazo (se nada for feito)?

Terceiro, o texto é dirigido aos governantes em geral para que tomem acções de combate à fome actual mas também acções de prevenção de situações semelhantes. Isso implica que todas as questões sociais e políticas mas também geográficas e logísticas sejam tidas em conta.

Re: F de
O ENSAIO EUROPEU É UMA BARRACA!
É VERGONHOSO O QUE ACONTECE NO CORNO DE AFRICA MAS A EU E NAO SO ESTA A PROMOVER A FOME NA EUROPA COM A SUAS ATITUDES ABERRANTES DE UMA AUSTERIDADE DESCONTROLADA!
É UMA GRANDE VERGONHA QUE NOS DEVIA FAZER REFELECTIR E MUDAR O RUMO ENQUANTO PODEMOS, REORGANIZANDO E CONTROLANDO, O DESASTRE DO ISOLAMENTO QUE OS CHAMADOS PAISES PERIFERICOS OFEGAM PERANTE TANTA AUSTERIDADE EM NOME DO PODER VERGONHOSO DE MEIA DUZIA DE LIDERES QUE SE PENSAO ACIMA DA VIDA HUMANA! É PURA HIPOCRISIA TODO ESTE ENSAIO EUROPEU!
A FOME É CONTAGIANTE EM CRISE
SE NAO SE TRATA DA CASA, COMO SE PODE ESTAR DISPONIVEL PARA TRATAR LA LONGE NO CORNO DE AFRICA!
O CORAÇAO ESTA DENTRO DE CADA UM DE NOS MAS O SEU USO, FICA SOTERRADO COM DEMASIADA CEGUEIRA FRAUDULENTA! EM EPOCAS DE VACAS GORDAS POUCO SE FEZ PELO MUNDO, O CONTAGIO DA POBREZA CRESCE PARA A EU!
A PAZ E O AMOR É A SEMENTE
ENQUANTO HOUVER GUERRA, QUE TODOS SABEMOS É FOMENTADA POR INTERESSES DE ALGUNS, NAO HA CAMPOS VERDES COM OU SEM CHUVA, POIS A GUERRA DEVASTA TUDO E QUALQUER HIPOTESE DE VIDA! NAO É ENVIANDO MIGALHAS QUE MATAMOS A FOME, TÊM DE SER MEDIDAS DE PAZ POIS QUE NINGUEM VIVE COM DIGNIDADE DE ESMOLAS!
F de Fome
Ainda bem que há quem ajude. Esperemos que alguns sobrevivam, mas lembrando-me da célebre frase de Mao Tse Tsung comentando a fome: "não lhes deem peixe deem-lhes a cana para pescar!", parece-me que se não atendermos à necessidade imediata que é comer e beber não há força nem energia para fazer qualquer outra coisa. São necessárias as 2 ajudas, dar de comer e dar também meios para produzir comida. Helena Pedroso.
Comentários 8 Comentar

Últimas


Pub