Anterior
Lançadas Jornadas de Empreendedorismo Diogo Vasconcelos
Seguinte
Tuberculose recua pela primeira vez no mundo
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "O pior palavrão começado por F é fome" (vídeo)

"O pior palavrão começado por F é fome" (vídeo)

ONG dirigida por Bono Vox, a One International, lançou uma campanha que junta várias celebridades a exigirem ação governamental na próxima cimeira do G20 para mitigar a fome no Corno de África.
|
George Clooney é uma das celebridades presentes no vídeo da One International

Só nos últimos três meses deste ano, dezenas de milhares de vidas perderam-se na área geográfica do Corno de África devido à fome que assola esta zona, uma das mais pobres do mundo.

Afetada pelas piores cheias dos últimos seis anos e com uma situação explosiva na Somália e noutros países da região, as populações que dependem da agricultura para não morrer à fome veem a sua sobrevivência ameaçada.

A ONU estima mesmo que a vida de 750 mil africanos está ameaçada pela questão da fome.

Como tal, e tendo em conta a aproximação da cimeira dos países do G20, que se vai realizar em novembro, a One International , a organização não-governamental criada por Bono Vox, lançou uma campanha publicitária para pressionar os Governos mais poderosos do mundo a atuarem relativamente à fome no Corno de África e, consequentemente, no mundo.

Participe e pressione


A campanha tem o nome de, "O pior palavrão começado por F é fome" ou, em inglês, "The F Word - Famine is the Real Obscenity" e gira à volta do conceito de que a palavra fome devia merecer a mesma reação e o mesmo tratamento que as outras asneiras começadas por F recebem.

No vídeo, incluem-se participações de Jessica Alba, Clive Owen, Ewan McGregor, Vincent Cassel, do próprio Bono Vox e de George Clooney, também uma das personalidades mais envolvidas em esforços humanitários para acabar com a fome a pobreza, sobretudo na zona de África.

O principal objetivo da campanha da One International é levar as pessoas a indignarem-se com a situação sub-humana em que vive a população, não só do Corno de África mas também de todo o mundo.

Procura de uma solução


As celebridades exortam no vídeo as pessoas a acederem ao site da One International e assinaram a petição que lá se encontra disponível, para exigir dos países do G20 mais enfoque gravíssimo e, potencialmente explosivo, problema da fome no Corno de África.

Criada em 2004 por um grupo de ativistas que incluía o vocalista dos U2, Bono Vox, a One International tem vindo a desenvolver um trabalho de sensibilização para a fome que ainda subsiste no mundo, particularmente no Corno de África.

A organização defende que as principais economias do mundo deveriam ter um papel muito mais ativo na erradicação de um problema que consideram que devia envergonhar as sociedades desenvolvidas e que, por falta de ação eficiente, não está a ter uma solução definitiva.

Veja o vídeo da campanha da One International:


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
O Fado dos "Fs"

"Afetada pelas piores cheias dos últimos seis anos..."

Piores cheias do Corno de África?!?

Desculpa Bono, mas o maior palavrão que existe é "Fado", no sentido de aceitar que estas mortes são o destino ditado por forças superiores, insistir que o problema no Corno de África é climático.

O problema nestes países é estrutural, as secas são cíclicas, isso não é novidade nenhuma, até a formiga sabe que no Verão tem de se abastecer para o Inverno.

Não é a matar-lhes a fome que os ajudamos, pelo contrário, estamos a prolongar o problema.

Considerar seres humanos como números e barrigas famintas, como fazem estas campanhas é ridículo.
Ajuda, que se destina a matar a fome, gera mais corrupção, mais negligência ainda dos governos corruptos, cria mais violência entre grupos, mais abandono da terras, etc…é uma ajuda tipo heroína, vícia e mata lentamente.

Vejam o caso do campo de refugiados do Daadab, o objectivo era acolher 90.000 refugiados somalis, entretanto, já são 400.000…Leiam o relatório da Human Rights Watch " From Horror to Hopelessness".

Ajuda sim, mas estratégica, devidamente orientada, e com compromissos de retorno, de resto, é piorar mais ainda a situação.

As mortes por fome no Corno de África representam 8% das mortes por fome no mundo…e as outras?

Em CUBA não ha fome, mas em Portugal para além
da pobreza ha fome...
F de
Caro/a kcorreia,

creio que o seu comentário é de uma injustiça chocante.

Primeiro porque o texto da One diz exactamente o oposto do que diz no comentário e não atribui a fome meramente às condições climáticas:

"The reasons for the famine in the Horn of Africa are complex and solutions are difficult, especially in Somalia, but we can’t lose sight of some simple facts:

1. 30,000 children have died in just 3 months. Thirty thousand. With over 12 million people at risk.

2. Famine is not a natural catastrophe – drought doesn’t have to lead to famine. It can be prevented, as we’ve seen in much of Kenya and Ethiopia.

Segundo, ter fome é estar às portas da morte. Neste momento, a única coisa que se pode fazer por estas pessoas é dar-lhes de comer. De que adianta pensar em outro tipo de ajuda a longo prazo se as pessoas morrerão a curto prazo (se nada for feito)?

Terceiro, o texto é dirigido aos governantes em geral para que tomem acções de combate à fome actual mas também acções de prevenção de situações semelhantes. Isso implica que todas as questões sociais e políticas mas também geográficas e logísticas sejam tidas em conta.

Re: F de
O ENSAIO EUROPEU É UMA BARRACA!
É VERGONHOSO O QUE ACONTECE NO CORNO DE AFRICA MAS A EU E NAO SO ESTA A PROMOVER A FOME NA EUROPA COM A SUAS ATITUDES ABERRANTES DE UMA AUSTERIDADE DESCONTROLADA!
É UMA GRANDE VERGONHA QUE NOS DEVIA FAZER REFELECTIR E MUDAR O RUMO ENQUANTO PODEMOS, REORGANIZANDO E CONTROLANDO, O DESASTRE DO ISOLAMENTO QUE OS CHAMADOS PAISES PERIFERICOS OFEGAM PERANTE TANTA AUSTERIDADE EM NOME DO PODER VERGONHOSO DE MEIA DUZIA DE LIDERES QUE SE PENSAO ACIMA DA VIDA HUMANA! É PURA HIPOCRISIA TODO ESTE ENSAIO EUROPEU!
A FOME É CONTAGIANTE EM CRISE
SE NAO SE TRATA DA CASA, COMO SE PODE ESTAR DISPONIVEL PARA TRATAR LA LONGE NO CORNO DE AFRICA!
O CORAÇAO ESTA DENTRO DE CADA UM DE NOS MAS O SEU USO, FICA SOTERRADO COM DEMASIADA CEGUEIRA FRAUDULENTA! EM EPOCAS DE VACAS GORDAS POUCO SE FEZ PELO MUNDO, O CONTAGIO DA POBREZA CRESCE PARA A EU!
A PAZ E O AMOR É A SEMENTE
ENQUANTO HOUVER GUERRA, QUE TODOS SABEMOS É FOMENTADA POR INTERESSES DE ALGUNS, NAO HA CAMPOS VERDES COM OU SEM CHUVA, POIS A GUERRA DEVASTA TUDO E QUALQUER HIPOTESE DE VIDA! NAO É ENVIANDO MIGALHAS QUE MATAMOS A FOME, TÊM DE SER MEDIDAS DE PAZ POIS QUE NINGUEM VIVE COM DIGNIDADE DE ESMOLAS!
F de Fome
Ainda bem que há quem ajude. Esperemos que alguns sobrevivam, mas lembrando-me da célebre frase de Mao Tse Tsung comentando a fome: "não lhes deem peixe deem-lhes a cana para pescar!", parece-me que se não atendermos à necessidade imediata que é comer e beber não há força nem energia para fazer qualquer outra coisa. São necessárias as 2 ajudas, dar de comer e dar também meios para produzir comida. Helena Pedroso.
Comentários 8 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub