Anterior
CGTP quer que Cavaco se pronuncie sobre medidas do Governo
Seguinte
Governo vai extinguir 139 fundações
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Mais austeridade  >   "O pilar da estabilidade social foi agredido", diz António Saraiva
COM VÍDEO

"O pilar da estabilidade social foi agredido", diz António Saraiva

O presidente da CIP criticou o facto de o Governo tomar decisões sem ouvir os parceiros sociais.
"Os parceiros não podem ser utilizados para subscrever acordos e não serem ouvidos quando é para tomar decisões", disse António Saraiva
"Os parceiros não podem ser utilizados para subscrever acordos e não serem ouvidos quando é para tomar decisões", disse António Saraiva / NFactos/Fernando Veludo

O presidente da CIP, António Saraiva, defendeu hoje que "o pilar da estabilidade social foi agredido" com a decisão do Governo de aumentar a contribuição dos trabalhadores para compensar a descida da TSU "sem que tenham sido ouvidos os parceiros".


"Os parceiros não podem ser utilizados para subscrever acordos e não serem ouvidos quando é para tomar decisões", disse o presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP) Em conferência de imprensa, António Saraiva anunciou que os parceiros sociais que subscreveram o acordo de concertação social, em janeiro, solicitaram uma audiência ao Presidente da República, Cavaco Silva, e ao primeiro-ministro, Passos Coelho.


Admitindo a redução da Taxa Social Única (TSU) "será benéfica" para algumas empresas, o representante dos patrões criticou o facto de "ser conseguida à custa de um aumento das contribuições por parte dos trabalhadores".


"É legítima a indignação que se sente hoje na população portuguesa", declarou.


Veja o vídeo:



Opinião


Multimédia

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
Há uma ideia que a instabilidade política é boa...
Começou o bota-abaixo!

Esta gente (que tem todo o direito a opinar) não devia dar a ideia de que o melhor é mudar de governo.

A instabilidade política é o pior que pode surgir num país.

Assim, não demora nada que nos transformemos numa Grécia.

E depois quando os juros dos empréstimos estiverem cada vez mais alto, vamos chamar quem?

Se este governo cair, alguém pensa que há melhor solução?

José Seguro faria(á) o mesmo ou pior que Passos Coelho.

Estamos numa encruzilhada e ninguém diz nada sobre a responsabilização dos políticos?

Talvez devêssemos começar com julgamentos populares na praça pública, para ver se os políticos começam a ser patrióticos e responsáveis.
Re: Há uma ideia que a instabilidade política é bo
Você devia ter pensado nisso antes...
Re: Há uma ideia que a instabilidade política é bo
Re: Há uma ideia que a instabilidade política é bo
Cavaco deve exigir a cabeça do Gaspar
Cavaco Silva só tem uma coisa a fazer se não quiser alinhar no último comboio para o buraco , conduzido pelo ministro das finanças.

Exigir a cabeça do ministro das finanças Vitor Gaspar , que já se viu não tem mãos para isto , pode ser muito bom em termos de finanças , mas deixa muito a desejar em termos economicos , já que não consegue antecipar qualquer cenário , nem macro , nem micro.

Bagão Félix diz que o Governo ou recua ou cai
Bagão Félix diz que o Governo ou recua ou cai

Em declarações à Renascença, ex-ministro pede um recuo nas medidas de austeridade, fala em "esbulho feito sobre os pensionistas" e considera que se atingiu o limite do "decoro ético".

Bagão Félix apela aos dois partidos da coligação para se entenderem e recuarem nas novas medidas de austeridade. Caso contrário, diz à Renascença o ex-ministro, está-se a "adiar o inevitável": a queda do Governo.

"Ainda há tempo para os líderes dos dois partidos da coligação do Governo se sentarem e recuarem, porque reconhecer um erro em política não é mau. É melhor reconhecer o erro do que insistir em erros tão graves como estes", refere Bagão Félix.

Questionado se está criado o ambiente para que o Governo recue e se há margem para esse recuo, é peremptório: "Tem de ser, porque senão estamos simplesmente a adiar o inevitável, que é uma ruptura governamental".

Para Bagão Félix, as novas medidas de austeridade, em particular a subida dos descontos dos trabalhadores para a segurança social e os cortes aos pensionistas, chegaram a "limites insustentáveis do decoro ético" do Estado.
 
A propósito do corte das pensões - perda de dois subsídios e cortes até 10% para quem aufere valores acima dos 1.500 euros líquidos -, o ex-ministro fala mesmo em "esbulho feito sobre os pensionistas".

rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=77235
Até salazar era mais governava melhor
Por muito menos que isto o Sampaio correu com o Santana, O Cavaco deve estar a espera que nasçam dentes nas galinhas, para tomar uma atitude.
Este governo consegui algo de que não há memoria neste país, patrões, trabalhadores, oposição dentro e fora do partido, todos contra eles e mesmo assim não há meio destas bestas de merda mudarem de rumo.
Comentários 8 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub