4
Anterior
O problema das leituras rápidas
Seguinte
Uma réplica da bengala de Camilo
Página Inicial   >  Blogues  >  Bitaites e Bicuaites  >   O Manolo, o afecto, a memória

O Manolo, o afecto, a memória

|

Bitaites


Morreu um grande amigo, Manuel Ollero Vidal, o Manolo.

Conheci-o há muitos anos, estava ele, com Marcelino de Brito e o seu inseparável companheiro de lides sportinguistas, José Manuel Torcato, em campanha (justamente) para a presidência do Sporting. Depois, através dele, tive ocasião de conhecer outro grande amigo - o Vítor Seijo - o Germano de Figueiredo, um dos maiores jogadores de sempre do futebol português e grande figura humana, o Fanã, o Romplius, o Sebastião, o pessoal do Atlético em geral, enfim, muita gente boa. E ao Manolo (e ao Vítor e ao António da Mó, curiosamente todos galegos) fiquei a dever, para além do resto, todo o apoio que imediatamente se dispuseram a dar-me, caso eu precisasse, numa altura em que tive de ir viver para Londres e Bruxelas durante mais de um ano, a fim de poder cuidar da saúde de um familiar meu muito próximo, que felizmente ultrapassou por inteiro o mal de que padecia. Coisa que nunca esqueci nem esquecerei, por mais que esses amigos tenham já para sempre partido, o Manolo agora. Mas é assim: quando se chega a uma certa idade, o nosso carnet de endereços e telefones mais parece um cemitério. Restando porém a memória. E o inalterável afecto.

1. Se, por causa de Timor, avançámos em tempos contra a Indonésia de punho erguido, é de mão estendida que Cavaco foi agora a Jacarta! Mas já dizia o poeta: mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Ou, diria eu: mudam-se os tempos, mudam-se as necessidades. Necessidades a que também chamam aliás, em jargon político, Negócios Estrangeiros ...

PS. Segundo leio, "Timor discute o que fazer com os seus nove mil milhões de dólares (do petróleo)". Mas Cavaco também tem solução para isso: uma mão estendida a Jacarta, a outra a Dili, evidentemente.

2. Portugal: o que dizer de um país que tem Miguel Relvas como o nº2 do Governo? Num casting, não passaria, de certeza. Numa audição, talvez; o Reagan, por exemplo, passou. E pior actor do que ele, não vejo. Nesse aspecto, Relvas é melhor.

3. Duarte Lima: se a ganância, essa coisa repugnante, viscosa, venenosa matasse, já estaria morto há muito tempo. Explicação para uma tal ganância? Sinceramente, não sei lá muito bem. Embora tenha uma desculpa: não sou Shakespeare.

4. Sobre o caso-Freeport, o "Correio da Manhã" não vai por quatro caminhos e sentencia, peremptório: "Sócrates recebeu dinheiro"! Contudo, da leitura da notícia, o que resta é que - segundo um tal Alan Perkins - "Charles Smith e Manuel Pedro foram usados para fazer pagamentos ilícitos", referindo o mesmo senhor "reuniões onde estes factos terão sido mencionados". Para além de que Charles Smith lhe terá dito que "a Freeport fez pagamentos para obter a licença do outlet a pessoas que recebiam em nome de Sócrates". Sócrates que, por sua vez, ameaça processar quem usou ou quem usar o seu nome". E, em grosso, é isto, quer dizer, nada ou praticamente (do ponto de vista jurídico) nada. Sendo que, de facto, o único processo em que o ex-primeiro-ministro está a ser julgado e já foi condenado é este: o do "Correio da Manhã", que pratica, sempre praticou, e com que afinco, a velha e relha teoria segundo a qual, se as provas não provam aquilo que o jornal quer provar, são as provas que estão erradas. Ora, ao que parece, isso vende. E a empresa vinga...

5. No mesmo "Correio da Manhã", outro título muito interessante: "Zita Seabra mais próxima da Opus Dei".

... E lá me vem à ideia a conhecida expressão francesa: "il (no caso, elle) revient de loin". Que não foi de resto criada para a dita Zita. Mas lá que podia ter sido, isso podia.

6. Ainda mal tinha sido eleito e nem sequer empossado, François Hollande fez de pronto reentrar no vocabulário europeu, e de resto não só, a palavra crescimento. E nem precisou para isso de por saltos altos: bastou-lhe dizer o evidente, colocando pela primeira vez Merkel em alguma dificuldade perante os seus (se assim posso com total propriedade chamá-los) parceiros. E felizmente que ninguém, por causa disso, gritou: ela vai nua! Tanto mais que aqueles casaquinhos e aqueles pantalons ficam-lhe tão bem ...

7. Robben. Se eu fosse treinador de futebol, em equipa minha não jogava. E não por ter falhado aquele penalty (contra o Chelsea). Mas porque só pensa nele, não passa a bola a ninguém, quer aparecer de qualquer maneira nas capas dos jornais do dia seguinte como o maior, o salvador, etc. etc. etc. Repito: numa equipa minha, não jogava. Nem ele, nem quem joga como ele. Embora haja por aí muito craque, ou pseudo-craque, que o faça. Um conselho? Olhem para o Messi e aprendam a jogar à bola, pensando antes de mais na equipa. Porque, achem esses craques, ou pseudo-craques, o que acharem, não são coisas incompatíveis, longe disso.


Bicuaites

1. Título da "Sábado":

"Vítor Gaspar conta a crise às crianças".

Só se for.

2. O mesmo Vítor Gaspar:

"Eu não minto nem ludibrio os portugueses".

Engana-se é como o caraças.

3. Filipe Luís, na "Visão":

"Governo e troika estranham aumento do desemprego. Estão a gozar ou são só incompetentes?".

Quanto à troika, não sei. Quanto a Vítor Gaspar, nem sequer acredito que ele saiba o que é gozar.

4. Francisco Assis:

"O primeiro-ministro é alguém que acredita piamente numa versão extremista do liberalismo económico".

Passos perdidos ...

5. Miguel Sousa Tavares:

"Vem aí o segundo submarino e ninguém sabe o que fazer com ele. Se já não há dinheiro para fazer andar o primeiro, o que fazer com o segundo?".

Eles não saberão nadar, ó Miguel?

6. Título da revista do "Público":

"Madeira: pobreza, vergonha e medo". E adiante: "A dupla austeridade está a atingir a Madeira como um tsunami".

Será que o Jardim, à défaut de um bunker, não quererá os submarinos?

7. Do "Público":

"Apesar de os medicamentos estarem cada vez mais baratos, os encargos dos cidadãos com remédios voltaram a aumentar no primeiro trimestre deste ano".

Pergunto: mas onde é que está a notícia?! Ainda se fosse ao contrário.

8. Título do "Correio da Manhã":

"Ladrões de fruta vendem na rua".

E - como se lamentaria um dono de grande superfície - uma vez que compram de borla, os malandros, para eles é tudo lucro!

9. Título do "Correio da Manhã":

"Treze polícias acusados de chefiar rede criminosa".

Alegadamente criminosos mas seguramente nada supersticiosos, os fulanos!

10. Conceição Bessa Ruão, deputada do PSD:

"Será que há mulheres de outras nacionalidades que abortam em Portugal, porque o aborto é gratuito?".

Mas é claro: é pô-las na fronteira e chamar a polícia. Ou melhor: chamar a polícia e pô-las na fronteira. Se a polícia não as prender entretanto, é claro.

11. Título do "Público":

"Saída da Grécia do euro 'passou de impossível a altamente improvável e indesejável".

Pelo visto, a sra Merkel ainda não decidiu o que será melhor para a Alemanha ...

12. Título (ainda) do "Público":

"Mladic (o antigo comandante do Exército sérvio, acusado de crimes contra a humanidade) enfrenta a justiça: 'Espero que Deus tenha reservado o pior para ele'".

Sim, pior, muito pior para ele - sejamos justos - do que aquilo que foi reservado para as vítimas.

13. Tom Ford, estilista norte-americano:

"Talvez os homossexuais consigam projectar certos sentimentos acerca da vida que os heterossexuais nem sequer imaginam".

E se calhar nem querem.

PS. Título do "Público":

"Relvas nega ter feito pressões, PÚBLICO mantém que existiram".

Caro leitor (e, já agora, caro eleitor), em quem é que acredita?

PS 2. O presidente do Benfica continua pelo visto a pensar que é impune (atenção, eu não disse inimputável) podendo dizer tudo o que lhe vem à cabeça, ou à cabeça de quem lhe escreve os discursos. Desta vez (leio n'"O Jogo"), para além de outros mimos, "chamou corruptos aos dragões e ladrão a Pinto da Costa". Pelo que lá irá, com certeza ter de desembolsar mais um euro ...


Frei Bento Domingues:

"Fátima só pode ser considerada ópio dos peregrinos se eles se contentarem com a 'procissão do adeus' à Virgem sem a promessa de se entregarem à alteração do meio em que vivem. Sem esse propósito, terão sujado os pés e os joelhos inutilmente. Marx não criticava a religião por ser o 'suspiro da criatura oprimida, o ânimo de um mundo sem coração e a alma de situações desalmadas', mas por se tornar um refúgio, em vez de um princípio de vida e de acção".

Abençoado frei Bento: que as mãos nunca lhe doam.


António Tavares Teles escreve de acordo com a antiga ortografia


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Cãozinho do Pinto da Costa
Será que esta crónica também foi ditada pelo Pinto da Costa?
www.youtube.com/watch?v=iLpgst6hll8
Não esquecer quem é este senhor...
"STANDARD & POOR´S"
LIXO.
kácus
ui
Este gajo é mais esperto que o Vieira!!!

Ao Vieira há quem escreva os discursos. Nada de anormal, o memso fazem ao Passos Coelho e tantos outros.

Agora a este escriba, só lhe ditam, o gajo sabe, têm é de lhe dizer o que escrever.

Ah expresso que dás guarida a enganadores deste calibre.
Vergonhoso!
Então o senhor ouve-se no youtube a combinar uma noticia com o Pinto da Costa, e imaginam-se as que não foram gravadas, e vem falar de "de quem lhe escreve os discursos" sobre o presidente do SLB que disse a verdade que a CS tanto trabalha para esconder!

TENHA VERGONHA!
Comentários 4 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub