1
Anterior
Uma expedição aérea por África
Seguinte
Subir o Zambeze (fotogaleria)
Página Inicial   >  Blogues  >  Expedição aérea a África  >   O Lago Niassa (fotogaleria)

O Lago Niassa (fotogaleria)

|
Uma expedição aérea por África

O gosto por voar e o gosto por Moçambique juntam-se numa aventura protagonizada por um grupo de pilotos da TAP que se lançou num raide aéreo em África. Misturaram a vontade de ajudar e levaram três toneladas de medicamentos.

Os enviados da Grande Reportagem - Cândida Pinto, Jorge Pelicano e Jorge Simão (Expresso), relatam esta semana a expedição aérea.

Grande Reportagem Sábado no Expresso e Domingo na SIC após o Jornal da Noite

Os pilotos andaram 15 dias pelos céus de África, em pequenos aviões, com paragens na Gorongosa, lago Niassa, Inhambane, Zâmbia e Botswana. Tudo em nome de uma paixão por voar África.

Deixamos a Gorongosa e voamos rumo ao Niassa. O lago é uma surpresa para todos. Uma imensa extensão de água doce com 365 quilómetros de comprimento a banhar Moçambique, Malawi e Tanzânia. Voamos sobre um deslumbrante espelho de água. Pelos rádios dos aviões só se ouvem expressões de espanto face ao azul de cortar a respiração. Sereno, selvagem, tranquilo. Invade-nos com uma paz invulgar. Da superfície das águas elevam-se umas estranhas nuvens em espiral. Um mistério que vai alimentar muitas conversas. Serão danças de boas vindas do Niassa?

Aterramos numa pequena ilha do Malawi frente à costa moçambicana. Na enseada está atracado o "Ilala Boat", um barco que circula pelo lago: no 1º andar seguem os turistas, no andar inferior os que vivem nas margens do Niassa e que tem de transportar galinhas, mandioca, peixe seco. Um barco que me traz à memória "A Curva do Rio" de V.S.Naipaul.

A divisão das fronteiras tem destas coisas. Não se avista a costa do Malawi - o lago é bastante largo - mas a fronteira passa por este pedacito de terra encostado a Moçambique : a ilha de Likoma. Isto leva a uma situação caricata: temos que carimbar aqui os passaportes porque entramos no Malawi, mas vamos sair logo depois, numa lancha para dormirmos de novo em Moçambique, onde é preciso voltar a obter o visto de entrada. Burocracia não falta. Mas a paisagem esmaga qualquer problema formal. Avançamos para uma praia, Nkwichi, onde chegamos já de noite. Ao luar na areia ouvimos o canto do Niassa, um grupo de miúdos afinados que junto à fogueira soltam a voz. Encantam.


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Curiosidades do Lago Niassa
As "estranhas nuvens em espiral" que se elevam das águas e referidas nesta reportagem, por mais inacreditável que possa parecer, são nuvens de milhões de minúsculos mosquitos que, arrastados pela brisa, atravessam o Lago, usualmente deslocando-se do Malawi para a costa moçambicana.
Não picam mas, se por eles somos apanhados, metem-se por todo o lado - olhos, ouvidos, nariz, boca - conseguido por vezes atravessar redes mosquiteiras de malha menos fina.
Os indígenas (especialmente as crianças), untam o interior de latas com gordura e, agitando-as no ar, conseguem apanha-los, comendo-os qual delicioso manjar a que chamam caril.
Quando estas nuvens atingem uma povoação e caso não haja vento que as disperse, os mosquitos acabam por morrer ao fim de pouco mais que um dia, acumulando-se em amontoados de tamanho apreciável junto às paredes e empenas dos edifícios.
A densidade destas nuvens chega a ser tal que, quem de súbito se depare com uma a curta distância, facilmente é levado a pensar tratar-se do fumo de um incêndio ou queimada.
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub