Anterior
Abrir contas em moeda estrangeira já é permitido na Venezuela
Seguinte
"Não sou nada consumista"
Página Inicial   >  Economia  >   "O euro é irreversível", diz presidente do Banco Central

"O euro é irreversível", diz presidente do Banco Central

Presidente do BCE não tem dúvidas: a Europa tem de manter a moeda única, custe o que custar.
Lusa |
Presidente do BCE acredita na sustentabilidade da moeda única
Presidente do BCE acredita na sustentabilidade da moeda única / EPA

O euro é "irreversível" e o Banco Central Europeu (BCE) não tem qualquer tabu quando se trata de agir para preservá-lo, assegurou hoje o presidente da instituição, Mario Draghi, numa entrevista concedida ao jornal Le Monde.

"O euro é irreversível", afirma Mario Draghi na entrevista ao Le Monde, citada pela agência AFP.

"A preservação do euro faz parte do nosso mandado" e, para fazê-lo, "estamos abertos e não temos tabus", acrescentou o presidente do BCE.

Draghi recordou que o BCE baixou recentemente a taxa de juro diretora da zona euro para 0,75%, um novo mínimo, e disse que se a instituição identificar riscos de deflação vai tomar medidas. "Se constatarmos esses riscos de deflação, agiremos", disse.


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 33 Comentar
ordenar por:
mais votados
irreversível é...
a laqueação das trompas do falópio, o euro é irreversível o seu fim.
O Euro fica se cada um fizer a sua parte.
É óbvio que se o € (euro) não for irreversível, isto vai tudo por água abaixo, tanto cá como na vizinha Espanha, e mesmo na terrífica Alemanha.
O € interessa a todos, e cada um tem de cumprir a sua parte. Uns pagam as dívidas colossais que contrairam face ao seu parco PIB. Outros sofrem com a desvalorização do euro face ao dolar, que por sua vez dá jeito aos países em recessão e aos mais pobres.
O Euro em 06/2011 valia 1,435 US Dollar, actualmente, 06/2012 vale apenas 1,241. Uma desvalorização de 8,6%, mas ainda se vai desvalorizar mais.
A nós dá-nos jeito. Aos Alemães e Finlandeses nem por isso. Mas o € a manter-se com aquelas cotações de 2008, 1,56 dólares, era o seu fim a médio prazo.
Re: O Euro fica se cada um fizer a sua parte.
Quem apagou a luz da eurolândia?
Bem, o nosso problema é diferente. O que nos preocupa é irreversibilidade na falta de euros. Porque foi com choque e espanto, que nos deparámos com a situação que se podia estar na zona euro… sem euros.

Chamar ao problema a crise do euro, é como designar de distúrbio alimentar, o facto de alguém não ter nada para comer. E o interessante é que não temos euros, porque os gastámos. E de livre vontade. É que muito boa gente está convencida que foi extorsão. Parece que fomos obrigados a ficar com os Audis e BMW’s. Ou que sob ameaça, fomos de féria a Acapulco, ou o fim-de-semana a Barcelona.

Penso que é uma falha da nossa Constituição, em que nos concede direitos sem serem à borla. Ou talvez tenha a ver com iliteracia dos povos europeus, por desconhecerem a Lei e a nossa interpretação dela, em que consideramos como obrigação todos os direitos.

Por acaso, o legislador não ilegalizou a morte, senão, tínhamos os cemitérios vazios e as prisões cheias. E era bom que os povos europeus se convençam que só gastamos, porque a isso somos obrigados. Somos vítimas de nós próprios. Já pensámos em irmos todos para a cadeia, mas não temos quem feche a porta.

E muitos reclamam que os estrangeiros estão a querer mandar em nós. Têm toda a razão, e como vingança, devíamos era obriga-los a ficar mesmo connosco

Por mim, podem crer, dava-me jeito perder a independência
Foi o povo que gastou demais. Em Portugal e em
Re: Foi o povo que gastou demais. Em Portugal e em
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Re: Quem apagou a luz da eurolândia?
Última hora
Um Jornal alemão noticia queo FMI não dá mais dinheiro à Grecia e prevê que em Setembro próximo a Grecia possa sair do Euro e regressar à sua moeda antiga....
Em Espanha como em Portugal foi o povo que astou
demais...nesse país dado que o rating vai baixando e os juros vão subindo em Espanha e a intervenção da Troika poderá estar eminente. Onde é que os portugueses já viram isto? tudo começa com noticias assépticas: "Instabilidade do sector financeiro penaliza Espanha e Zona Euro". Depois os juros aumentam para os paises endividados dependentes de financiamento nos "mercado" - em Espanha ultrapassaram hoje os 6%. No final do processo será activado o Mecanismo Europeu de Estabilidade o que, toda a gente já sabe à boca pequena.

Tudo parece ter começado (mas de facto não é assim) com a “descoberta” do buraco financeiro no Bankia, primeiro noticiado como sendo de 6 mil milhões, que depois passou a 2 Mil milhões, mas (depois de preparada a opinião pública, disparou para 12, logo para 19 Mil Milhões). No final, decidida a nacionalização dos prejuízos do Bankia (com a estafada tanga do perigo de alastramento à banca nacional) o governo do partido neoconservador declarou que para salvar o sistema bancário de Espanha era preciso injectar naquele banco 23,5 Mil Milhões de Euros. Esse dinheiro lançado para a fogueira de um banco falido (tal como no caso do português BPN) não vai poder ser devolvido e fará disparar o défice do país.....

Irreversível,Irreversível....
São as declarações....

porque a argumentação costuma ser....

Tendo em conta os dados disponíveis...

Como diz o Gaspar... Neste momento não prevejo mais impostos!
LEIAM QUE É INTERESSANTE:
economico.sapo.pt/noticias/a-coerencia-dos-eurocepticos_148712.html

www.ionline.pt/dinheiro/1998-euro-uma-certeza-se-fizermos-reformas-tudo-resultara#c omment-18761

economia.publico.pt/Noticia/superricos-escondem-pelo-menos-173-bilioes-de-euros-em- paraisos-fiscais-1555890

www.ionline.pt/dinheiro/primeiro-ministro-britanico-abre-porta-referendo-reino-unid o-sair-da-ue
A reunificação da Alemanha
A reunificação da Alemanha está mais uma vez a confirmar que a Alemanha não consegue conviver com ser demasiado grande para a Europa e demasiado pequena para o Mundo.
Será que vamos esperar sentados pela terceira giuerra mundial???
Este gajo fala assim...
porque quem manda no BCE , ... é o nosso Doutorissimo Vitor (comprado) constancio !!! Este sim !!! dá as cartas e o outro ... Blá... Blá...Blá ... !!!
Ó pá...
Nós temos o maior trunfo, que é mandar o euro às malvas e virar-nos para as ex-colônias. Pensam que que África e o Brasil não querem posição na Europa território?
Mas esses apedeutas desses políticos não viram isso.
O maior trunfo é a nossa língua e acordos econômicos.
Não bastou o caipira do Salazar olhar só para o umbigo e não entender a imensidão de territórios que se comunicam em Português?
Se o saloio de Santa Comba Dão, em vez de seguir os conselhos do Patriarcado, tivesse dando um pontapé na bunda na padralhada e, em vez de mandar tropas para o Ultramar, mandasse diplomatas, as Guerras Coloniais nunca tinham acontecido, mas convencer um caipirão a mando do Vaticano, era impossível. O gajo era obtuso demais.
A cabecinha dele funcionava do Minho ao Algarve e féria em Xanta Comba Dão!
Se alguma vez o sacana botou os chispes no Ultramar!...
SISTEMAS EM CONFLITO - 1
O comentário anterior, de Duarte Silva é simplesmente lamentável, e a solução não está em colocar Portugal a pedir esmola ás nossas ex-colónias.

A solução não está em "mandar o Euro ás malvas:

A ideia da criação de um "BLOCO EUROPEU" forte e fechado,
só aberto a possiveis ulteriores adesões, e com fronteiras aduaneiras e demais salvaguardas, foi uma grande ideia. Mas as suas bases teriam que ser sólidas:

  - Coesão económica e alfandegária.
  - Controle financeiro central.

Mas não foi isso que se fez. Criou-se o Bloco, que em seguida se abriu como mercado livre para o resto do mundo, sem as contrapartidas que justificasem essa abertura.

E o BLOCO que se queria forte e coeso transformou-se num gruppo desalinhado e fraco, daí resultando a realidade actual.

Colocaram-se em conflito duas realidades politicas, económicas e sociais extremamente diferentes:

Paradigma "EUROPEU":
 
Estado Social, Economia privada mas com legislação sobre salários, horários de trabalho, direitos a greve, etc. etc.´

Paradigma "ASIÁTICO":

Economia centralisada, salários de sobrevivência, o "Social" inexistente, e salve-se quem puder.

Desta forma a "Ásia", com proeminência total para a China, conseguiu em poucos anos a "Invasão pacifica perfeita"

(Ver sequência na parte 2)

SIATEMAS EM CONFLITO - 2
Como se verifica na actual conjuntura:

Os produtos são produzidos na China por Chineses, exportados por chineses importados na Europa por chineses sem pagamento de impostos a que deveriam ser obrigados, distribuídos na Europa por chineses, e finalmente vendidos ao público por chineses,em lojas chinesas.
Isto é um esquema vertical, desde a produção até ao cliente final, e em grande parte sem o controle das autoridades locais.
Isto é a invasão pacifica e eficaz, estupidamente consentida pelas leis europeias.
Do seu ataque á produção e comercialização dos produtos europeus, e da deslocalisação de milhões de postos de trabalho para a Ásia resultaram o desemprego galopante que se verifica em quase toda a Europa, e a falência das suas instituições e economia.

A impossibilidade de competição é manifesta, e só não é vista por quem não a quiser ver.

Claro que este problema não pode ser resolvido por um só país. É um problema da Europa e por ela terá de ser resolvido. A sua área económica terá de ser defendida por barreiras que diminuam a diferença entre as duas realidades económicas.
Caso não seja, a tendência para o desemprego, para as falências, para salários mais baixos, e para a diminuição do carácter social da legislação irá continuar a manifestar-se.

Será assim tão dificil atacar e resolver as causas, e parar com as criticas aos efeitos ? ?
O euro
"Reafirmamos a total confiança no treinador da nossa equipa de futebol!"
Claro que o euro é irreversível.
Tão irreversível que até vai acabar...
Cantigas de embalar
Será?
"O euro é irreversível"


                            Não me faça rir. Não tenho vontade disso.

Comentários 33 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub