27
Anterior
Tony Scott, um dos reis do VHS e dos 80's
Seguinte
O cavalinho de Spielberg
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >   O desprezo de Lisboa pelo Norte, parte 34

O desprezo de Lisboa pelo Norte, parte 34

|

Para sair do buraco, a sociedade portuguesa precisa de extinguir dois incêndios que estão a consumir, há muito, uma possível relação amorosa entre o nosso PIB e o crescimento. O primeiro é o défice externo, ou seja, temos de exportar mais e importar menos bens de consumo, a fim de acabarmos com a excessiva dependência do crédito externo, que, relembre-se, é a grande raiz da presente crise. E sabem que mais? Esta frente de combate está a correr bem, pois em breve o saldo do dinheiro que sai/dinheiro que fica será positivo. Razões para este sucesso? O comportamento das exportações e o lado positivo (menos importações e mais poupança) da queda do consumo e do consequente aumento do desemprego em certos sectores. O segundo incêndio é a brutal despesa pública. Ora, a atmosfera mediática de 'Lesboa' só dá atenção a esta segunda frente de combate, que, por acaso, é aquela que apresenta menos sucessos. Isto sucede por várias razões.

Em primeiro lugar, os média seguem à risca o queixume das corporações que estão instaladas no Estado. Os telejornais, por exemplo, parecem menus de queixas de sindicatos e corporações. É como se o país inteiro se resumisse ao funcionalismo, é como se não existisse mais nada numa sociedade de 10 milhões. No fundo, os nossos média são os média do Estado, no sentido em que só fazem notícias sobre os actores do Estado (partidos e corporações). Em segundo lugar, é notório que a 'Lesboa' mediática fica incomodada com as boas notícias. Há demasiada gente ansiosa por ver Atenas em Lisboa. Por que razão existe esta má vontade? É uma conversa para outras calendas. Em terceiro lugar, o motor exportador do país está situado acima do Mondego, e este sucesso com sotaque do norte não encaixa nas narrativas 'lesboetas'. A macrocefalia não é só uma questão material. Existe um abismo entre o país que trabalha para exportar e a auto-representação mediática de Portugal feita em 'Lesboa'.


Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 27 Comentar
ordenar por:
mais votados
HR
Uma pergunta sem ofensa, afinal quem é o seu patrão?
Re: HR
Re: HR
tb pago
Propaganda
Raposo, de vez em quando, assume calmamente o papel de porta-voz governamental. Mune-se de tintas suaves e pinta-nos um quadro idílico do país em recuperação.

Do saco das tragédias, respiga o único indicador que não está no vermelho, tentando convencer-nos de que está tudo bem. Deixa no tinteiro o milhão de desempregados, as falências diárias, as lojas e restaurantes vazios e a cultura de subsistência que está a invadir largos sectores da população. Uma sopa, uma carcaça,um copo da água da torneira, são , cada vez mais, o menu de muitos portugueses.

Mas isso não interessa ao Raposo, na cus cruzada mistificadora......
Que disparate de crónica !
Um amontoado de palavras bairristas, sem essência que se aproveite.
Bah!
A Capital vs O Capital
- Braga reza, o Porto trabalha, Coimbra estuda e Lisboa diverte-se.

O problema não é o divertir-se ou não.

O problema é o facto de pensarem que Portugal é Lisboa e o resto é paisagem ou a parvónia.

Triste a mente de quem pensa assim.

PS: que me desculpem todos os que pensam de uma maneira diferente da descrita no comentário.

Re: A Capital vs O Capital
Re: A Capital vs O Capital
Re: A Capital vs O Capital
Re: A Capital vs O Capital
Não é bem assim...
Para já, tem de considerar Bens e serviços e não apenas bens. Nos serviços somos excedentários, tendo conseguido um superávit da Balança de B&S pela primeira vez desde há muito. Aliás, em termos de serviços, exportamos o dobro do que importamos...
Embora a Região Norte seja mais exportadora (é lá que se localizam uma grande parte das indústrias), a maior parte dos serviços estão localizados em Lisboa.
Estar a fomentar uma guerra Norte Sul por causa das exportações é uma estupidez que não leva a lado nenhum.
Já no que respeita ás corporações, há muito que se percebeu isso: temos um estado corporativista onde as corporações (desde os médicos aos maçons, passando pelos funcionários públicos, juízes, sindicatos, etc...) dominam. porventura, será por isso que o País está tão em baixo, pois cada uma destas corporações só se preocupam em sugar para si própria.
Norte Sul...
Caro Raposo

O seu texto tem alguma verdade, mas como não apresenta dados, provas ou indícios do que diz, vale tão pouco como uma conversa de café entre adeptos de futebol.

Se quer pegar em alguma coisa com mais substância, experimente pesquisar um bocadinho sobre os estado das finanças autárquicas em Lisboa e Porto e a forma como os dois presidentes da câmara têm gerido as suas dívidas.

Cmps,

António

oreivaivestido.blogspot.com
Chorar sobre o leite derramado: para que?
Caro Henrique Raposo,

Gostei das sua palavras, e da forma como explanou as ideias.

Há realmente um faixa muito extensa de gente que só lhe interessa as notícias, se elas forem más e especialmente tristes.

E os jornalistas, são o número 1 dessa gente pessimista, tristonha e derrotista.

Bem sei que no caso deles, é tudo uma questão comercial: vendem-se bem, as notícias das desgraças; às boas notícias, ninguém dá importância.

Por isso achei oportuna a sua intervenção.

É bom que haja alguém com comentários/notícias razoáveis e optimistas.

Chega de choros e pieguices!!!
Mera curiosidade...
Se é assim com diz caro Raposo pode explicar-me porque é o distrito do porto o nº 1 na taxa de desemprego e onde tem mais pobres a receber o rendimento minimo? Hum....os indicadores são traiçoeiros...!
Ah..já agora srº Raposo faça um bocadinho de trabalho sério de jornalista e investigue onde se tem torrado mais dinheiros do QREN ao longo dos anos e vai ficar boquiaberto com o dinheiro gasto (torrado) a norte do Mondego em relação ao Sul do País...!
Re: Mera curiosidade...
Conversa de chacha

Com argumentações deste tipo HR pode fazer sucesso numa tasca de Campanhã.
No Expresso online apenas pode causar perplexidade nos leitores.
Comentários? Para quê?
Esta crónica nem comentários merece.É assim... como chover no molhado !!
E o Socrates pá!!!
Andamos tão esquecidos da turculência do passado recente! O "jornalismo já não é o que era! Mudam-se os tempos mudam-se as vontades, como dizem os espanhois as ganas. Espero que não seja míopia intelectual...pois com artigos a escrever sobre "flores" parece que o país está a ser bem conduzido, com gente séria e qualificada. Tenha a decência de deixar de ter VÓMICAS jornalísticas!
Mais um disparate
Este individuo vai alternando entre as croniquetas a dar graxa ao (seu?) partido no governo, e outras a falar sobre mundanices sem interesse nenhum. Agora lembrou-se, à falta de melhor, de tentar ressuscitar essa inefável guerrilha norte-sul, como se já não tivéssemos problemas que cheguem sem estes bairrismos bacocos!
Re: Mais um disparate
O vómito continua...
Eu é que não vou perder tempo a procurar a crónica do Raposo em que diz que o principal problema é a dívida que as famílias possuem... que segundo a memória não me falha é de cerca de 20% do total. Agora, que já se sabe (mais-ou-menos) os valores de todas essas dívidas, já diz que o principal problema é do endividamento externo. É uma autêntica trapalhada de quem não tem a mínima noção do que diz... (e eu também não, basicamente...).

É ridículo este artista...
Re: O vómito continua...
Mais um artigo insignifcante do sr. Raposo...
Parte 999
Re: O desprezo de Lisboa pelo Norte, parte 34
"O comportamento das exportações e o lado positivo (menos importações e mais poupança) da queda do consumo e do consequente aumento do desemprego "

Hahahahahahahaha

Pois, desde a antiguidade clássica que as pessoas aproveitavam o facto de estarem desempregadas para "poupar"...

se o PS voltar a ser governo imagino que venham às centenas os textos sobre o lado negativo "da queda do consumo e do consequente aumento do desemprego "

Que personagem
Re: O desprezo de Lisboa pelo Norte, parte 34
Comentários 27 Comentar

Últimas


Pub