Anterior
Estado nega bónus a Penedos na REN
Seguinte
Presidente da Ongoing ataca Balsemão e ERC
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Face Oculta  >   Nuno Vasconcelos garante que nunca falou com Governo sobre media

Nuno Vasconcelos garante que nunca falou com Governo sobre media

O Presidente da Ongoing está a prestar esclarecimentos aos deputados da Comissão de Ética. Clique para visitar o dossiê Face Oculta
Nuno Vasconcelos garante que nunca falou com Governo sobre media

O presidente da Ongoing garantiu hoje que nunca conversou com o Governo sobre temas de comunicação social sublinhando ser o único grupo de media em Portugal que não tem conta na Caixa Geral de Depósitos.

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ FACE OCULTA

"Nunca tive nenhuma conversa com o Governo [sobre comunicação social], tive algumas conversas com o ministro da tutela sobre telecomunicações, mas nunca sobre media", afirmou Nuno Vasconcelos, que está a ser ouvido na comissão parlamentar de Ética, Sociedade e Cultura sobre exercício da liberdade de expressão e um alegado plano do Governo para controlar a comunicação social.

"Qualquer coisa que eu diga, os senhores deputados podem acreditar ou não mas nós não dependemos de ninguém", disse, acrescentando que a Ongoing "é dos poucos grupos em Portugal - e o únido de media - que não tem conta aberta da CGD".

"Não recebemos nenhum financiamento do Estado, nem um cêntimo", frisou, adiantando que o grupo "passou por muitas dificuldades, por guerras, pelo 11 de março - em que o grupo esteve para ser nacionalizado - mas [que] tudo isso permitiu saber o que é eticamente correto".

"Sabemos muito bem onde está o correto e o incorreto e para nós essa linha não é cinzenta, é preta. E sabemos muito bem onde estar. Estamos do lado do bem", afirmou.

Nuno Vasconcelos escusou-se a comentar as declarações de Pinto Balsemão sobre a proposta da Ongoing para aumentar o seu capital na Impresa, explicando ter "um enorme respeito pelo príncipe da comunicação social [Francisco Pinto Balsemão]", porque "o conheço desde que nasci e qualquer coisa que diga não ficaria bem".

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Nota da Direcção do Expresso

O Expresso apoia e vai adoptar o novo Acordo Ortográfico. Do nosso ponto de vista, as novas normas não afectam - antes contribuem - para a clarificação da língua portuguesa.

Por outro lado, não consideramos a ideia de que a ortografia afecta a fonética, mas sim o contrário. O facto de a partir de 1911 a palavra phleugma se passar a escrever fleugma e, já depois, fleuma não trouxe alterações ao modo como é pronunciada. Assim como pharmacia ou philosophia.

O facto de a agência Lusa adoptar o Acordo, enquanto o Expresso, por razões técnicas (correctores e programas informáticos de edição) ainda não o fez, leva a que neste sítio na Internet coexistam as ortografias pré-acordo e pós-acordo.

Pedimos, pois, a compreensão dos nossos leitores.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
Tudo isto acontece
Porque não á uma verdadeira democracia.
Só disse isso? E o mais importante?
''Nuno Vasconcelos escusou-se a comentar as declarações de Pinto Balsemão sobre a proposta da Ongoing para aumentar o seu capital na Impresa, explicando ter "um enorme respeito pelo príncipe da comunicação social [Francisco Pinto Balsemão]", porque "o conheço desde que nasci e qualquer coisa que diga não ficaria bem".''

Mas Nuno Vasconcelos não deixou de dizer que a empresa IMPRESA quando foi para a bolsa as acções foram cotadas a 4,5 €s e hoje, quase dez anos depois, as acções valem 1,9 €s.

Nuno Vasconcelos adiantou que a IMPRESA nunca distribuiu dividendos pelos seus accionistas motivado não só pela desvalorização da mesma por conseguinte aos maus resultados que tem vindo a apresentar. E disse mais, que esta panorâmica deve-se à incompetência da gestão.

Nuno Vasconcelos falou da sua proposta de aumento de capital da IMPRESA para reactivá-la da estagnação que tinha caído. Fê-lo pessoalmente a Pinto Balsemão mas ficou muito admirado quando soube da resposta de aumento de capital pelos média.

Ainda disse um pouco mais sobre Henrique Monteiro quando este foi ouvido na comissão de ética. O que disse Nuno Vasconcelos não abona nada a credibilidade de Henrique Monteiro.

Pois, Nuno Vasconcelos disse muito sobre Pinto Balsemão quando falou sobre a IMPRESA só que ao EXPRESSO não lhe interessa divulgar as verdades que hoje se ouviram.

Como poderão ver a liberdade de expressão é algo que no EXPRESSO cheira a falso.
Tontices
Constituir C. Inquérito ainda sem se saber o apuramento desta, transforma tudo num circo. Foi isto que o BE e o PSD quiseram.
C. G. D.
Não tem conta na Caixa, pois não, tem na sua Sucursal que é o B.C.P., onde está endividado até às orelhas.
Comentários 4 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub