Anterior
Candidato da Irmandade Muçulmana vence eleições no Egito
Seguinte
Ahmed Shafik acusado por corrupção deixa o Egito
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Crise no Egito  >  Novo Presidente do Egito promete respeitar tratados internacionais

Novo Presidente do Egito promete respeitar tratados internacionais

Mohamed Morsy, candidato da Irmandade Muçulmana e novo Presidente do Egito, promete prosseguir com a revolução e respeitar acordos bilaterais, inclusive o Tratado de Paz com Israel. Clique para visitar o dossiê Crise no Egito
agências |
Apoiantes de Mohamed Morsy celebraram ontem, na praça Tahrir, a vitória do candidato da Irmandade Muçulmana
Apoiantes de Mohamed Morsy celebraram ontem, na praça Tahrir, a vitória do candidato da Irmandade Muçulmana  / Amr Abdallah Dalsh/Reuters

"Sou o Presidente de todos os egípcios, sem exceção", afirmou domingo Mohamed Morsy, 60 anos, no seu primeiro discurso como chefe de Estado. O candidato da Irmandade Muçulmana foi eleito pelo povo egípcio, é islamista, não é militar, e derrotou nas urnas o primeiro-ministro do antigo regime, Ahmed Shafik, favorito do Exército.

Clique para aceder ao índice do dossiê Crise no Egito

Morsy prometeu prosseguir com a revolução e respeitar os tratados internacionais, entre os quais supostamente estará incluído o que foi assinado com Israel em 1979, ao qual o novo Presidente não se referiu explicitamente. E pediu o apoio de todos os egípcios para a reconstrução do país.

Entretanto, o Presidente norte-americano Barack Obama já prometeu a Morsy "apoio na transição para a democracia"..

Morsy disse que respeitará os direitos das mulheres


No seu discurso, Morsy agradeceu aos mais de 900 mártires da revolução de 25 de janeiro, que morreram na sequência de confrontos com as autoridades quando pediam a renúncia de Hosnio Mubarak. "Sem esse sacrifício, eu não poderia estar aqui como o primeiro Presidente eleito da história no Egito. Temos que saudar a todos que regaram a árvore da liberdade com o seu sangue", disse.

O novo Presidente agradeceu também, por diversas vezes, a Alá, graças a quem "chegamos a este período histórico". Horas depois de reiterar o seu slogan de campanha, "o Islão é a solução",  Morsy acrescentou: "Alá é o nosso guia para o caminho certo. Não trairei Alá, e não trairei vocês. Não irei contra a vontade de Alá", deixando claro que vai governar para todos, muçulmanos e cristãos.

"Respeitaremos os direitos das mulheres e das crianças, os direitos humanos e os nossos acordoes internacionais", afirmou, enfatizando que o Egito deve buscar "relações internacionais equilibradas e basedas nos interesses mútuos e no respeito".

O Presidente eleito disse, também, que "não permitiremos qualquer interferência nos nossos assuntos internos, protegendo a nossa soberania nacional,  do mesmo modo que não apoiaremos interferências noutros países. O Egito tem capacidade para se defender sozinho".

Candidato islamista conquistou mais de 51% dos votos


Mohamed Morsy obteve 51,7% dos votos na segunda volta, o que pressupõe que contará com o apoio de pouco mais da metade da população egípcia. A outra metade (48,3%) apoiou Ahnmed Shafik, general na reserva e ex-primeiro-ministro de Mubarak.

A julgar pela celebração que se seguiu ao anúncio dos resultados das eleições, com dezenas de milhares de pessoas a tomarem conta da cidade do Cairo e da simbólica praça Tahrir para celebrar a sua vitória, o candidato islamista representava muito mais do que a alternativa possível ao candidato apoiado pelo Exército e pelos defensores do antigo regime.

Os islamistas e a Irmandade Muçulmana, que foi o maior partido de oposição durante a era de Mubarak, querem de volta o poder presidencial, recentemente esvasiado por decisão do Conselho Supremo das Forças Armadas. Resta saber até que ponto os militares estão dispostos a deixar o poder.


Vitória do Presidente islamista levanta onda de inquietação em Israel

O novo Presidente já prometeu que vai respeitar os acordos bilaterais, mas que quer também restabelecer as relações com o Irão, interrompidas há mais de 30 anos. Mohamed Morsy afirmou que o reforço das relações entre o Irão e o Egito "criará um equilíbrio estratégico regional e faz parte do programa" da sua candidatura Adiantou, ainda, que vai "rever os acordos de Camp David" que estabeleceram a paz com Israel, mas que isso será feito pelos órgãos governamentais. "Não tomarei qualquer decisão sozinho.A nossa política face a Israel será baseada na igualdade porque não somos inferiores a eles. Debateremos o direito dos palestinianos porque isso é muito importante", adiantou.
Pouco depois do anúncio dos resultados eleitorais no Egito, o Governo israelita emitiu um comunicado. "Israel apoia o processo democrático no Egito e respeita os resultados eleitorais das presidenciais. Israel espera continuar a cooperação com o Governo egípcio em função do tratado de paz entre ambos os países, que é de interesse mútuo e contribui para a estabilidade regional", afirmou Benjamin Netanyahu.
Também o Irão congratulou-se com o novo Presidente do Egito, assinalando que a sua vitória, esplêndido exemplo de democracia, marca o despertar islâmico do país.

Esta segunda-feira, os jornais israelitas expressam de forma unânime a sua inquietação sobre a nova situação na região após a vitória de Mohamed Morsy, o novo Presidente islamista do Egito, uma vez que os muçulmanos são pró-palestinianos.
"Trevas no Egito" é a manchete do "Yediot Aharonot", o principal jornal popular de Israel, fazendo alusão a uma das dez pragas descritas na Bíblia. "Israel inquieta-se com a chegada ao poder do Islão extremista no Egito, apesar de Mohamed Morsy (o novo Presidente egípcio) ter prometido respeitar os compromissos internacionais do país", refere o jornal.
"O temor tornou-se realidade: a Irmandade Muçulmana está no poder no Egito. O tratado de paz está em risco", afirma na primeira página o jornal "Maariv".
"Nada vai mudar a curto prazo nas relações com o Egito, pois Morsy enfrenta desafios muito mais urgentes do que uma guerra com o Estado judeu", afirma Yaakov Katz, analista do "Jerusalem Post", acrescentando que "a chegada ao poder da Irmandade Muçulmana terá uma influência sobre a ameaça terrorista crescente no Sinai. A questão é saber se Morsy vai tomar ou não medidas para modificar esta situação".
O jornal "Haaretz" também dedica a primeira página da sua edição de hoje à preocupação, de Israel, com a eleição do Presidente islamista egípcio. Mas cita uma fonte oficial, segundo a qual o Governo de Benjamin Netanyahu "espera" que Morsy considere que é primordial para o Egito recuperar a sua economia vacilante, ao invés de questionar os acordos bilaterais.
O autor do blogue "Shalom Israel" afirma hoje, na Internet, que a "eleição do novo Presidente egípcio preocupa Israel. (...) o candidato da Irmandade Muçulmana ainda não "aqueceu a cadeira" do poder e já começa a causas justificadas razões de preocupação ao vizinho Israel. (...) Desde os acordos de paz feitos entre Israel e o Egipto em Camp David, em 1979, que não havia relações entre o Irão e o Egipto. Este sinal da "Irmandade Muçulmana de querer estreitar os laços com o Irão não surpreende, mas aumenta a preocupação dos israelitas, uma vez que esta declaração de Morsy evidenciam a ameaça de Israel estar sob a potencial pressão deste eixo composto pelo Irão- Hezbollah-Hamas e Egipto. Este "eixo do mal" com o Egito a sul, a Síria e o Hezbollah a norte e os terroristas do Hamas em Gaza constitui uma "tenaz ameaça" que vai abafando cada vez mais qualquer esperança de paz na região. Israel precisa de tudo menos dessa vitória dos islamitas num país com o qual podia até aqui viver tranquilo. Mas o bater do relógio profético não pode parar, e o Egipto ainda vai desempenhar um papel importante e trágico (para si) nestes dias finais da humanidade".
Ontem, tal como aconteceu durante as eleições, o Egito fechou a fronteira de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, tal como aconteceu durante a realização das presidenciais. Fonte oficial do Hamas disse que o encerramento, ontem, foi comunicado de forma repentina, logo após a passagem, nos dois sentidos, de alguns palestinianos, e que a medida deveria estar relacionada com o anúncio dos resultados das presidenciais.






Opinião


Multimédia

Retrato político de um país livre

Traçámos um mapa partindo dos resultados das eleições para a Assembleia Constituinte de 1975 e dos resultados das últimas eleições legislativas em 2011. O que mudou ao longo desse tempo? Como é que cada concelho votou em 1975 e em 2011? E como evoluiu a abstenção? Clicando sobre o ano e depois sobre os concelhos, no mapa ou no filtro, surgem as respostas.

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.


Comentários 9 Comentar
ordenar por:
mais votados
Militares nos quarteis?
Vamos ver se o Presidente tem força para meter os militares nos quarteis.
Se tal não acontecer a Democracia não passa de uma miragem no deserto!
Situação instável...
Um presidente democraticamente eleito mas sem uma constituição que lhe defina os poderes. Um parlamento inexistente depois das movimentações dos sistemas judicial e militar para afastar aqueles que - melhor ou pior - representavam a sociedade egípcia. E uma junta militar que se agarra ao poder com unhas e dentes...

Situação muito complicada. Esperemos que o bom senso e espírito democrático vençam. Para já gostei das palavras de Morsi, mas vamos a ver se vai seguir um estilo turco ou iraniano, ou uma terceira via de resultados incógnitos...

oreivaivestido.blogspot.pt/2012/06/egipto-um-beco-sem-saida.html
A situação desse novo governo do Egito,
eleito pelo voto popular, não parece clara. Diz que vai respeitar os tratados internacionais, mas será que terá forças para comandar seu país, sem a interferência dos militares? Rio Grande
Até agora...
...não está claro quais os motivos que levaram os militares a retirarem os poderes presidenciais previstos na lei que foi revogada parcialmente sob uma pretensa ilegalidade.

O início do mandato começa a ser exercido numa situação de debilidade constitucional que não favorecerá o cargo do presidente.

Urge clarificar a situação supondo que haverá alguém empenhado em minar,à partida, as relações institucionais no Egipto.
Re: Novo Presidente do Egito promete respeitar tra
Um caso muito interessante. Tenho sempre receio quando vejo o poder político associado à religião. Esperemos que Morsi, um homem que inclusivé leccionou nos EUA e que conhece bem a cultura ocidental, mantenha um profile equilibrado. A sua tarefa é extremamente difícil pois os militares tentarão controlar a sua zona de acção. Penso que a situação não ficará como está, prevejo que a acção presidencial será incompatível com a manutenção do poder do antigo regime. Veremos também como se comportam (e quem apoiam) os EUA e Israel...tal também dependerá muito de quem Morsi se revelar ser enquanto presidente.
Para lá do lip service...
Para lá do inevitável politicamente correcto e do q não podia deixar de dizer, o q temos é um Presid. q assentou tudo em q " O Islão é a solução!" e q "Alá é o nosso guia " e "não irei contra a vontade de Alá". Como , com estas bases, poderá respeitar, nomeadamente, os direitos das mulheres, no sentido de promover a sua igualdade com os homens? O Islão, tal como é actualmente entendido e praticado, nesta, como noutras matérias, não só não é solução, como constitui o maior obstáculo. E como saber "a vontade de Alá" para se prometer não a contrariar? Esta vontade só a sabem buscar, literalmente, no Corão. Isto não promete nada de bom...Oxalá me engane!
Re: Para lá do lip service...
Re: Para lá do lip service...
Trabalho difícil.
É o que o espera. Para não dizer quase impossível de realizar. Tal como diziam os "Taxi", grupo de rock português que, num dos seus discos publicado nos anos 80, abordava a problemática egípcia na música "Cairo", cuja letra dá a ideia da complexidade da vida no Egipto, mais concretamente na super-povoada Cairo. Se não for radical q.b., terá os radicais do seu partido e de outros a chateá-lo; se for demasiado pró-ocidental, arrisca-se a ter um destino idêntico ao de Sadat. Tem uma presidência muito difícil pela frente....
Comentários 9 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub