24 de abril de 2014 às 11:57
Página Inicial  ⁄  Economia  ⁄  Novo crash na prata

Novo crash na prata

Depois de uma subida de 5% na segunda e terça-feiras, o preço da onça de prata quebrou quarta-feira 8,2%. O barril de Brent caiu mais de 4% e o açúcar, trigo, café e milho mais de 3%. A queda continua quinta-feira.
Jorge Nascimento Rodrigues (www.expresso.pt)
Novo <i>crash</i> na prata D.R.

O preço da onça de prata caiu quarta-feira (11 de maio) 8,2%, mais do que a 5 de maio - o dia do crash geral nos mercados de commodities, quando descera 5,3%. Caiu mais do que a 5 e 6 de maio em acumulado. Foi um crash mais violento do que o da semana passada.

Depois de dois dias de subidas durante o começo desta semana, com ganhos acumulados de 5,2%, a onça de prata caiu de um valor de 38,49 dólares no fecho de terça-feira para 35,23 dólares no fecho de quarta-feira.

As quebras esta quarta-feira não se restringiram à prata. O barril de Brent, depois de ganhos de quase 8% nos dois primeiros dias da semana, desceu hoje 4,3%. O preço do barril de referência mundial (a variedade europeia) caiu de 117,8 dólares no fecho de terça-feira para 112,57 dólares no fecho de quarta-feira.

Estas quebras foram acompanhadas de descidas superiores a 3% em outras commodities importantes: açúcar, trigo, café e milho.

O preço da onça de ouro baixou apenas 1%.


Pressão do final do QE2

Segundo muitos analistas, as razões fundamentais para estes flash crashes prendem-se com a fase final do programa de "dinheiro quente" injectado pela Reserva Federal americana (FED, o banco central), conhecido na gíria técnica por quantitative easing (alívio quantitativo, uma política monetária de injeção de liquidez na economia).

O programa do FED, que vai na sua segunda edição (por isso conhecido como QE2) começou em Novembro do ano passado e termina, agora, em junho. E entre os investidores permanece a interrogação se irá ter sucessor - um QE3 - ou não. À cautela, a previsão de que o "dinheiro quente" vai escassear no futuro, está a empurrar os investidores para um movimento de pânico de venda (em alguns casos procederam a retiradas estratégicas antes destes crashes de maio).

Por isso, segundo a própria Reuters, "o mercado continuará nervoso até ao momento do QE2 terminar". Ou seja, a volatilidade não vai largar o mercado em maio.

Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
só gosto
da costa de prata, isso sim, uma verdadeira preciosidade...
nunca crasha,,,
Manipulação....
Alguém anda manipular o mercado das commodities cujas consequências começam-se a adivinhar.

Os especuladores estão atentos.
Nunca percebi este mundo
Com tanta gente a passar mal, a viver mal, a morrer à fome e à cede ou de doenças facílimas de curar, parte da humanidade, a que infelizmente é causadora de muitas destas desgraças, ou da impossibilidade de se corrigirem (podíamos viver todos tão saudavelmente felizes), vive vidrada no valor, do ouro, do petróleo ou da prata. Quando um maremoto destrói parte de um país matando milhares dos seus filhos, imediatamente lá vem o chavão "houve tantos milhões de prejuizo". A humanidade, ou uma parte ínfima dela, vive única e exclusivamente "vidrada" nos milhões, nos lucros; na forma como há-de lixar o parceiro para poupar mais umas centenas de milhares e engrossar o seu poder económico. A humanidade, ou parte dela, vive do extermínio da outra parte e enriquece dessa forma. Há guerra desde que duas tribos se encontraram pela primeira vez, sem terem sequer conhecimento da existência de ouro, petróleo, diamantes ou prata. E que conste, nem existiam o Sadan, o Kadafi ou o Bin Laden. Parece que também não existia o Madof, nem o BPN e muito menos o FMI. Sempre desconfiei da evolução das espécies, então da humanóide...
Re: Nunca percebi este mundo Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub