4
Anterior
Ministério das Finanças alerta para emails fraudulentos
Seguinte
Tribunal de Contas arrasa renegociação dos contratos nas ex-SCUT
Página Inicial   >  Economia  >   Novo crash na prata

Novo crash na prata

Depois de uma subida de 5% na segunda e terça-feiras, o preço da onça de prata quebrou quarta-feira 8,2%. O barril de Brent caiu mais de 4% e o açúcar, trigo, café e milho mais de 3%. A queda continua quinta-feira.
|
Novo <i>crash</i> na prata

O preço da onça de prata caiu quarta-feira (11 de maio) 8,2%, mais do que a 5 de maio - o dia do crash geral nos mercados de commodities, quando descera 5,3%. Caiu mais do que a 5 e 6 de maio em acumulado. Foi um crash mais violento do que o da semana passada.

Depois de dois dias de subidas durante o começo desta semana, com ganhos acumulados de 5,2%, a onça de prata caiu de um valor de 38,49 dólares no fecho de terça-feira para 35,23 dólares no fecho de quarta-feira.

As quebras esta quarta-feira não se restringiram à prata. O barril de Brent, depois de ganhos de quase 8% nos dois primeiros dias da semana, desceu hoje 4,3%. O preço do barril de referência mundial (a variedade europeia) caiu de 117,8 dólares no fecho de terça-feira para 112,57 dólares no fecho de quarta-feira.

Estas quebras foram acompanhadas de descidas superiores a 3% em outras commodities importantes: açúcar, trigo, café e milho.

O preço da onça de ouro baixou apenas 1%.


Pressão do final do QE2

Segundo muitos analistas, as razões fundamentais para estes flash crashes prendem-se com a fase final do programa de "dinheiro quente" injectado pela Reserva Federal americana (FED, o banco central), conhecido na gíria técnica por quantitative easing (alívio quantitativo, uma política monetária de injeção de liquidez na economia).

O programa do FED, que vai na sua segunda edição (por isso conhecido como QE2) começou em Novembro do ano passado e termina, agora, em junho. E entre os investidores permanece a interrogação se irá ter sucessor - um QE3 - ou não. À cautela, a previsão de que o "dinheiro quente" vai escassear no futuro, está a empurrar os investidores para um movimento de pânico de venda (em alguns casos procederam a retiradas estratégicas antes destes crashes de maio).

Por isso, segundo a própria Reuters, "o mercado continuará nervoso até ao momento do QE2 terminar". Ou seja, a volatilidade não vai largar o mercado em maio.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 4 Comentar
ordenar por:
mais votados
só gosto
da costa de prata, isso sim, uma verdadeira preciosidade...
nunca crasha,,,
Manipulação....
Alguém anda manipular o mercado das commodities cujas consequências começam-se a adivinhar.

Os especuladores estão atentos.
Nunca percebi este mundo
Com tanta gente a passar mal, a viver mal, a morrer à fome e à cede ou de doenças facílimas de curar, parte da humanidade, a que infelizmente é causadora de muitas destas desgraças, ou da impossibilidade de se corrigirem (podíamos viver todos tão saudavelmente felizes), vive vidrada no valor, do ouro, do petróleo ou da prata. Quando um maremoto destrói parte de um país matando milhares dos seus filhos, imediatamente lá vem o chavão "houve tantos milhões de prejuizo". A humanidade, ou uma parte ínfima dela, vive única e exclusivamente "vidrada" nos milhões, nos lucros; na forma como há-de lixar o parceiro para poupar mais umas centenas de milhares e engrossar o seu poder económico. A humanidade, ou parte dela, vive do extermínio da outra parte e enriquece dessa forma. Há guerra desde que duas tribos se encontraram pela primeira vez, sem terem sequer conhecimento da existência de ouro, petróleo, diamantes ou prata. E que conste, nem existiam o Sadan, o Kadafi ou o Bin Laden. Parece que também não existia o Madof, nem o BPN e muito menos o FMI. Sempre desconfiei da evolução das espécies, então da humanóide...
Re: Nunca percebi este mundo
Comentários 4 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub