Anterior
Ricardo Costa sobre a entrevista a José Sócrates
Seguinte
Manuela Moura Guedes processa Sócrates
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Entrevista à RTP primeiro-ministro  >   Notícias Lusa: Reacções à entrevista de José Sócrates

Notícias Lusa: Reacções à entrevista de José Sócrates


22/04/2009


 


 

11h12 - Medidas anunciadas são positivas mas insuficientes - UGT


O secretário-geral da UGT, João Proença, considerou hoje que as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, José Sócrates, de alargamento do subsídio social de desemprego a mais 15 mil pessoas são positivas, mas insuficientes. 

"São positivas, mas insuficientes. É um custo para a Segurança Social mas um custo justificado porque o que está em causa é proteger as famílias que são confrontadas com a crise", disse à agência Lusa João Proença. 

O primeiro-ministro garantiu terça-feira, em entrevista à RTP, que o plano anti-crise do Governo, apresentado há três meses, já está a "produzir resultado" e anunciou o alargamento do subsídio social de desemprego a mais de 15 mil pessoas, além das 50 mil que já beneficiam deste complemento social.

José Sócrates explicou que o Governo vai aumentar o limiar a partir do qual se pode aceder ao subsídio social de desemprego dos actuais 330 euros para 450 euros. 

O secretário-geral da UGT salientou ainda que a dimensão da crise que se vive em Portugal é muito grande, defendendo a continuação da análise sobre a situação tendo em vista o reforço das medidas. 

Questionado sobre a garantia do primeiro-ministro quanto aos resultados do plano "anti-crise" apresentado há três meses, João Proença disse que os resultados ainda "são fracos e por isso o desemprego aumentou de forma significativa".


---------------------------------------------------------

 


10h06 - Alargamento do subsídio de desemprego é medida positiva mas pontual - CGTP


O secretário-geral da CGTP classificou hoje o anúncio do primeiro-ministro sobre o alargamento do subsídio social de desemprego como "positivo, mas pontual", e considerou que a dimensão da crise é maior do que afirma José Sócrates. 

Num comentário à entrevista do primeiro-ministro, José Sócrates, à RTP, Carvalho da Silva salientou à agência Lusa que a medida anunciada corresponde a uma reivindicação antiga que a CGTP tem vindo a fazer com persistência, mas à qual o Governo tem feito "ouvidos moucos". 

"O Governo tem feito ouvidos moucos. É uma medida positiva mas é uma questão muito pontual", referiu o secretário-geral da CGTP. O primeiro-ministro garantiu terça-feira que o plano anti-crise do Governo, apresentado há três meses, já está a "produzir resultado" e anunciou o alargamento do subsídio social de desemprego a mais de 15 mil pessoas, juntando-se aos 50 mil que já beneficiam deste complemento social.    

José Sócrates explicou que o Governo vai aumentar o limiar a partir do qual se pode aceder ao subsídio social de desemprego dos actuais 330 euros para 450 euros. 

O secretário-geral da CGTP disse à Lusa que o primeiro-ministro "persiste em considerar a dimensão da crise apenas do ponto de vista internacional" quando, na sua opinião, "a crise é tripla". 

"A crise é internacional mas há uma crise estrutural acumulada ao longo dos tempos já antes deste Governo, mas que este Governo aprofundou e que levou à fragilização do sector produtivo, e o espaço de manobra, ao contrário do que diz o primeiro-ministro, é muito pouco", explicou. 

Na opinião de Carvalho da Silva, o país tem hoje "menos armas" do ponto de vista da capacidade económica para responder aos problemas e uma sociedade mais empobrecida. 

"Nos últimos anos, em nome das reformas sociais o que aconteceu foi com que houvesse uma redução dos salários reais, das pensões de reformas e para muitos reformados alterações dos mecanismos do cálculo de reforma, o que leva a um contexto económico como o que estamos a viver, a uma perda real dos valores das pensões de reforma". 

"Por isso, o país não está nas melhores condições de resposta como diz o primeiro-ministro", referiu. 

Carvalho da Silva referiu também que "se há coisa que marque o país pela negativa é a falta de perspectivas para a juventude, a quem é entregue hoje apenas direito ao desemprego, à precariedade de emprego e salários muito baixos". 

Sobre o combate à crise, o secretário-geral da CGTP considerou ainda ter sido "atirado dinheiro para cima dos problemas" e alertou que "se não houver rigor na execução, o que pode produzir é mais desemprego e mais frustrações para as pessoas". 

 

----------------------------------------------------------------------------------

 22/04/2009


 

00h34 - BE acusa Sócrates de falta de reconhecimento de responsabilidades na crise e diz que medidas estão a falhar 


O Bloco de Esquerda acusou na terça-feira à noite o primeiro-ministro, José Sócrates, de "não reconhecer responsabilidades" na crise económica de Portugal e advogou que as medidas do Governo de combate à recessão "não estão a resultar". 

Os bloquistas reagiam à agência Lusa, no Parlamento, através do deputado João Semedo, às declarações de José Sócrates em entrevista à RTP1. 

"Não reconhece responsabilidades na grave situação em que o País está. As medidas anti-crise não estão a resultar", defendeu João Semedo. 

O Bloco de Esquerda considerou "uma pequeníssima gota de água" o alargamento da atribuição do subsídio social de desemprego e que o socialista José Sócrates ignorou "novas propostas, medidas" contra o desemprego e o encerramento de empresas e de apoio aos pensionistas. 

Sobre as insinuações de haver motivações políticas no caso "Freeport", João Semedo respondeu que "há responsabilidades políticas na governação em fim de mandato", que aprovou o licenciamento do empreendimento comercial de Alcochete. 

"Reclamamos que os governos devem-se abster" de tomar tais decisões, sublinhou João Semedo, apelando ao "esclarecimento rápido e completo" do processo. 

Confrontado com o reparo do primeiro-ministro ao Presidente da República, do qual disse esperar que não se deixe instrumentalizar pelos partidos da oposição, o deputado frisou que "o Governo não pode cair na tentação de procurar condicionar os movimentos políticos e as decisões dos órgãos de soberania".

 

----------------------------------------------------------------------

00h06 - PCP critica "estratégia de vitimização" e incapacidade para solucionar crise


O PCP criticou terça-feira a "estratégia de vitimização" do primeiro-ministro, José Sócrates, que se revela "incapaz" de ultrapassar a "grave crise" que Portugal atravessa.

Os comunistas reagiam à agência Lusa no Parlamento, através do deputado António Filipe, às declarações de José Sócrates em entrevista à RTP1.

Para António Filipe, a entrevista "não trouxe novidades", tendo nela o chefe do Governo demonstrado a sua "estratégia de vitimização".

"Usa o caso 'Freeport' para se vitimizar, o que é inconcebível", advogou, acrescentando que "compete às autoridades judiciais" resolverem o processo.

No entender do PCP, a política socialista de José Sócrates tem-se revelado "incapaz de superar a grave crise" em Portugal.

"Não vimos nenhuma solução que possa conduzir o País para uma situação melhor", sustentou António Filipe, considerando um "paliativo" o alargamento da atribuição do subsídio social de desemprego.

Os comunistas defendem uma "política activa" de apoio às pequenas e médias empresas e de combate ao desemprego e à precariedade do trabalho.

"As questões da Educação e Saúde não foram minimamente abordadas", salientou o deputado.

O parlamentar considerou uma "falsidade absoluta" as acusações de José Sócrates de que os partidos da oposição não apresentam alternativas para ultrapassar a crise, invocando que a maioria socialista tem rejeitado as propostas comunistas.

Confrontado com o reparo de José Sócrates sobre o Presidente da República, do qual disse esperar que Cavaco Silva não se deixe instrumentalizar pela oposição, António Filipe respondeu: "O primeiro-ministro não é intérprete oficial do Presidente da República".

 

----------------------------------------------------------------------

21/04/2009


 


23h33 - CDS-PP diz que Sócrates está "profundamente esgotado" quanto a soluções para a crise


O líder do CDS-PP, Paulo Portas, acusou hoje o primeiro-ministro de estar "profundamente esgotado" quanto a soluções para a crise económica, ao manter a sua "obsessão" pelos investimentos em "grandes obras" esquecendo a segurança dos cidadãos.

Paulo Portas reagia aos jornalistas, no Parlamento, às declarações de José Sócrates, em entrevista à RTP1.

Fazendo o balanço geral da entrevista, o líder dos democratas-cristãos defendeu que o primeiro-ministro se revelou "profundamente esgotado do ponto de vista de soluções", nomeadamente quanto aos prazos para superar a "situação económica difícil".

"Não sai da obsessão do investimento... das grandes obras", criticou.

Paulo Portas advogou que José Sócrates foi "lamentavelmente omisso" nas medidas de apoio às micro, pequenas e médias empresas.

"Não é o Estado que vai criar magicamente empregos", sustentou, salientando a "indiferença" do chefe do Governo relativamente ao desemprego dos jovens.

O anunciado alargamento do subsídio social de desemprego a mais 15 mil pessoas, totalizando 65 mil, foi encarado por Paulo Portas como um "pequeno passo".

O líder do CDS-PP apontou na entrevista do primeiro-ministro "duas ausências": a segurança e a criminalidade.

"Sobre a segurança nem uma linha nem um segundo", referiu Paulo Portas, enumerando uma outra "prioridade" para o partido que, a seu ver, foi esquecida: o "investimento produtivo em recursos naturais", nomeadamente na agricultura.

Questionado acerca dos "recados" lançados por José Sócrates ao Presidente da República, Paulo Portas frisou que os "órgãos de soberania são pessoas incondicionadas".

Sobre as insinuações de que o caso "Freeport" tem motivações políticas, o líder dos democratas-cristãos respondeu tratar-se de uma "confusão".


----------------------------------------------------------------------

23h19 - PSD acusa Sócrates de politizar caso Freeport


O vice-presidente do PSD José Pedro Aguiar Branco acusou hoje o primeiro-ministro, José Sócrates, de ter procurado politizar o caso Freeport e de ensaiar uma vitimização a esse propósito durante a entrevista à RTP1.

Num comentário à entrevista do primeiro-ministro, José Pedro Aguiar Branco considerou que "o primeiro-ministro politizou a questão logo no início, na resposta a estas matérias e, para além disso, tratou na televisão aquilo que deve ser dado aos tribunais tratar".

"Seguramente com isso não contribuiu para o clima de serenidade com que esta questão deve ser trabalhada", declarou o dirigente social-democrata aos jornalistas, à margem do Conselho Nacional do PSD, em Lisboa.

De acordo com Aguiar Branco, durante a entrevista José Sócrates mostrou que "mantém os mesmos níveis de ilusão, o nível também de arrogância e ensaia agora uma falsa vitimização".

"Quanto à falsa vitimização, nós registamos que o senhor primeiro-ministro não deixou de resistir a politizar este caso e a discutir na televisão aquilo que compete aos tribunais, o que seguramente não é uma maneira de contribuir para a serenidade com que a questão deve ser tratada", acrescentou.

Segundo Aguiar Branco, o primeiro-ministro mostrou que "mantém os níveis de ilusão" ao insistir na "construção de obras faraónicas, de grandes investimentos, esquecendo que isso entra em conflito com as dificuldades sentidas pelos portugueses" e que manifestou "arrogância" ao "focar a questão da causa da crise como sendo a crise internacional".

"Esqueceu que todos os indicadores, incluindo os recentemente apresentados pelo Banco de Portugal, apontam que essa mesma crise tem raízes muito fortes em erradas políticas seguidas por este Governo", alegou Aguiar Branco.

O vice-presidente do PSD disse ainda "durante uma hora não se ouviu uma única ideia mobilizadora ou que crie uma nova esperança para os portugueses" por parte de José Sócrates.


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
EXCELENTE
Excelente prestação do Primeiro-ministro perante jornalistas ávidos por fazer perguntas, sem se quer deixar o entrevistado responder. Conseguiu manter-se sereno e responder esclarecendo todos os telespectadores. Demonstrou não inventar e conhecer os dossiers o que abona uma vez mais a sua inegável competência.
SEM ALTERNATIVAS!
Quem assiste aos acontecimentos políticos em Portugal fica transido de susto! O PM é bombardeado com suspeições e ataques de modo a que, nas eleições, o partido a que preside, seja preterido e seja outro eleito. Ao observar as intervenções dos outros "lideres" fico com urticária pela oferta tão triste e pobre que temos, cuja performance já conhecemos de outros tempos de má memória... Que fazer? Importar políticos de outros países? Abster-mo-nos nos vários actos eleitorais que aí vêm? É um quebra cabeças difícil de resolver e assusta-me pensar que seja eleita a "Nelinha" Ferreira Leite que nos deixou azedos com a sua prestação nas finanças, acompanhada pela sua troupe (Frasquilho, Nobre Guedes etc) que só de pensar dão enjoos, ou então uma coligação com o Portas "dentinho branco" peneiroso e opinioso cuja vocação é mais submarina, ou até o Louçã "professoral" que vai dar emprego a toda a gente, subsídios a todos os pobrezinhos e "obrigar" as empresas a empregar as pessoas, etc (brrrr)!! Já pensaram? Já imaginaram? O que temos no cardápio? É convidativo?

Aproximam-se tempos difíceis com a possibilidade de um governo sem força para governar, com toda a gente a botar discurso, toda a gente a exigir tudo o que o Estado não pode dar... voltamos à primeira República em que os governos se sucediam em catadupa e ninguem aguentava lá muito tempo... Triste fortuna a deste Povo sem carácter e história!!!
Re: SEM ALTERNATIVAS!
José Socrates vs Imprensa
A muito que não se via um politico tão inteligente e perspicaz como o nosso PM, a cabala que foi criada em torno do primeiro ministro foi por momentos posta a prova e de uma vez por todas foi completamente "esmagada" pelo próprio que contra as acusações e perguntas insinuantes por parte dos dois jornalistas que "mal estudaram a lição", tal como José Sócrates mencionou, não tiveram a mínima hipótese. As medidas que têm vindo a ser tomadas por Sócrates ficaram ontem muito bem esclarecidas tais como a construção e requalificação de escolas e creches, a isenção do I.M.I para os casais jovens, as apostas em novas vias de comunicação no interior como as infraestruturas rodoviárias, e a medida que mais marcou foi sem duvida as novas oportunidades, instruir aqueles que pelos motivos mais variados não puderam concluir o ensino tem agora a oportunidade de o fazer. De facto surpreendeu-me bastante pelo lado positivo, muitos parabéns pela coragem, frontalidade e sinceridade demonstradas ao longo do seu mandato.
Re: José Socrates vs Imprensa
Re: José Socrates vs Imprensa
realistico
Estes comentários são um exemplo de imparcialidade e do bom discernimento,porque o que foi aqui escrito é o que qualquer pessoa sensata poude observar durante a entrevista do PM.
Um homem cheio de rcursos para governar o país e é nestes momentos difíceis que se mede a qualidade do homem. Tambem eu não sou socialista nem de qualquer outro partido mas sou pelo melhor para governar o país e só vejo Socrates. Para ser justo gostaria de ver o Sr Rui Rio na sssembleia nacional seria o mais construtivo chefe da oposição e talvez mais tarde um bom sucessor de Socrates
Comentários 7 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub