Siga-nos

Perfil

Expresso

Ricardo Marques Jornalista

A vida às cores

12 de Janeiro de 2018

De que cor é este Expresso Curto? Negro como as letras que está a ler? Ou branco como o fundo em que elas aparecem? Talvez cinzento, como vai estar o dia?


Começa em tons de laranja, ou não terminasse a corrida à liderança no PSD. É certo que não há nenhum debate marcado - Santana dá uma entrevista à Rádio Renascença e ao Público - mas os dois que querem o mesmo, e se tratam por tu, já mostraram que não precisam de marcação para discordar. E, bola para cá bola para lá, é quase certo que o assunto diretas esteja por todo o lado.




Ontem estiveram na rádio à conversa e não passaram ao lado das declarações de Miguel Relvas (uma pitada de verde, aqui).Encontra aqui um resumo do combate / embate / debate. Aproveite a embalagem e siga para a análise ao encontro televisivo de anteontem.




A nação laranja vota amanhã e quando chegar o domingo só um deles estará nas notícias de corpo inteiro e a cores. O outro remeter-se-á provavelmente ao mundo preto e branco a que gostamos de chamar “longe das luzes da ribalta”. É para lá que também parece caminhar Pedro Passos Coelho - o ainda líder do PSD anunciou que vai renunciar ao mandato de deputado e deixar o Parlamento em fevereiro.




Há sondagens mais favoráveis a Santana Lopes e outras bastante mais simpáticas para Rui Rio. Há 70 mil militantes em condições de votar - no início de dezembro, como notou ontem Pacheco Pereira na Quadratura do Circulo, na SIC Notícias, eram muito menos.




A revelação maior de Pacheco Pereira (que esta semana fala da sua biblioteca / arquivo / estação documental na revista E, do Expresso), porém, foi contar que em 2011 Santana o desafiou a criar um partido rival do PSD, que considerava morto. Encontraram-se num hotel na Lapa. Santana já disse que não é verdade. A discussão prossegue dentro de momentos.




Esta noite, Rui Rio fecha a campanha em Vila Nova de Gaia. Pedro Santana Lopes almoça em Lamego, vai ao fim da tarde a Viseu e acaba a jantar na Maia. Além de tudo o resto, e o que vão fazer se o PSD perder as eleições para um PS minoritário, haverá ainda no fim do caminho 20 quilómetros a separá-los… Não faltarão notícias sobre os repastos, mas aposto que ninguém lhe vai falar de Miguel Pereira.




Sabe quem é? Pois. Só que é impossível perceber Rio Santana sem perceber quem é Miguel Pereira - e é também para isso que serve o Expresso Curto. De outro modo, como poderia saber que se trata de uma cidade, com cerca de 25 mil pessoas, baptizada com o nome de um médico (Miguel Pereira, 1871-1918), neto de agricultores, que lutou pelo saneamento básico no Brasil. Mas acima de tudo, falar de Miguel Pereira é falar do Rio Santana, das suas águas transparentes e geladas.




Um paraíso verde e termal na terra, garantem os locais, que por estes dias, segundo a imprensa local, andam bastante preocupados com um surto de febre amarela que já matou vários macacos na região. É outro mundo.

OUTRAS NOTÍCIAS

Segue o resto das cores… Ou melhor, segue o resto das notícias de que vai ouvir falar nas próximas horas.

É impossível escapar ao castanho claro das duas enormes portas do número 4 da Rue de Noisiel, em Paris. É lá, em plena Embaixada de Portugal em França, que, pouco depois do meio-dia, Mário Centeno assumirá a pasta de presidente do Eurogrupo, sucedendo ao holandês Jeroen Dijsselbloem (também conhecido por cá como ‘senhor Dijsselbloem’). Ontem, o ministro das Finanças português esteve no Eliseu para um encontro com François Macron. A cerimónia de hoje, com a presença de Dijsselbloem, será relativamente discreta. (para cerimónias mais extravagantes, e coloridas, fica a nota de que começa esta tarde a Exponoivos, na Exponor)



O verde da cannabis foi para a gaveta e por lá deve ficar nos próximos dois meses. A votação acerca do uso da planta para fins medicinais não chegou a acontecer e a discussão segue na especialidade. O que não quer dizer que não haja uma espécie de ressaca noticiosa.



Outro assunto a dominar a atualidade é o fecho das vermelhas estações dos CTT. A empresa quer encerrar 22 lojas e hoje haverá uma série de protestos, um pouco por todo o país: Lisboa, Porto, Aveiro e Alferrarede (é perto de Abrantes, distrito de Santarém). De resto, a revolta das populações tem sido uma constante nos noticiários. Para entender o que está em acontecer, e como é negro o quadro, pode voltar a este trabalho do Expresso, publicado em dezembro. No Parlamento, os deputados da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas vão também dedicar o dia aos CTT, com várias audições (sindicatos, trabalhadores, utentes e ANACOM).



Haverá também um lado mais sombrio nas notícias. Irá certamente ouvir falar da possível 112ª vítima mortal dos incêndios do ano passado, que deixaram parte significativa do país transformada numa mancha negra - uma informação que o Expresso avançou ontem .



Dos Estados Unidos da América continuam a chegar imagens e relatos da enxurrada castanha que varreu Montecito, na Califórnia. Ontem à noite, havia 17 mortos confirmados.



De volta a Portugal, a cor das pulseiras nas urgências dos hospitais estará também em destaque. O Instituto Ricardo Jorge revelou ontem que a atividade gripal é baixa e até diminui na primeira semana do ano. Ainda assim, escreve o Expresso, já morreram 600 pessoas além do que era expectável para a época. “Os óbitos fora do padrão tiveram início nas duas últimas semanas do ano, quando as temperaturas mínimas médias começaram a descer”.



Já se falou (ainda que a correr) de casamentos, a seguir irá falar-se do Reino Unido, mas nada parece fazer sentido quando a notícia é que uma portuguesa, fotógrafa de casamentos, foi presa no Reino Unido por ligações a um grupo neonazi ilegalizado pelas autoridades e suspeitas de terrorismo. Fotografia a cores da história de Cláudia da Silva, que chorou em tribunal, pode ser lida aqui.



Nem de propósito, Londres é um dos destinos das quatro novas rotas que a TAP lançou este ano a partir do Porto (Barcelona, Milão e Ponta Delgada são as outras). E falar da TAP é falar de Antonoaldo Neves, o novo presidente da empresa. Neves, o sucessor de Fernando Pinto - que esteve 17 anos no cockpit da transportadora aérea-, nasceu em Salvador (a duas horas de voo, e 1584 km, de Miguel Pereira) e tem dupla nacionalidade: o seu avô era português, da zona de Oliveira de Azeméis.



Esta semana começou mal na terra do avô do novo presidente da TAP, com a morte de uma pessoa num caso de atropelamento com fuga. Este é um dos sinistros identificados pelas autoridades como problemáticos e que, soube-se ontem, vão merecer especial atenção.



Algumas notas rápidas, a cor fica à sua escolha, da atualidade internacional:



Sente-se perdido quando ouve falar do Brexit? Das negociações, das compensações? Isto não vai melhorar. Ontem, Nigel Farage, um dos principais rostos da campanha do ‘vamos embora’, sugeriu que talvez não fosse má ideia repetir o referendo. Como esquecer a prestação televisiva de Farage na manhã seguinte à votação.



Julian Assange, que os ingleses se habituaram a ver como o estranho inquilino da embaixada do Equador em Londres, onde se encontra desde 2012, recebeu um passaporte do país sul-americano e tirou logo uma foto com a camisola amarela. Falta saber quais serão as implicações práticas do novo documento.



A República Checa começa hoje a escolher um novo presidente. Amanhã há mais e, se for preciso, está prevista uma segunda volta para os dias 26 e 27 de janeiro.



Na Arábia Saudita da cor da areia e do petróleo já há bilhetes de família à venda para os jogos da liga de futebol que se realizem nos estádios King Fahd, em Riade, King Abdullah, em Jeddah, e Prince Mohammed Ben Fahd, em Damman. É mais fácil dizer para os três estádios relvados onde, a partir de hoje, podem entrar mulheres.



A discussão sobre o assédio sexual nos Estados Unidos da América transformou-se num autêntico rolo compressor alimentado pelas redes sociais. O ator / realizador James Franco tinha sido atacado depois da cerimónia dos Globos de Ouro, defendeu-se num programa de televisão e, soube-se ontem, há agora cinco mulheres que o acusam.



Em França, as jóias que tinham sido roubadas no Hotel Ritz (a seis quilómetros da Embaixada de Portugal onde Centeno toma posse como presidente do Eurogrupo) foram encontradas. A história passa de incrível a inacreditável.



Agora um conselho: Da próxima vez que se encontrar no meio de uma discussão sobre a importância do jornalismo, ou se der por si a pensar se vale mesmo a pena gastar dinheiro para estar informado, vá buscar este vídeo em que se vê o novo embaixador norte-americano na Holanda a perceber da pior maneira que há regras para vivermos em democracia. Em defesa de Peter Hoekstra é importante referir que não foi a primeira lição…



Para o que se segue, não há cor possível. Donald Trump diz que vai vender aviões militares que não existem (a não ser num jogo de computador) e dois acólitos foram detidos em Santiago de Compostela, depois da missa, por terem colocado marijuana no turíbulo (alguns fiéis queixaram-se do estranho cheiro do ‘incenso’).



Esta noite começa a rolar a bola. Os quatro da frente jogam depois. Amanhã há Braga-Benfica; no domingo Sporting-Aves e na segunda Estoril-Porto. O Porto que, ontem, garantiu a presença nas meias-finais da Taça de Portugal.




O QUE DIZEM AS MANCHETES

Correio da Manhã: “Salários em Lisboa são 280 € mais altos”

Jornal de Notícias: “Jogo - Portugueses nunca gastaram tanto dinheiro” (quase 3 mil milhões no ano passado)

Diário de Notícias: “Enfermeiros fogem dos hospitais para centros de saúde”

Público: Educação - Raparigas cada vez mais à frente dos rapazes nas notas”

i: “TAP já não é de Portugal”




O QUE ANDO A LER



A rubrica final do Expresso Curto de hoje imita aqueles programas de rádio e televisão em que as pessoas que falam fazem sugestões para as pessoas que ouvem. Vamos a isto?



“Quero sugerir um concerto em Lisboa e outro no Porto”, diria um.



Pois seja. Esta noite, a partir das 20h30, a Orquestra Sinfónica do Porto, conduzida por Michael Sanderling, interpreta a Sinfonia nº. 7 de Bruckner (não comente com ninguém, mas vai lá estar o ministro da Cultura).



Em Lisboa, o pianista Menahem Pressler e a Orquestra Gulbenkian estarão no Grande Auditório da Fundação, a partir das 21h00, a interpretar obras de Mozart e Stravinsky (conte a toda gente que no sábado há nova sessão, às 19h00)



“Gostava de falar de uma exposição excepcional em Nova Iorque”, diria outro.



OK. As peças são incríveis, a história da mulher que as faz ainda é mais. Miniaturas de cenas de crime, com um grau de detalhe impressionante. Não é para quem quer, mas pode espreitar



“Tenho aqui um livrito…”, arriscaria eu.



Venha ele. “Life 3.0: Being Human in The Age of Artifical Inteligence”, de Max Tegmark, foi considerado um dos livros do ano pelo Financial Times, na categoria de ciência. E logo nas primeiras páginas começa a desenhar um futuro possível: negro, segundo muitos; verde como um prado onde nada se passa, dirão outros. Uma equipa de investigação, Omega, de uma empresa tecnológica desenvolve uma Inteligência Artificial chamada Prometheus. Prometeu, na mitologia grega, roubou o fogo dos Deuses e entregou-o aos mortais; mas a versão do livro é um pouco mais complexa.



A 'coisa' começa por ganhar uns jogos simples, passa rapidamente a desempenhar tarefas pagas que atualmente ocupam milhares de pessoas em todo o mundo (transcrições, classificação de imagens, descrição de páginas de Internet), cria e vende jogos de computador, depois filmes, depois programas de ensino… Em poucos anos, consegue mudar o mundo. “Os Omegas tinham terminado a transição mais dramática da história da vida na Terra. Pela primeira vez, o nosso planeta era dominado por um único poder…”. Promete.



Antes de o telemóvel voltar a ficar negro, lembre-se: amanhã é fim de semana, e chega o Expresso à banca. Às seis da tarde há Diário, durante todo o dia há informação no site.



Tenha uma excelente sexta-feira.



Over.

Partilhe esta edição