Siga-nos

Perfil

Expresso

Rui Gustavo Jornalista de Sociedade

Hoje há dirty boxing

10 de Janeiro de 2018

Bom dia. Santana “Menino Guerreiro” Lopes e Rui “No Nick Name” Rio disputam hoje na TVI o segundo combate pelo título de líder do PSD. No primeiro embate, críticos e especialistas na nobre arte declararam Santana vencedor por decisão unânime. Mais experiente no ringue, o ex-primeiro-ministro usou algum “dirty-boxing”, com golpes abaixo da cintura no passado de Rio e agarrando-se ao adversário sempre que se viu confrontado com as próprias fragilidades, ou “trapalhadas”, como se diz na gíria do boxe. Pugilista clássico, Rio ainda desferiu um outro jab, mas foi claramente encostado às cordas. Não há notícia de que se tenha discutido um único assunto importante para o país, mas já ninguém espera isso neste tipo de combates.

Para hoje, Rui Rio - que se acha devedor de “um pedido de desculpas” pelo “nível incrivelmente baixo” do primeiro combate, ou melhor, debate - já ameaçou com golpes baixos: “Também sei fazer truques”. Nas duas entrevistas que precederam o confronto de hoje, Rui Rio, menos crispado, ganhou algum fôlego e Santana, mais acossado, mostrou algumas dificuldades quando foi mais uma vez confrontado na SIC com os quatro meses memoráveis em que chefiou um Governo. É triste quando o que se espera de debate entre os dois candidatos ao maior partido da oposição (e que até ganhou as últimas eleições legislativas) é saber quem vai ganhar e não quem apresenta as melhores propostas ou ideias. Podia ser caso único, mas basta lembrar os debates entre o atual primeiro-ministro e António José Seguro para perceber que o atual debate político está reduzido a um desporto de combate.

No sábado, os militantes do PSD vão escolher quem é que vai defrontar António “PM” Costa pelo cinto de chefe do Governo. O grande combate está marcado para daqui a um ano e meio e, no entretanto, Costa recebeu um golpe pelas costas de onde menos esperava. A ministra da Justiça declarou que no seu “entendimento jurídico” o mandato da PGR não é renovável, apesar de a Constituição prever precisamente o contrário. A posição de Francisca Van Dunem é aceitável mas o timing incompreensível: faltam nove meses para o mandato de Joana Marques Vidal terminar, a questão não estava em discussão e as declarações da ministra foram feitas um dia depois do presidente de Angola, João Lourenço, ter declarado que a posição da justiça portuguesa em relação ao caso Manuel Vicente (ex-vice-presidente de Angola) era “uma ofensa”.

Costa viu-se obrigado a desautorizar a ministra e a explicar que qualquer decisão sobre a recondução da PGR só será tomada perto de outubro. Tal como no boxe, o timing para desferir os golpes em política é tudo. O caso está nas primeiras páginas de todos os diários de hoje e destacaria o Público que lembra o facto de Marques Vidal ter assumido há dois anos que o mandato seria único.

OUTRAS NOTÍCIAS

O IPMA prevê para hoje muita chuva e mau tempo e há vários alertas da Proteção Civil para todo o território e em especial para o litoral norte. Para além dos patos, a notícia é boa para as regiões mais afetadas pela seca e o nível das barragens está a voltar ao normal.

Manchete do Diário de Notícias: "Natalidade volta a descer em Portugal após subidas nos dois anos anteriores". Os dados do Ministério da Justiça revelam que nasceram menos 2702 bebés e, 2017 do que no ano anterior. No total nasceram cerca de 85 mil bebés em Portugal.

Mais notícias de desportos de combate: Coreia do Norte e Coreia do Sul chegaram a acordo e os ainda inimigos do norte vão participar nos jogos olímpicos de inverno de Pyeongchang, que se realizam este ano.

O secretário de Estado do Ambiente, José Mendes, vai hoje explicar no Parlamento como é que vai fazer para limpar as multas dos motoristas da Uber. A intenção do Governo foi avançada numa entrevista ao Expresso e um eventual perdão custaria 4 milhões de euros aos cofres públicos.

O diretor do curso de comandos vai processar o chefe do exército, Rovisco Duarte. Mario Maia, que é arguido no processo que investiga a morte de dois recrutas, considera que o camarada de armas fez um golpe para salvar a face do exército. Notícia do Público.

Cova da Piedade e Sporting disputam hoje os quartos de final da Taça de Portugal. O clube da margem sul tem menos de mil sócios, acolheu Jorge Jesus no primeiro ano do treinador do Sporting como jogador e pode ser o sempre esperado "tomba gigantes".

Leo Muscato, dramaturgo e encenador italiano reescreveu o final de "Carmen", a ópera de Bizet. E a heroína trágica em vez de de ser assassinada pelo amante Don Jose, mata-o à punhalada. A mudança é um protesto contra a violência sobre as mulheres. Muscato também podia mudar o final de Romeu e Julieta para prevenir os pactos de suicídio no namoro.


CITAÇÕES

"Eu é mais música romântica"

Santana Lopes, em entrevista à SIC, confessando não ter aprendido a tocar Chopin

"A popularidade não é contagiosa, eu é que tenho de lutar pela minha"

Idem

"Mais do que para as minhas palavras, olhem para as minhas obras"

idem, sobre as trapalhadas

"Com Oprah seria divertido"

Donald Trump, sobre um eventual confronto com Oprah Winfrey nas eleições presidenciais americanas

"Tenho pena de que a ideia não tenha sido minha"

António Costa, sobre a entrada da Santa Casa no Montepio. A paternidade é atribuída a Santana Lopes e a Vieira da Silva

"O que tenho a dizer, digo"

Jorge Jesus, e um facto tão evidente como a chuva no inverno



O QUE ANDO A LER

Os Vampiros, de Filipe Melo e Juan Cavia

Por alguma razão que me escapa a guerra colonial não é um tema muito comum na ficção portuguesa. Salvo algumas obras mais autobiográficas, não há um grande livro ou filme sobre o tema que tanto marcou a geração dos meus pais. Cheguei tarde a esta banda desenhada de Filipe Melo, que também é músico e realizador; e do argentino Juan Cavia (autores de Dog Mendonça e Pizza Boy) e tenho pena porque é um grande livro. Mas mais vale tarde do que nunca. O argumento é excelente, uma bela ideia com ótimas referências históricas e um belíssimo cruzamento entre o sobrenatural e a brutalidade da guerra o desenho é impecável. Daria um ótimo filme e não duvido que se estivéssemos nos Estados Unidos já estaria a ser produzido. É só uma ideia.

O QUE ANDO A OUVIR

Faz parte do meu show: Sérgio Godinho está de volta com "Tipo Contrafação", primeiro single do novo álbum "Nação Valente". O velho bardo partilhou a música na internet e é um regresso em ótima forma. O autor de clássicos como "Maré Alta" ou "Com um brilhozinho nos olhos" e que influenciou alguns dos autores atuais como David Fonseca e B Fachada, não editava um álbum de originais desde 2011 e rodeou-se de amigos e admiradores como o já referido David Fonseca, Hélder Gonçalves, Pedro da Silva Martins ou José Mário Branco . E Filipe Melo também toca no disco.

O QUE ANDO A VER

"A hora mais negra", de Joe Wright

Filme sobre os acontecimentos que precederam a entrada da Inglaterra na 2ª guerra mundial e do papel decisivo que Wiston Churchill teve no processo. Bom filme e desempenho notável de Gary Oldman, ator eternamente subvalorizado a quem não deverá escapar o Óscar de melhor ator.

Por hoje está feito. Siga a atualidade no site e no Expresso Diário e oiça aqui a banda portuguesa com o nome adequado ao dia de hoje

Partilhe esta edição