Siga-nos

Perfil

Expresso

Martim Silva Diretor-Executivo

O Expresso chega aos 45 anos (e o 0-1 no duelo Rio-Santana)

5 de Janeiro de 2018

MÁRIO CRUZ/LUSA

Bom dia caro leitor,

(Primeiro, o aviso para o frio e mau tempo que estão a chegar)

Todos assinalamos momentos e episódios marcantes da nossa vida, como os aniversários, os aniversários dos filhos, os anos de casamento, etc. Faz parte da essência humana a necessidade de sublinhar e recordar aquilo que de mais marcante vamos passando.
Amanhã, sábado, 6 de janeiro, passam precisamente 45 anos da data em que nasceu o Expresso. Este Expresso Curto começa por assinalar este aniversário do Expresso 'pai'.
A edição semanal do jornal, que amanhã poderá encontrar nas bancas, tem o habitual conjunto de reportagens, notícias, entrevistas e opiniões. Mas tem também um conjunto de trabalhos especiais. Destaco dois: O tema que faz capa da Revista e em que um conjunto de destacadas figuras de várias áreas nas últimas décadas aponta quem são os rostos do futuro. Quem vai dar cartas na literatura, no teatro, no humor, na política ou no futebol.
Contamos ainda com um trabalho político que parte precisamente do tema que fez manchete no primeiro número do jornal. "63% dos portugueses nunca votaram" era o título a 6 de janeiro de 1973 e tinha como base uma sondagem (algo inédito à época no nosso país). Agora, 45 anos depois, e em democracia plena, fazemos uma sondagem sobre a participação política e cívica dos portugueses. Uma homenagem à primeira manchete e também uma forma de percebermos, numa época em que as democracias representativas partidárias estão em crise, como olham os cidadãos o sistema político que têm.

Vamos então ao primeiro tema que hoje queria aqui destacar:

Rio vs Santana, o primeiro debate a dois antes das diretas
Bem sei que a campanha para as diretas no PSD tem corrido algo discreta. Coisa inevitável quando vamos a meio de uma legislatura em que o PS, no poder, caminha confortavelmente nas sondagens. Mas a luta pela liderança do PSD é, sempre, na democracia portuguesa, um ponto maior. O presidente que suceder a Passos estará na linha da frente para poder liderar um próximo Executivo. Ninguém pode verdadeiramente garantir que até 2019 nada de extraordinário acontece. Ou que nas legislativas dessa altura o PS consegue mesmo reeditar a geringonça.

Bom, isto tudo para dizer que assisti com gosto e interesse ao debate de ontem na RTP, moderado por Vítor Gonçalves. Resumindo, foi isto o que me pareceu - Rio é o candidato naturalmente favorito, o que parece ter mais apoios, o que parece melhor posicionado para poder liderar o PSD e o país. Além disso, é o que politicamente é mais sólido e tem a incrível vantagem de não ter sido já presidente do PSD e primeiro-ministro (o que no caso de Santana dificilmente pode ser colocado como medalha no currículo).

Mas, ainda assim, as coisas são o que são. E no debate de ontem, Santana, a jogar no terreno em que é mais forte (os debates na tv) ganhou de forma clara o duelo com Rio. Levou boa parte da discussão para o campo que quis. Encurralou o adversário. colocou-o inteiramente na defensiva e a ter de se justificar.
Em causa, a forma como Rio é mais ou menos próximo de Costa, a forma como foi mais ou menos solidário com Passos e a sua liderança, a forma como é mais ou menos amigo e próximo de Pacheco Pereira (que Santana, a falar para os militantes, usou quase como ativo tóxico).

Que valerá isto para a escolha dos militantes no fim de semana de dia 13? Não faço ideia. Mas de uma coisa tenho certeza. Este debate dá uma vantagem anímica, psicológica e de percepção pública a Santana. E isso sim pode ser decisivo.

O duelo, ou melhor, a primeira parte do duelo (a segunda foi a falar mais das suas propostas para o país) foi tão intenso, duro e crispado, que a dada altura me lembrei da célebre história de Churchill, quando ao receber um jovem parlamentar na Câmara dos Comuns, na bancada conservadora, respondeu à deixa do seu companheiro, que virando-se para a bancada oposta, onde se sentam os trabalhistas, comentou: "é então ali que estão os nossos inimigos". Winston Churchill, corrigiu-o de imediato: "ali sentam-se os nossos adversários; os nossos inimigos sentam-se ao nosso lado, nesta mesma bancada".

De saída, Passos Coelho esteve ontem na apresentação de um livro e aproveitou para deixar conselhos - ao novo líder, seja ele Santana ou Rio: humildade e capacidade de aprenderem.

Deixo alguns links sobre o debate de ontem:
Aqui, a análise da Ângela Silva no Expresso
No Público, a Sónia Sapage refere que as guerras do passado aqueceram o debate.
Na SIC Notícias, Graça Franco e Pedro Santos Guerreiro olharam para o despique
Aqui, o artigo do Observador sobre o primeiro debate laranja

OUTRAS NOTÍCIAS
Cá dentro,

A economia pode estar a recuperar, mas a grande maioria dos novos contratos realizados nos últimos anos são contratos precários, alerta o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

No Parlamento, os deputados preparam-se hoje para dar início à discussão para alteração do regime de alojamento local. Tema que tem dado azo a bastante polémica nos últimos tempos, nomeadamente pela intenção socialista de dar mais poder aos condomínios na autorização do alojamento local.

Ainda no Parlamento, os deputados discutiram ontem o tema da lei do financiamento dos partidos, na sequência do veto do Presidente. O assunto só deve voltar a ser analisado em Fevereiro, quando o PSD já tiver novo líder eleito. No debate de ontem ficou a saber-se que um dos pontos da lei chumbada (referente à aplicação da lei aos processos pendentes) foi sugerido pelo próprio Tribunal Constitucional. Um dos protagonistas da discussão foi o socialista Jorge Lacão.

Mais uma organização de cariz social a ver o seu líder envolvido em processos pouco claros. Desta vez é a Colónia Balnear O Século. O protagonista é o presidente (e ex autarca socialista em Oeiras) Emanuel Martins.

Maria de Lurdes Rodrigues, antiga ministra da Educação, vai ser candidata à reitoria do ISCTE.

Mais de 90 por cento das declarações de IRS são já entregues via internet. Mas para os cerca de 5 por cento de contribuintes que ainda entregavam a sua declaração nas Finanças em papel, este ano vai ser mais complicado. É que essa possibilidade deixa de existir.

Este ano, os benefícios no IRS vão ser em média de seis euros por mês por contribuinte.

Portugal está em epidemia de gripe, mas esta é moderada, revelou Graça Freitas.

Portugueses receosos mas não alarmados depois dos brutais assassínios de duas portuguesas em Moçambique nos últimos dias.

No Expresso Diário, e no rescaldo do Benfica-Sporting, o ex-árbitro Duarte Gomes vem explicar porque é que não se podem considerar penáltis todas as mãos que acontecem dentro da área.

E agora que está a chegar o fim da primeira volta, refira-se que esta foi apenas a segunda vez que os clássicos numa volta deram todos empate.

Saiba aqui quais os concertos que não pode perder este ano


Lá fora,
O índice bolsista Dow Jones está a bater recordes, tendo superado pela primeira vez a barreira dos 25 000 pontos. Claro está que a notícia está já a servir para nos Estados Unidos Donald Trump cantar vitória em relação ao bom desempenho da economia.

Trump que está em brasa com o lançamento de um novo livro relatando o que se passa no interior da Casa Branca (no mesmo livro ficam a saber-se os sonhos de Ivanka Trump em suceder ao pai). O Presidente tentou mesmo evitar o lançamento do livro de Michael Wolff mas a editora decidiu antecipar a data de publicação para... hoje.

O regime norte-americano decidiu congelar a ajuda de segurança ao Paquistão por entender que o país não está a fazer o suficiente em matéria de combate ao terrorismo.

O regime norte-coreano cedeu e para a semana estão previstas conversações com os homólogos da Coreia do Sul. Conversações de paz que estão congeladas há dois anos.

O homem mais rico da Ucrânia, e dono do Shaktar Donetsk, viu um tribunal cipriota ordenar o congelamento dos seus bens. No total, são já três dos cinco maiores oligarcas do país a viver situação idêntica-

O dono, fundador e mentor do Facebook, Mark Zuckerberg, estabeleu já o seu repto para este ano de 2018: 'consertar' a rede social e fazer com que a sua consulta seja cada vez menos uma perda de tempo.


Aqui ao lado, o Rei Emérito de Espanha, Juan Carlos, faz hoje 80 anos.

Na Catalunha, o antigo vice-presidente da Generalitat Oriol Junqueras deve hoje ficar a saber se continua ou não detido.


Eis um ângulo pouco visto quando se fala de surf. O Financial Times conta como a empresa norte-americana que é dona da Quiksilver está a avançar para a compra da australiana Billabong. As duas somadas perfazem um total de volume de negócios de cerca de dois mil milhões de dólares.

A oitava e última temporada de A Guerra dos Tronos só vai chegar em 2019.

Eis algo que se tem lido pouco: André Gomes foi dos melhores em campo pelo Barcelona, na partida de ontem da Taça do Rei.


FRASES (especial Rio vs Santana)
"Vais começar a pedir desculpa pelas trapalhadas?", Santana, acusando Rio de ter sido pouco solidário e simpático nas referências ao governo que liderou em 2004

"Tu foste primeiro-ministro durante cinco meses, naquela primeira parte do mandato porque é que o Presidente da República actuou como actuou? É porque havia razões, sabes isso perfeitamente", resposta de Rio

"Foste meu vice e nunca disseste isso nem publicamente nem em privado", réplica de Santana

"Dupont e Dupond és tu e o António Costa", Santana, tentando colar Rio a Costa

"Quiseste fazer um partido social-liberal, um partido contra o PSD", Rio para Santana

"Eu nunca fui nomeado por António Costa para nada, nada", Rio, lembrando o percurso de Santana na Santa Casa


O QUE ANDO A LER
Provavelmente muitos dos leitores, pelas notícias ou por terem sido afetados na pele, deram pelo caos nas entregas de correio nas últimas semanas. Foi o meu caso. Contava com a chegada de uma encomenda da Amazon pelo Natal... que só agora me chegou às mãos.
Nos últimos dois dias peguei num dos livros, "The Four - the hidden dna of Amazon, Apple, Facebook and Google", de Scott Galloway, professor de economia e marketing digital. E não dei o tempo empregue por perdido, bem pelo contrário.

Algum de nós passa um dia sem olhar para o iphone? Quantas vezes por dia googla? E consegue ficar quantas horas sem ver o seu Facebook?

Ponto de partida: Um olhar para os quatro gigantes tecnológicos - melhor, para os quatro super-gigantes tecnológicos - que dominam o planeta nesta altura. Com uma questão: serão eles o Quarteto Fantástico ou antes os Quatro Cavaleiros do Apocalipse? Trazem-nos muito de bom, mas levantam problemas novos e esmagam literalmente tudo o que está ao seu redor (para quem como eu trabalha nos media, um dos números mais marcantes e negros da atualidade é a percentagem elevadíssima do bolo de publicidade digital que Facebook e Google captam, e que literalmente está a esmagar os media tradicionais).
Os números são avassaladores. A Amazon, de Jeff Bezzos, que está à beirinha de se tornar o homem mais rico do planeta, fatura sozinha mais que Walmart, Target, Macy's, Kroger, Nordstrom, Tiffany, Coach, Williams-Sonoma, Tesco, Ikea, Carrefour e Gap juntos. JUNTOS!
A liquidez da Apple é equivalente ao PIB da Dinamarca.
Um em cada seis minutos gastos online é no Facebook. Um em cada cinco gastos no mobile é no Facebook. Os lucros da Google em 2016? 20 mil milhões de dólares.
Nos últimos quatro anos, os quatro gigantes aumentaram o seu valor em 1,3 trillions (milhões de milhões) de dólares. O equivalente ao PIB da Rússia.
Se puder, leia. É dificil encontrar um livro que junte nas mesmas páginas uma análise tão aguda e aprofundada sobre as maiores companhias nos sectores das redes sociais, do retalho, da computação e dos motores de busca. Estes são hoje os verdadeiros ddt do planeta.

Por hoje é tudo, tenha uma excelente sexta-feira e um ainda melhor fim de semana

Partilhe esta edição