Siga-nos

Perfil

Expresso

Helena Pereira Editora de Política

Um jantar à luz das velas

13 de Novembro de 2017

Quer fazer um jantar no Panteão Nacional? O aluguer do espaço custa apenas 3 mil euros. Ah, espere. O Governo resolveu proibir tais eventos depois da polémica com o jantar do Founders Summit (que reúne os principais investidores da Web Summit) e de, ao longo dos anos, se terem realizado pelo menos dez jantares. A mais recente festa na nave central do Panteão foi autorizada pela Direção-Geral do Património Cultural, na dependência direta do Ministério da Cultura, embora Luís Filipe Castro Mendes tenha vindo logo sacudir responsabilidades, dizendo que não sabia de nada e ninguém dos seus serviços o consultara. António Costa fez o mesmo e puxou as orelhas ao Ministério da Cultura, considerando que foi uma utilização "absolutamente indigna" do Panteão. O jantar, recorde-se foi criticado à esquerda e à direita, com os vários responsáveis políticos a exigir transparência do Governo, ou seja, que explique como é que foi possível ter sido dada autorização para a realização daquele jantar. O regulamento de aluguer de espaços culturais prevê e até tabela os preços mas cabe ao Governo autorizar se o evento "colide com a dignidade dos monumentos". Isabel de Melo, diretora do Panteão (que homenageia os portugueses mais excecionais), diz que não vê razões nenhumas para se demitir. O único a pedir desculpa até agora foi mesmo o co-fundador da Web Summit, Paddy Cosgrove. Mas a polémica não fica por aqui. Soubemos entretanto, pela CMTV, que em 2013 também a Associação Turismo de Lisboa, presidida então por António Costa, organizou um jantar no Panteão, onde estão os cenotáfios de Vasco da Gama ou Luís de Camões e os túmulos de Sophia de Mello Breyner ou Manuel de Arriaga.

OUTRAS NOTÍCIAS

Um sismo de magnitude 7,2 na escala de Richter atingiu este domingo o Iraque. O epicentro localizou-se a nordeste da capital Bagdad, muito perto da fronteira com o Irão. Segundo a imprensa local, o número de mortos ultrapassa os 200. Há mais de 1700 feridos.

Hoje, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, apresenta no Parlamento o Orçamento para 2018, sob críticas de suborçamentação e exigências da esquerda. Isto numa altura em que o número de infetados pela bactéria legionela continua a subir. Vai em 46. Segundo a TSF, voltou a ser detetada legionela no Centro de Saúde de Mangualde, um ano depois.

Fraude, diz o gabinete anti-fraude da Comissão Europeia (OLAF), sobre o caso Tecnoforma, uma empresa de que Pedro Passos Coelho foi administrador e que mais tarde, quando Miguel Relvas, era secretário de Estado, recebeu dinheiro de fundos europeus que Bruxelas considera que deve ser devolvido: são 6,7 milhões de euros. A justiça portuguesa, contudo, já arquivou o caso.

Também de Bruxelas chega o alerta de que Portugal está a descer a taxa de desemprego à custa de uma "elevada proporção de empregos criados em setores de perfil de baixas qualificações" e salários baixos.

O número de linhas de autocarros da Carris vai aumentar em Lisboa.

Marcelo Rebelo de Sousa mantém a pressão sobre o Governo para agir e diminuir o número dos sem-abrigos no país. Passou a noite de S. Martinho na rua.

Ainda hoje, a União Europeia deverá aprovar um embargo de armas à Venezuela, numa reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros à margem da qual cerca de 20 países assumirão o lançamento da cooperação estruturada permanente na área da Defesa.

Mariano Rajoy foi à Catalunha apoiar o candidato do PP às eleições autonómicas de 21 de dezembro. Apelou ao voto da “maioria silenciosa” contra os “paladinos da rutura”. Um jornalista do El País dedicou-se a assistir apenas à televisão pública catalã e conta o que viu em "Uma semana a ver apenas TV3": as audiências dispararam com a crise política e só se fala na independência em propaganda onde também entram as crianças.

Na Polónia, 60 mil pessoas manifestaram-se no fim de semana com faixas dizendo “Europa Branca” ou “Sangue Limpo” num protesto organizado pela extrema-direita nacionalista.

Em Angola, nas comemorações dos 42 anos da independência, João Lourenço garantiu que os compromissos que assumiu em matéria de combate à corrupção são para concretizar, mas reconheceu a existência de "inúmeros obstáculos" para atingir esse objetivo.

O casal de portugueses condenado em Timor-Leste a oito anos de prisão por peculato fugiu para a Austrália e está detido em Darwin, onde entrou ilegalmente de barco.

O cantor canadiano de origem portuguesa Shawn Mendes foi eleito Melhor Artista na edição deste ano dos prémios europeus de música do canal MTV, cuja cerimónia decorreu em Londres.

Abriu ao público este fim de semana o novo Museu do Louvre em Abu Dhabi.

"Hoje é um bom dia para sofrer" é a reportagem multimedia da Lídia Paralta Gomes sobre a mais antiga e mais perigosa corrida de motos do Mundo.

Há novos campeões: João Sousa venceu o Campeonato Nacional Absoluto de ténis. E o piloto Miguel Oliveira somou a terceira vitória consecutiva na classe de Moto2 do Mundial de velocidade.

Cristiano Ronaldo foi pai pela quarta vez.

Tem dificuldades em pedir desculpa? Não subestime o poder de uma desculpa, principalmente se for político, escreve o The Guardian num artigo sobre uma nova app que o pode ajudar.

Se tem filhos, vale a pena ler isto. Três especialistas enumeram as oito piores perguntas que os pais costumam fazer aos filhos e que deviam evitar.

É fã de "Stranger Things"? A atriz inglesa Millie Bobby Brown tornou-se aos 13 anos um fenómeno artístico e mediático.

O mítico calendário Pirelli para 2018, com o dedo do novo editor da Vogue, Edward Enninful, promete dar que falar. O tema é Alice no país das maravilhas mas a história principal que conta é outra: o elenco são modelos negras, atores ou ativistas dos direitos da comunidade negra.

MANCHETES DO DIA

"Caso Tecnoforma: Bruxelas contraria Ministério Público e diz que houve fraude", no Público

"Portugal cria muito emprego mal pago e pouco qualificado", no Diário de Notícias

"Lesados da PT preparam ação contra o Haitong", no Jornal de Negócios

"380 polícias agredidos em crime sem castigo", no Correio da Manhã

"Médicos aliciados com mil euros para recomendar colegas", no Jornal de Notícias

"António Costa também 'apadrinhou' jantar no Panteão", no i

FRASES

“A imagem que eu tenho do Panteão Nacional não é a de ser o local adequado para um jantar nem que seja o jantar mais importante de Estado”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, sobre o jantar do Founders Summit no Panteão

"Estamos a banalizar os mortos e isso é muito grave"

Luís Marques Mendes, ex-líder do PSD, sobre o facto de Costa não ter mencionado Passos Coelho ao assinalar a saída de Portugal do 'lixo'

“No próximo ano é nos Jerónimos. A urna do Gama serve de bar. A do Camões de bengaleiro

Sérgio Sousa Pinto, deputado do PS

O QUE ANDO A LER

Comecei a ler a biografia de Paulo Teixeira Pinto "De que cor é o medo", da autoria de Sílvia Oliveira. O ex-presidente do BCP fala sobre a doença, Parkinson, diagnosticada meses depois de ter assumido o mais alto cargo do banco, e da forma como se afastou da Opus Dei, para onde entrara aos 25 anos. Teixeira Pinto, antigo secretário de Estado de Cavaco Silva, apontado há uns anos como um provável candidato a líder do PSD, não teve receio de expor duas das facetas mais íntimas da nossa vida: a doença e a relação com Deus.

"A primeira consulta ficou marcada para pouco tempo depois e a pergunta mais difícil foi feita: quais as implicações cognitivas da doença de Parkinson? Ou seja, Paulo queria saber se a sua capacidade de julgamento seria afetada. Tinha, afinal, assumido há menos de um ano a responsabilidade de gerir o maior banco privado português. Uma carga exigente, mais ainda porque se tratava de substituir Jardim Gonçalves, um ator principal na revolução vivida no sector financeiro nacional, o mesmo que, após vinte anos de reinado, disse não se arrepender de nada, nem mesmo de ter nascido. A sua vontade de fazer, nunca pela metade, e de vencer não concebia limitações, muito menos intelectuais", escreve a autora no capítulo sobre o Parkinson.

"As virtudes e a generosidade dão trabalho, segundo acredita, e o Opus Dei ajudou-o a tornar-se melhor pessoa. Paulo cita a frase do Evangelho «Quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que fez a direita», para dizer que abomina a propaganda do bem, mas aceita contar um episódio que lhe aconteceu quando ainda era presidente do BCP. Muita gente lhe pedia coisas, das mais exorbitantes, como emprego e subsídios, às mais simples, como pequenas ajudas financeiras. Não se lembra do nome da pessoa, do presidiário que lhe escreveu a pedir que o banco lhe pagasse as propinas da universidade. Nunca chegou a saber porque estava preso, mas mandou-lhe o dinheiro, a título pessoal. «Ainda hoje, ele está convencido que foi o BCP a pagar-lhe os estudos, mas eu não ia levar isso ao relatório de contas do banco», explica Paulo".

No fim de semana, li ainda a impressionante reportagem multimédia do JN "A nascente do rio Douro secou". As fotos são chocantes e os testemunhos das pessoas que conheciam como era aquele caudal há uns anos também. Trata-se do sítio exato onde nasce o rio Douro, nos Picos de Urbíon, província de Sória. Atenção, é perfeitamente possível caminhar agora pelo leito do rio.

Para terminar num registo mais bem-disposto sugiro "Lisboa", de David Pintor. Trata-se de um ilustrador espanhol que começou a desenhar cadernos de viagens. O segundo é dedicado a Lisboa e passa pelos locais mais emblemáticos da cidade com um olhar fresco e bem atento aos pormenores alfacinhas!

Hoje fico por aqui. Tenha uma boa segunda-feira e uma boa semana! Continue bem informado com o Expressoonline, com o Expresso Diário às 18h e com a Tribuna, o site dedicado ao desporto. Até já!

Partilhe esta edição