Siga-nos

Perfil

Expresso

Martim Silva Diretor-Executivo

Paradise Papers. Tem nome de sonho mas mostra o pesadelo das offshore

6 de Novembro de 2017

Bom dia,
Ironia das ironias. No mesmo dia em que começa em Lisboa um fantástico evento, a Web Summit, que trata daquilo que melhor a globalização, o desenvolvimento tecnológico e o génio humano nos podem trazer, abro este Curto por um exemplo oposto, daquilo que pior a globalização, o desenvolvimento tecnológico e o génio humano nos têm trazido:

Uma nova mega fuga de informação de documentos (mais de 13 milhões) deu origem a estes Paradise Papers. Entre os nomes envolvidos em operações duvidosas num conjunto de offshores encontram-se desta vez, por exemplo, a Rainha de Inglaterra, o secretário do Comércio de Trump (que fez negócios com Maduro e próximos de Putin), Justin Trudeau, Wesley Clark, Madonna, Bono Vox, o ministro da Finanças do Brasil ou empresas como a Nike, a Apple, a Uber e o Facebook.
O Expresso faz parte do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação que trabalhou os documentos e a partir de ontem está a divulgar o resultado da investigação.

Esta é uma história, mais uma história, de como os muito, muito ricos e muito, muito poderosos, os 'um por cento', se empenham em esconder, ocultar e camuflar a sua riqueza (na melhor das hipóteses para fugir aos impostos).

Deste primeiro texto, geral, ontem publicado, deixem-me destacar este parágrafo:

"Os paraísos fiscais vivem da promessa de manterem segredo sobre quem está por detrás das empresas – isso é garantido através de operadoras locais de serviços offshore que facilitam a criação de companhias difíceis de rastrear e que tornam impossível a descoberta sobre quem são os seus donos. Embora na maior parte dos casos não seja ilegal ter uma entidade offshore, o sigilo oferecido por essas operadoras atrai gente que quer lavar dinheiro, traficantes de drogas, cleptocratas e outros tipos de criminosos que desejam mover-se na sombra. As companhias offshore, que na maioria das vezes são empresas-fantasma sem empregados nem instalações, também são usadas em complexas estruturas de evasão fiscal que desviam milhares de milhões de euros que era suposto serem canalizados para os cofres públicos."

Isto verdadeiramente é o que está em causa. E é o que estas investigações visam denunciar. A falta de transparência. A opacidade. As cortinas de fumo.

Comece por este vídeo para perceber ao certo o que são os Paradise Papers e de que trata esta mega investigação jornalística à escala global.

Este texto permite perceber com mais detalhe o que é a Appleby, como nasceu, o que faz e qual o seu papel em todo este caso. Adianto-lhe que se trata de uma empresa que permite a criação de empresas fantasma e coisas igualmente recomendáveis, nas Bermudas e não só.

Neste outro texto divulgado, explicamos que dos ficheiros analisados constam os nomes de cerca de sete dezenas de portugueses. Mas pelo que a investigação permitiu apurar até este momento, desta vez os casos não tem o peso e a gravidade de exemplos anteriores.

Hoje, segunda-feira, pelas 18.00, será divulgado mais material resultante da investigação jornalística à documentação. A hora é a mesma para todo o planeta. Sugiro que leia o Expresso Diário ao final da tarde se quiser saber quais as últimas novidades deste assunto.

MASSACRE NO TEXAS
Sutherland Springs é uma pequena localidade no Texas. Lá, costumam assistir à missa dominical de uma igreja baptista algumas dezenas de pessoas. Ontem, um atirador entrou na igreja e disparou a torto e a direito. Resultado? Mais de duas dezenas de mortos. Um horror inacreditável. O assassino acabaria morto pouco depois na sequência de uma perseguição policial. Aqui pode ficar a saber mais sobre o assassino, de 26 anos, antigo militar.

Outro número que impressiona: morrem 33 mil pessoas por ano nos Estados Unidos por disparos de armas de fogo. Não são 33, nem 330, nem 3300. São trinta e três mil pessoas. NOVENTA POR DIA!

CATALUNHA
O presidente destituído da Catalunha, Carles Puigdemont, e outros conselheiros decidiram ontem entregar-se às autoridades judiciais belgas. A justiça decidiu que podem ficar em liberdade, mas sem autorização para deixarem a Bélgica, até que as autoridades decidam o que fazer em relação à ordem de detenção europeia emitida pelas autoridades espanholas. Uma tremenda confusão, uma trapalhada enorme e um imbróglio do qual não se vê ainda saída. Talvez as eleições de 21 de dezembro ajudem a trazer luz a este caso.
Eleições em que já se sabe que Puigdemont será de facto candidato.

RÚSSIA E OS 100 ANOS DA REVOLUÇÃO
Foi a 25 de outubro de 1917 (7 de novembro no nosso calendário, o gregoriano) que Vladimir Ulitch Ilianov, Lenine, e os seus bolcheviques tomaram o Palácio de Inverno em Petrogrado (São Petersburgo), dando início ao regime comunista no país. Uma das mais terríveis e cruéis tiranias da história e um modelo de Estado e de organização que ao longo de boa parte do século XX foi copiado por quase metade do Mundo.
Esta terça-feira assinalam-se os cem anos da data.

A este propósito, deixem-me destacar aqui este texto publicado na última edição do Expresso e que mostra quem é hoje o grande rosto da oposição a Putin (o novo czar) na Rússia: Alexander Navalny.
O regime russo anunciou mais de 200 detenções em Moscovo nas véspera dos 100 anos da Revolução. Motivo? Perturbação da ordem pública.

OUTRAS NOTÍCIAS
Cá dentro,

Governo e entidades públicas afinam o discurso sobre a melhor forma de apresentar e vender o país a quem nos visita para a Web Summit (entre hoje e quinta-feira, em Lisboa), afirma o DN.
O Observador andou a mostrar Lisboa, ou parte dela, a Paddy Cosgrave, o pai do evento, e até conseguiu que ele ficasse offline durante o tempo que durou o almoço.

Sobre o caso Urban, o comentador da SIC Marques Mendes considerou ontem que se tratou de uma vitória das redes sociais sobre o Estado de Direito (recorde-se que só depois da divulgação do vídeo com as agressões os acontecimentos se sucederam). A própria empresa de segurança envolvida, a PSG, veio ontem dizer que depois destes acontecimentos vai deixar de prestar estes serviços em discotecas. Dos três seguranças que tinham sido detidos, dois ficaram mesmo em prisão preventiva depois de ouvidos por um juíz no sábado.


Na Proteção Civil, ficámos a saber que o novo homem forte é Mourato Nunes, tenente-general do Exército e que na última década foi durante vários anos o líder máximo da GNR. Mourato Nunes vai substituir Joaquim Leitão na liderança de um dos organismos do Estado mais visados e críticados pelo que aconteceu na época de incêndios este ano em Portugal.

Depois de aprovado o Orçamento do Estado na generalidade, e quando vai começar a ser debatido pelos deputados na especialidade, Jerónimo de Sousa veio ontem pedir mais medidas orçamentais de ajuda às populações afetadas pelos incêndios florestais.

Mais de duas dezenas de casos de legionela foram detectados em Lisboa no último fim de semana mas o Governo já veio assegurar que a situação está controlada.

Na Madeira, tem dado que falar o caso de um padre que assumiu a paternidade de uma criança nascida este verão. E o Bispo da Madeira já veio confirmar que o pároco em questão se mantém à frente da sua paroquia.

Quanto é que gastamos de energia para carregar o telemóvel? E será que devemos tirar o carregador da tomada quando o aparelho está carregado? Leia as Dicas de Poupança do Pedro Andersson. Eu leio sempre.

O prolongado calor no país não tem a seca como único efeito. Também a indústria do pronto-a-vestir e do calçado está a ser seriamente afetada, com dificuldade em escoar as coleções de outono/inverno, afirma o JN.


Lá fora,
No Japão, primeira paragem do périplo de 12 dias pela Ásia de Donald Trump, o tema forte foi a Coreia do Norte.

No fechado regime da Arábia Saudita, algo está mesmo a mexer. Este fim de semana assistiu-se a um abalo tremendo, com a detenção de algumas das figuras mais importantes do regime, entre eles 11 princípes e quatro ministros.
Aqui, no FT, tenta-se explicar como Mohammed bin Salman está a levar a cabo estas detenções numa tentativa de consolidar o seu poder.

DESPORTO
A jornada da I Liga trouxe novidades na frente este fim de semana. Depois do Porto ter ganho por dois a zero ao Beleneneses, ontem foi a vez do Guimarães perder em casa com o Benfica por três a um e de o Sporting se deixar apanhar no segundo lugar da classificação pelos encarnados, ao não passar de um empate caseiro a duas bolas com o Braga de Abel Ferreira. Para os leões, as más notícias não se ficam por aqui já que Bas Dost e Acuña tiveram de ser substituídos na sequência de lesões musculares.

A Liga já anunciou que vai averiguar o que se passou em Guimarães, em que incidentes numa das bancadas com adeptos da casa levou à interrupção da partida durante vários minutos.



O QUE ANDO A LER
Nas últimas semanas, naveguei pelo "O Negro do Narciso" e "Coração das Trevas", de Joseph Conrad (reunidos num mesmo volume numa edição da Relógio D'Água), depois pelo "Comportamento Inadequado", do economista e vencedor do Prémio Nobel da Economia este ano Richard Thaler (edições Actual) e pelo "O Ministério da Felicidade Suprema", de Arundhati Roy (editado pela Asa).
Se o mês de leitura já estava a ser cheio de páginas suculentas de informação e imaginação, nos últimos dias chegou-me às mãos a monumental biografia "Lenine, o Ditador", do britânico Victor Sebestyen.
O primeiro capítulo, a relatar uma trapalhona e quase cómica tomada do Palácio de Inverno de Petrogrado (São Petersburgo) a 25 de outubro de 1917 (7 de novembro no calendário gregoriano - amanhã assinalam-se os 100 anos da Revolução Russa) pelos soldados de Lenine, é absolutamente extraordinário.

Tenha um excelente dia e uma ótima semana de trabalho.

Partilhe esta edição