Siga-nos

Perfil

Expresso

Dia de irreflexão?

29 de Setembro de 2017

Sexta-feira, último dia de campanha, o Expresso está nas bancas. Mais cedo esta semana, sim, precisamente por causa das eleições autárquicas: amanhã é dia de reflexão, não há bandeiras, arruadas nem sondagens. Há hoje. E nas de hoje – para Lisboa e Porto – o PSD é esmagado. É essa a nossa manchete.

Esmagado porque fica em terceiro nas duas maiores cidades do país – e porque tem quase metade da percentagem de votos que teve há quatro anos. E isso terá consequências no partido, com Passos a ir à luta e a preparar-se para assumir os resultados e enfrentar as críticas internas. Incluindo de Rui Rio, que vai ter de dar corda aos sapatos se quer agregar no seu “movimento” não assumido outros críticos internos.

Os políticos usarão hoje os seus chavões, “sondagens são sondagens”, “a verdadeira sondagem é o voto na urna no domingo”, e até à meia-noite de hoje todos estarão na rua com as derradeiras ações de campanha, para mobilizar eleitores a seu favor e a acorrerem às urnas. Seja.

Em Lisboa, a sondagem aponta para dois vencedores: Medina em primeiro e Assunção Cristas em segundo, à frente de Teresa Leal Coelho. No Porto, Rui Moreira está à beira da maioria absoluta. Em Oeiras, Isaltino vence, mas sem maioria absoluta.

Além das sondagens, o Expresso publica conversas com os principais candidatos destas cidades e faz a análise política: se a noite pode ser de pesadelo para o PSD nos grandes centros urbanos, António Costa pode sair de domingo a pensar em maioria absoluta nas eleições legislativas de daqui a dois anos. No CDS, Portas quis ficar na foto da festa e fez questão de aparecer ao lado de Cristas esta semana. O Bloco de Esquerda confia no regresso ao campeonato e o PCP também está confiante, na primeira prova pós-geringonça, cuja superação lhe permitirá cobrar mais ao governo PS.

Com o Expresso nas bancas mais cedo, este Expresso Curto também é semelhante aos de sábado, dedicado sobretudo à edição do semanário. É sexta, sim, véspera de dia de reflexão, o que não faz de hoje dia de irreflexão.

OUTRAS NOTÍCIAS
Pedido de Costa provoca mal-estar no Ministério Público, onde é considerado “estranho e inoportuno”. Em causa um pedido de parecer pelo primeiro-ministro ao Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República, para saber a posição do conselho sobre o estatuto de imunidade de Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola acusado em fevereiro pelos crimes de corrupção ativa e branqueamento de capitais, por suspeita de alegadamente ter subornado o procurador Orlando Figueira, em troca do arquivamento em tempo recorde de um inquérito-crime a propósito da compra de um apartamento num condomínio de luxo no concelho de Cascais.

“Há um ‘PREC’ na Matemática”, afirma Jorge Buescu, presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática. A definição dos conteúdos essenciais que os alunos têm de aprender em cada disciplina e em cada ano de escolaridade foi publicada pelo Ministério da Educação poucos dias antes do arranque das aulas e passou quase despercebida. Mas a SPM garante que está em causa um verdadeiro PREC — “Programa de Reforma Educativa em Curso” — que, na prática, encolhe em 25% o currículo da disciplina, apagando áreas fundamentais.

Como a Galiza reduziu para metade a área ardida: é este o título para um caso de estudo que podemos e devemos conhecer em Portugal. Está tudo analisado aqui. E aqui noticiamos que familiares de Pedrogão vão processar o Estado.

Sobre a polémica do desaparecimento de armamento de Tancos, publicamos uma notícia sobre como a marcação de uma reunião de urgência no Comando do Exército travou um jantar para o qual estava prevista a comparência de general demitido. O facto serve para fazer uma análise cheia de informação intitulada “Um Exército em crise, um general periclitante, umas FA desacreditadas”. Sobre a investigação em curso, revelamos que cinquenta militares e civis já foram interrogados. Um tenente, um sargento e um praça são os três militares alvo de um processo do Exército: estariam de vigia na noite do roubo do armamento (o roubo é a principal pista da investigação). As portas dos dois paióis foram abertas com recurso a um equipamento que não se vende em Portugal. Explicamos novos dados sobre o relatório que fez manchete há uma semana e que ateou a polémica. E, em editorial, o Expresso responde a várias acusações que foram feitas ao longo da semana, desde que a que “o relatório não existe” até que “qualquer pessoa o podia ter feito”.

Aborto causa estigma entre médicos. Estudo conclui que clínicos que fazem interrupções da gravidez são desvalorizados pelos seus pares.

Na Catalunha, “há cravos mas não há urnas”. Uma reportagem sobre o referendo que divide Espanha.

Em entrevista, Kirsty Hayes, embaixadora britânica em Portugal, afirma que “A saída do Reino Unido da União Europeia é inevitável”.

O primeiro caderno do Expresso de hoje termina com a notícia de que André Ventura vai testemunhar contra Miguel Macedo. O candidato do PSD à Câmara de Loures está arrolado pelo Ministério Público como testemunha de acusação no processo contra o ex-ministro Miguel Macedo por causa dos vistos gold.

Na Economia, a manchete é a notícia de que Isabel dos Santos vai reforçar o seu poder dentro da Sonangol. A gestora vai liderar o conselho de administração em novo modelo de gestão decidido por José Eduardo dos Santos.

A CRESAP não ‘chumbou’ qualquer gestor público este ano. A comissão — que desde abril tem nova direção — já avaliou 167 nomes propostos pelo Governo.

A CUF vai entrar em Coimbra e Leiria. A José de Mello Saúde, o maior grupo privado português de saúde, vai investir 53 milhões em dois novos hospitais, até 2019.

No imobiliário, o negócio das casas de luxo vale hoje cerca de 1,7 mil milhões de euros, um crescimento de 57%. E as casas “com assinatura” vendem-se melhor.

A indústria contratou 79 mil trabalhadores. A indústria transformadora tem sido o maior promotor de emprego nacional desde a crise.

Manchetes de outros jornais do dia:
- “Estado pagou 1,4 milhões de euros a falsos fornecedores”, no Jornal de Notícias.
- “BPI na rota do furacão da independência catalã”, no Público
-“Professores deslocados disparam baixas”, no Correio da Manhã
- “Inspetor que absolveu agentes investiga nova queixa de violência policial”, no Diário de Notícias
- “O pesadelo de andar de avião”, no i
- “Relações com Angola estão por um fio”, no Sol
- “Bruxelas não vai investigar combustíveis”, no Jornal de Negócios
- “Governo quer mais dividendos do Banco de Portugal”, no Jornal Económico


FRASES
“Macron tem toda a razão: ou a Europa avança ou será um por si e todos contra todos”. Miguel Sousa Tavares, no Expresso.

“O mantra mais ouvido nas campanhas tem a ver com as promessas absurdas ou inexequíveis que os nossos candidatos autárquicos fazem um pouco por todo o país. E se um dia virássemos o problema? E se um dia, um dia que fosse, nos interrogássemos se não são os eleitores maioritariamente idiotas que levam os candidatos a fazer propostas assim?” Henrique Monteiro, ibidem.


O QUE EU ANDO A LER
As sugestões de hoje vão para a revista E.

“As mulheres de Pedrógão”: perderam filhos, irmãos e o orgulho no país onde vivem, mas não perderam a coragem. Um grande texto, que inclui um depoimento de Marcelo Rebelo de Sousa, que escreveu um depoimento para o Expresso:

“A tragédia de Pedrógão não escolheu as vítimas. Homens, mulheres e crianças, tantos que sofreram e ainda sofrem. Mas a tragédia de Pedrógão mostrou-nos que da maior dor pode surgir a maior força. E assim foi com algumas das mulheres que a sentiram mais profundamente, porque por ela perderam aqueles que mais amavam. Tenho a honra de conhecer pessoalmente algumas destas mulheres que tomaram a dianteira e mobilizaram familiares e amigos das vítimas. Que fizeram perguntas, que exigem respostas. Algumas dessas perguntas colocaram-mas diretamente nas muitas conversas que temos mantido nos últimos três meses. Por telefone, por e-mail, presencialmente aqui em Belém. Têm-me informado sobre as situações e problemas que encontram, os apoios que recebem e também sobre aqueles por que ainda aguardam. Lançam desafios, como o que nos fez juntar novamente, há dias, numa iniciativa com os jovens dos concelhos afetados. Eles que são a principal razão pela qual homens e mulheres se devem mobilizar na esperança de uma vida melhor. Pela reconstrução e dinamização deste pedaço do nosso país. Esse esforço não depende do género, mas pode seguir o exemplo de força destas mulheres.”

“O Bom rapaz” é o título de um grande perfil de Frederico Morais, o surfista português que está em 11º no ranking mundial.

António Lagarto, que acabou de fazer a cenografia para “A Viúva Alegre” na Opera de Paris, responde em entrevista: “Acreditei que ia dar dignidade à cultura”. E Leonor Freitas, o rosto dos vinhos Ermelinda, confessa que antes, para si, “os vinhos eram todos iguais”. Já não são.

Tenha uma excelente sexta feira, final da semana antes de um fim de semana eleitoral. No domingo o Expresso e a SIC estarão em ação especial de informação, com todas as notícias, resultados e análises. Até lá, até já.

Partilhe esta edição