Siga-nos

Perfil

Expresso

Expresso Curto

POR Martim Silva Diretor-Executivo
13 de Março de 2017

Sócrates ouvido pela terceira vez (e a 'guerra' da Turquia à Europa)

Bom dia,
Começa hoje uma semana que, todos os dados apontam, pode ser decisiva para a Operação Marquês, o caso judicial que há três anos envolve (além de mais de duas dezenas de outros arguidos) o antigo primeiro-ministro José Sócrates, suspeito de corrupção, branqueamento e fraude fiscal.

Já há meses que o dia 17 de março era apontado como decisivo, dado tratar-se do prazo limite fixado para a conclusão da investigação. Ou se acusa ou se arquiva.

Aqui, permita-me o leitor um ponto prévio. Independentemente da maior ou menor proximidade ideológica, da convicção pessoal de cada um em relação à culpabilidade ou inocência de José Sócrates, não devemos deixar de lamentar o tempo que toda esta investigação demorou. É, manifestamente, demais. Três anos sem uma acusação e com medidas de coação e até uma prisão preventiva pelo meio é algo que não abona a favor do nosso sistema judicial.

Feito este desabafo (e sobre ele chamo a atenção para a manchete do i de hoje, que afirma precisamente que vai haver novo adiamento, desta feita de um mês), vamos ao que se está a passar.

No sábado, o Expresso noticiou, entre outras coisas, que oito procuradores estão a terminar o despacho de acusação num processo que já soma mais de 100 volumes e 40 mil páginas. Que Sócrates deverá mesmo ser acusado dos crimes de que é suspeito, incluíndo o de corrupção (aquele que parece mais delicado e difícil de provar em tribunal). E que a investigação contava ainda, nestes dias, ouvir vários dos arguidos.

Durante o fim de semana ficámos a saber que Carlos Santos Silva, o amigo de Sócrates suspeito de ser o testa de ferro de Sócrates, já foi ouvido e que hoje é a vez de Sócrates prestar declarações pela terceira vez no âmbito do caso.

No DN de hoje faz-se uma radiografia do caso.


HOLANDA vs TURQUIA
Se por cá as atenções centram-se no caso Sócrates e na Operação Marquês, lá fora é na Holanda que os olhos estão postos.
Esta semana é semana de eleições legislativas, na quarta-feira, com os olhos da Europa postos no resultado que o partido de Geert Wilders poderá obter. E as últimas informações apontam para a preparação de uma super coligação para tentar travar a chegada de mais um populista ao poder.

As eleições ocorrem numa altura em que nos últimos dias surgiu ume enorme embrulhada diplomática envolvendo Holanda (e a própria União Europeia) e a Turquia, depois do ministro dos Negócios Estrangeiros turco ter sido impedido de ir ao país fazer campanha pelo referendo constitucional turco que pretende alargar os poderes presidenciais de Erdogan. Além do chefe da diplomacia, uma outra ministra turca, que entrou na Holanda de carro vinda da Alemanha, já foi expulsa, motivando fortes protestos da comunidade turca em cidades como Roterdão.

Este assunto está a incendiar os ânimos, com várias declarações inflamadas de Erdogan nos últimos dias (acusando os holandeses de tiques nazis, o que já mereceu uma resposta dura do primeiro-ministro holandês). O próprio MNE turco se atirou aos holandeses, ao participar num comício com emigrantes turcos em França.
No Público afirma-se que Erdogan quer sanções contra a Holanda e que mais países europeus querem impedir dirigentes turcos de fazer campanha nos seus países.

OUTRAS NOTÍCIAS
Cá dentro,

O assunto, embora ainda sem grandes detalhes, está na edição de hoje do Negócios: o governo prepara-se para alargar os direitos de parentalidade do pai, e promete ter as medidas prontas até ao dia 1 de maio.

Assunção Cristas acaba de assinalar um ano de mandato à frente do CDS (um ano particularmente bem sucedido, afirmo eu, difícil que era suceder a Portas) e dá hoje uma entrevista ao Público, que tem como principais títulos e frases “O Conselho de Ministros nunca foi envolvido nas questões da banca” (falando obviamente dos tempos em que era ministra), “O Governo ‘também centra todo o seu discurso no défice’”, “Núncio: ‘não gosto de ser injusta para com as pessoas’”, “Discordo em absoluto de uma tentativa de partidarização dos nomes do Banco de Portugal”.

Sobre o antigo secretário de Estado Paulo Núncio, continuam a surgir revelações sobre a sua atividade profissional ligada com offshores e zonas francas e o PS já fez saber que o vai chamar novamente ao Parlamento para dar esclarecimentos.

Mais de 2 mil trabalhadores saíram dos maiores bancos nacionais no ano passado. E a grande fatia foi do Novo Banco.

O negócio da compra do Novo Banco pela Lone Star parece estar bem encaminhado e de acordo com Marques Mendes, ontem na SIC, a coisa deverá ficar fechada até final deste mês.

O mesmo Marques Mendes falou do líder do PSD, Passos Coelho, dizendo que o partido (de que o próprio já foi líder) precisa de mudar de estilo e atitude… mas de líder ainda não.

Dois líderes religiosos radicais em França e Inglaterra que aliciaram e recrutaram jovens jihadistas portugueses foram condenados em tribunal.

Um jovem foi esfaqueado durante uma rixa no Centro Comercial Colombo mas está fora de perigo.

Há um novo projeto imobiliário para a entrada de Cascais (ali onde fica o Jumbo) que promete mudar o rosto de entrada na localidade. Leia e forme a sua opinião.

Em Lisboa, na zona da Expo, são os solos contaminados que dão que falar.

O forte vento que se tem feito sentir em Portugal teve consequências na Madeira, com o cancelamento durante o fim de semana de mais de duas dezenas de voos.

O Pedro Andersson, nas suas imperdíveis Dicas de Poupança, aconselha alguma calma na hora de entregar o IRS. Não seja apressadinho e a sentir que tem de entregar tudo no primeiro dia do prazo. Às vezes esperar um pouco pode compensar…

Evaristo Cardoso, do Solar dos Presuntos (ainda este fim de semana lá estiver a matar saudades da boa comida e ótimo atendimento) foi premiado pelo Guia Boa Cama, Boa Mesa.


Lá fora,
Susana Diaz
, líder do governo da Andaluzia, vai lutar com Pedro Sanchez pela presidência do PSOE, cujas primárias estão marcadas para 26 de março. Politicamente, Susana surge mais ao centro e moderada que Sanchez.

Em Itália, é Matteo Renzi quem tenta regressar e apresenta a sua versão 2.0, como candidato às primárias do partido em abril.

Na Trumpland, o último Saturday Night Life voltou a parodiar o que se passa à volta da Administração Trump, com um falso anúncio publicitário apresentado Scarlett Johanson como Ivanka Trump a promover o seu perfume “Cúmplice”. O vídeo vale muito a pena. como também vale o texto da Atlantic sobre o seu significado.

Quem voltou a confrontar Trump foi o senador John McCain, dizendo que ou o Presidente apresenta provas das alegadas escutas promovidas por Obama contra si ou então tem de deixar cair as acusações que fez publicamente.

Michel Temer deu uma entrevista à The Economist, que o apresenta de forma algo lisongeira.

No final da semana passada, tornou-se viral (já com mais de 100 milhões de visualizações) o vídeo do professor Robert Kelly, que comentava para a BBC a partir de casa a situação na Coreia do Sul e viu o vídeo ser ‘invadido’ pela presença súbita dos seus dois filhos. Ponto um: se não viu o vídeo, veja, porque é divertidíssimo. Ponto dois: do que trata esta notícia é do debate entretanto gerado por causa da percepção generalizada imediata de que a senhora que aparece no vídeo é empregada do referido professor, por aparentar ser asiática. Pois dá-se o caso da referida senhora ser sua mulher e de agora meio mundo discutir o assunto de forma séria e acalorada.


DESPORTO
Kipkemoi. Fixe este nome. É um atleta queniano, que já competiu nos Paralímpicos e que ontem fez história ao vencer a Maratona de Barcelona, prova para a qual foi contratado para servir de… lebre. Assim, soma aos 3 mil euros de contrato para ser lebre 10 mil por ter ido até ao fim e cortado a meta em primeiro. Incrível.

Na véspera de na Austrália se iniciar mais um mundial de surf, vale muito a pena ler esta fantástica reportagem do Guardian, que mistura histórias de sucesso de quem está no topo da modalidade com a dureza daqueles que para perseguir o sonho estão dispostos a arriscar tudo e a fazer do carro casa.
No Expresso do último fim de semana entrevistámos o representante nacional no mundial deste ano, Frederico Morais ‘kikas’.

Por cá, hoje o Benfica tenta manter a liderança da Liga no jogo frente ao Belenenses e Jonas deve voltar a ser titular.

Aqui ao lado, em Espanha, o Real Madrid aproveitou a escorregadela do Barcelona e volta a ser líder com mais dois pontos (e ainda um jogo a menos).

Um tablóide britânico deu a notícia, que está agora a ser veiculada por cá: Cristiano Ronaldo terá recorrido a uma barriga de aluguer e vai ser pai de gémeos.

Esta noite estreia a Tribuna VIP, nova rubrica de desporto para ser vista na SIC (que começa com uma entrevista a Mourinho). Se não vir, amanhã pode recuperar na Tribunal do Expresso.


NÚMEROS
27

O sector do Turismo criou mais de 27 mil novos postos de trabalho no ano passado, afirma o DN

156
Portugal prepara-se para investir um total de 156 milhões de euros para comprar autocarros amigos do ambiente

4
O Papa Francisco assinala hoje o quarto aniversário do seu pontificado


FRASES
“Marcelo às vezes tem exagerado e tem feito de primeiro-ministro”, Santana Lopes, em entrevista ao DN e TSF

"Esquerda lava mais branco do que a direita", Mira Amaral, ao Jornal de Negócios


O QUE ANDO A LER
Em matéria de evolução tecnológica e dos passos dados pela ciência, é imprescindível ler o tema de capa da The Economist desta semana, dedicado à tecnologia quântica.

Sobre a estreia do filme “São Jorge”, de Marco Martins e com Nuno Lopes, recomendo a reportagem da Cristina Margato para o Expresso.

Outro filme, a estrear, é sobre Eusébio, e o Nelson Marques falou com Joaquim Chissano sobre o futebolista nascido em Moçambique.

Ainda do Expresso, a entrevista da Alexandra Carita a Júlio Pomar, que pode ler aqui.

“Desculpem lá se não morri jovem e bela” é o título do podcast do Expresso A Beleza das Pequenas Coisas, do Bernardo Mendonça, que esta semana conversou com Lena d’Água, que voltou a dar que falar depois da sua participação no Festival da Canção.

Em matéria de livros, estou há dias com “As Aventuras de Augie March”, de Saul Bellow, entre mãos. Uma maravilha, pois claro.

Por hoje é tudo, tenha um grande dia