Anterior
Políticos vão ter de ouvir o protesto
Seguinte
300 mil protestaram em Lisboa e no Porto contra a precariedade
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Geração à Rasca  >   Nenhum sindicato ou partido se apoderou da manifestação

Nenhum sindicato ou partido se apoderou da manifestação

Oiça o comentário áudio de Jorge Araújo, editor do caderno Atual do Expresso, que esteve presente na manifestação. Clique para visitar o dossiê Geração à Rasca
|

Opinião


Multimédia

Musse de maracujá

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
Eles queriam, mas tiveram medo!!!
Quer o PC quer os Sindicatos, sabiam que o tiro podia sair-lhes pela culatra.
É que eles são também responsáveis pela política que temos.
O PC recusa qualquer mudança...
Os Sindicatos o que querem é ter motivos para greves...
As gerações, pós 25 de Abril, já o compreenderam.
A actual geração, à procura de emprego, sabe que os políticos são oportunistas e não irão largar o poder facilmente. Isso representava para eles, terem que trabalhar.
Para esses boys, é muito mais fácil amarrar-se ao partido, porque sabem que enquanto este esquema se mantiver, eles têm o "tacho" assegurado...
Os jovens à procura de emprego estão tramados, porque foram habituaram pelos pais, a terem tudo facilmente, e agora, como cabe a eles terem responsabilidades, não sabem o que fazer!

Re: Eles queriam, mas tiveram medo!!!
Re: Eles queriam, mas tiveram medo!!!
Re: Eles queriam, mas tiveram medo!!!
Não terem sido manipulados...
foi uma grande vitória.
Assim, sim!
As pessoas acreditam mesmo no Pai Natal..
Mas alguém acha mesmo que é possível fazer manifestações destas, em 11 locais diferentes e em simultâneo, sem uma ou várias organizações por detrás delas?
A logística destes eventos é enorme e é por isso que não pode existir lugar a atitudes espontâneas.
Como é que espontâneos conseguem entrevistas em jornais, como o Expresso, ou nas televisões (onde foram sendo divulgados os apoios sempre espontâneos claro)?
Se calhar contactos discretos com a JSD (como noticiou um jornal) ajudaram e por isso é que apareceram apoios, não de organizações partidárias, mas por exemplo da Eclesia (próxima do PSD e das misericórdias).
Que vão existir eleições é um dado adquirido.
Só é preciso cansar os eleitores do PS para que não se corra o risco de eles poderem retirar a maioria absoluta ao PSD (que é o que se passa neste momento).
Por outro lado é preciso que eles não governem e que só façam o trabalho sujo das medidas impopulares de destruição de regalias (muitas delas implementadas pelo PS) para que o país não se esqueça deles.
O problema é que, com o nível de dívida acumulada que temos nem à esquerda, nem à direita há espaço de manobra para ser diferente porque os credores não deixam.
As 365 medidas que o PSD colocou em livro, caso sejam aplicadas, vão fazer dos tipos do PS autênticos escuteiros.
E quanto a responsabilidades partidárias sobre o estado do país recomendo a leitura do livro "O estado a que o estado chegou" onde se vê que não há inocentes nesta história!
Que fazer?

O diagnóstico está feito há muito e, salvo as hipocrisias, pouca volta há a dar. Ou seja, a ‘crise’ veio para ficar por longo tempo (anos?) e durante todo esse tempo (que venha o mais pintado!) há que apertar o cinto. Certas mordomias serão, tendencialmente, eliminadas, E tudo, mas mesmo tudo do lado do trabalho, será mais difícil.
Que venha a terreiro o ruralista de Boliqueime com umas balelas avulso só para justificar o ordenado já que na reforma não se mexe, que venha o Paulinho mais o seu chapéu de manif apelar demagogicamente pelos velhinhos, que venha ainda o líder de conveniência deste PPD requentado mandar uns bitaites sem qualquer sustentação ou convicção; o resultado final é TRETA! Como treta são as atoardas bombásticas quer do líder bloquista ou do seu parceiro pêcêpista, estranhamente irmanados (Ah o que dirão os patronos Trotsky e Stalin!) na luta economicista e avessos que baste à democracia pluralista.
E o Povo Pá?
  - O nosso Povo letrado, os nossos muitos filhos da ‘crise’ ( os desempregados e os mal pagos) os potenciais afilhados dessa ‘crise’ que vai perdurar, e todos aqueles que vêem o horizonte sombrio e a quem não lhes é permitida qualquer certeza, desorientados por todo o espectro político, convergiram na net, procurando uma saída.
E foi uma entrada de leão, o que fará com que muitos sabujos sigam na mira de arrecadar alguns réditos do sucesso.
E agora, como lidar com esta inesperada quimera que saiu na rifa? Como diria o outro: ?QUE FAZER?
Re: Nenhum sindicato ou partido se apoderou da man
Muito bem| Presisamos de cidadãos que colaborem com ideias, sejam activos e que ajudem este movimento a crescer para se tornar uma alternativa credível para o país.

Exortamos toda a sociedade civil a juntarem-se a nós, porque está provado que a solução passa pela sociedade civil

Será que existe em Portugal uma sociedade com capacidades de enfrentar este desafio?
ou está tudo á espera que os actuais dirigentes partidários resolvam a situação em que nos meteram?
Talvez se tenha chegado a este estado, precisamente, pela falta de participação activa da sociedade na vida partidária. É que esta participação partidária acabava por funcionar como uma oposição dentro das proprias estruturas, não permitindo que se tivesse chegado a este estado. Mas a população preferiu assobiar para o lado, que alguem faça, que alguem se preocupe, que alguem proteste, que alguem vote, que eu não tenho tempo.

Pois chegamos aquele ponto em que temos que dizer basta, já chega.
está na hora de a população se inteirar e ajudar a resolver os problemas que nos afectam a todos.
Está na hora de participar activamente na vida politica portuguesa,
Não basta protestar, é preciso acção.

Ajuda a mudar este pais,
• Apoia esta causa:
• clique em www.peticaopublica.com/?pi=P2011N6781

• www.movimentorenovacao.blogs.sapo.pt

O que mais me preocupa não é o grito dos violentos, dos corr.uptos, dos desonestos ou dos sem ética. O que mais me preocupa é o silêncio dos bons". ...
Comentários 8 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub