0
Anterior
Portugal envia 15 GNR para o Afeganistão
Seguinte
Reunião pioneira com a Rússia está em curso
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Cimeira da NATO  >   NATO sem data para sair do Afeganistão

NATO sem data para sair do Afeganistão

Está aberta a transição no Afeganistão. Há "acordo" e "confiança" quanto ao prazo para que a NATO passe o testemunho da segurança no país aos afegãos dentro de quatro anos, mas tudo depende das condições e restam arestas por limar, como transpareceu durante a cimeira de Lisboa. Clique para visitar o dossiê Cimeira da NATO e para saber as ALTERAÇÕES DE TRÂNSITO EM LISBOA
|
Hamid Karzai, Presidente afegão, cumprimenta o secretário geral da NATO, Rasmussen perante o olhar atento do secretário geral da ONU, Ban Ki-Moon
Hamid Karzai, Presidente afegão, cumprimenta o secretário geral da NATO, Rasmussen perante o olhar atento do secretário geral da ONU, Ban Ki-Moon  / Alberto Frias

A Aliança Atlântica permanecerá no país, em todo o caso, bem para lá de 2014. "Se os talibãs ou outros grupos pensam forçar-nos a sair, esqueçam!", afirmou o secretário-geral da organização, Anders Fogh Rasmussen, minutos depois de ter assinado um pacto com o Presidente afegão Hamid Karzai, perante a comunicação social.

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ CIMEIRA DA NATO

Rasmussen, Karzai e o secretário-geral da ONU, Ban Kimoon, confirmaram muito do que se sabia antes da reunião desta manhã entre o Afeganistão, a NATO e os restantes membros da força internacional ISAF. A partir do início de 2011, será gradualmente transferida para as forças armadas e polícia afegãs a responsabilidade pela segurança nacional. "Começaremos por algumas províncias e distritos, e o processo avançará de acordo com as condições no terreno", afirmou o secretário-geral da NATO.

Condições valem mais do que prazos


"Condições" foi uma palavra repetida várias vezes ao longo da conferência de imprensa, com Ban Ki-moon a defender que o processo deve ser "guiado pela realidade e não por um calendário pré-estabelecido", o que exige "paciência". Isto porque os afegãos têm de ser capazes de garantir a segurança do seu território, invadido há nove anos pelas tropas internacionais e, antes disso, dilacerado pela ocupação soviética e a guerra civil.

Coube a Rasmussen reiterar o otimismo, lembrando que o Afeganistão já não é um "santuário da Al-Qaeda" e que as condições de vida melhoraram. A capacidade das forças de segurança daquele país tem melhorado muito, estando até "adiantada em relação ao calendário". Os atuais 260 mil efetivos deverão crescer para 300 mil ao longo do próximo ano, anunciou. "A maioria já participa nas operações da NATO", informou, para em seguida elogiar os "vários aliados" que prometeram, em Lisboa, enviar mais formadores para o Afeganistão (entre eles Portugal ).

Karzai assegurou que o prazo de 2014 foi fixado "com base no conhecimento da realidade" e é consensual entre os aliados e o povo afegão. O que não é tão consensual é a estratégia a seguir, de tal modo que o líder afegão já tem criticado a NATO. Enquanto a Aliança ataca feudos talibãs nas províncias de Helmand e Kandahar, e coloca o "abandono da violência" como condição para reintegrar antigos rebeldes na sociedade afegã, Karzai defende o diálogo com todos, elogia as conversações em curso e diz que "há que saber falar mesmo com quem combate no seu país", pois "o desejo de paz é unânime entre os afegãos".

Recusando-se a falar em discórdia ("está a pregar-me uma rasteira", queixou-se à jornalista que referiu o assunto), Karzai garantiu que os líderes da NATO compreendem as preocupações de Cabul e que, embora haja discussões, elas são "amigáveis". "Queremos contribuir para a segurança do mundo e não ser um fardo", rematou.

Solução militar não basta


Para atingir tal fim, "o compromisso da NATO é a longo prazo", disse Rasmussen, que prometeu que nunca haverá um "vazio de segurança" no Afeganistão. A Aliança só deixará de combater quando as instituições do país puderem controlar todo o território e, depois disso, estará presente para dar o apoio que lhe for pedido, desejando envolver nesse esforço o problemático vizinho Paquistão. 

Jurando ter aprendido muito com a guerra, o secretário-geral explicou que a presença da NATO no Afeganistão obedecerá à filosofia de comprehensive approcah (estratégia global) ditada pelo novo Conceito Estratégico, e que implica parcerias com organizações civis, como as Nações Unidas. Ban Ki-moon está de acordo: "A solução não pode ser apenas militar, terá de ser política".


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub