24 de abril de 2014 às 19:45
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Atualidade  ⁄  Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente  ⁄  NATO: regime de Kadhafi está por um fio

NATO: regime de Kadhafi está por um fio

Seis meses de bombardeamentos  tornaram possível o longo avanço dos rebeldes até Tripoli e à Praça Verde, centro simbólico do Governo Kadhafi. Clique para visitar o dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente
Maria Luiza Rolim (www.expresso.pt)Lusa e
Rebeldes líbios apontam arma a retrato de Muammar Kadhafi Sergei Ponomarev/AP Rebeldes líbios apontam arma a retrato de Muammar Kadhafi

Seis meses de bombardeamentos da NATO tornaram possível o longo avanço dos rebeldes até Tripoli e à Praça Verde, centro simbólico do regime de Muammar Kadhafi na capital líbia, salientam hoje vários analistas na imprensa francesa.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Revoltas no Magrebe e no Médio Oriente

Entretanto, os combates entre grupos rebeldes e forças leais a Kadhafi estendem-se por vários bairros da capital líbia. Desconhece-se onde se encontra o ditador, cujo palácio está cercado pelos insurgentes.

Num comunicado divulgado hoje, o secretário geral da NATO, Andrs Fogh Rasmussen, afirmou que "o regime de Kadhafi está claramente a desmoronar-se. Quanto mais cedo Kadhafi compreender que não pode ganhar a batalha contra os próprios líbios, melhor".

Ofensiva dos rebeldes vitória da Aliança Atlântica


A entrada dos rebeldes líbios na capital, no domingo, é uma vitória militar da Aliança Atlântica e, a outro nível, uma vitória política do Presidente da República francês, Nicolas Sarkozy, diz a imprensa francesa.

Até sábado, os aviões da NATO e aliados tinham realizado 20 mil missões que incluem cerca de 7 500 ataques contra alvos na Líbia, desde lança-granadas até às bases principais do regime líbio, segundo o diário "New York Times".

Philipe Gros, da Fundação de Investigação Estratégica, em Paris, salientou recentemente no jornal "Le Monde" que, apesar de a Grã-Bretanha e a França assegurarem o essencial do dispositivo militar da NATO na Líbia, "são apenas pesos-médios entre pesos-plumas", dependentes da logística e das munições norte-americanas.

Essa dependência foi nítida nos primeiros meses da campanha da NATO, salientou o especialista.

Peso dos EUA na operação


A primeira fase de intervenção, conhecida pelo nome de "Odyssey Dawn", foi realizada sob comando americano, após três dias iniciais de ataques aéreos da França e da Grã-Bretanha, "com uma coordenação mínima", diz Philipe Gros.

Nessa fase, foram destruídas as defesas antiaéreas líbias e impediu-se as tropas leais a Kadhafi de entrarem na segunda cidade do país, Benghazi, capital da rebelião.

A partir de 22 de março, a aliança ocidental realiza até 180 saídas ofensivas por dia. A 28 de março, num só dia, foram usados 600 bombas de precisão (455 americanas) e 199 mísseis Tomahawk.

A segunda fase, "Unified Protector", foi iniciada a 31 de março, com a passagem do comando das operações para a NATO.

Os alvos foram, a partir de então, os meios de artilharia pesada de Kadhafi, e as saídas da NATO baixaram para cerca de 60 por dia, e depois para 40, segundo Philipe Gros, que referiu dificuldades de coordenação dos comandos Sul da Aliança, em Poggio Renativo (Itália) e Izmir (Turquia). 

Além disso, os Estados Unidos colocaram os seus aviões de ataque na reserva, a partir de 04 de abril. No terreno, as forças leais a Kadhafi misturaram-se com a população em várias cidades e o avanço dos rebeldes foi estancado a leste e a oeste do país.

Começou depois, a meio de maio, uma terceira fase, com um duplo alargamento dos meios militares. Por um lado, um alargamento táctico com a utilização de meios suplementares e, por outro, um alargamento estratégico, recobrando a intensidade de bombardeamentos sobre instalações militares, incluindo os centros de comando.

Foi também a partir de final de maio que o apoio ocidental aos rebeldes do Conselho Nacional de Transição se tornou mais óbvio, com o envio de especialistas militares, de instrutores e, até, de forças especiais, que enquadraram o avanço rebelde.

Nas últimas semanas, os EUA intensificaram a campanha aérea na Líbia, recorrendo a aviões não tripulados para vigiar e até bombardear posições militares do regime, segundo o "New York Times".

"Massacre imperialista"


Entretanto, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, denunciou que o imperialismo norte-americano e os seus aliados europeus estão a perpretar "um massacre" na Líbia com o objetivo de se apropriarem das riquezas petrolíferas do país.

"Isso é o que estão a fazer na Líbia: produzir um massacre", com a desculpa de que o fazem "para salvar vidas", disse Chávez num discurso televisivo.

Como já o fez  reiteradamente noutras ocasiões, o Presidente venezuelano voltou a acusar os EUA e os seus aliados da Europa de estarem "enlouquecidos" pelos recursos naturais líbios e tentam um novo sistema de intervenção no país, desta vez servindo-se dos protestos populares.

Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Momento de verdade.
Agora que o ditador-terrorista está prestes a cair é que se vai seguir a prova de fogo para o povo líbio que tudo fez para se libertar do seu algoz e ditador. Serão capazes de instaurar uma sociedade livre e democrática e um Estado de Direito?
Veremos e esperemos que sim. Mas não vai ser fácil.
E aonde está a comunicação social em Portugal a
soldo dos EUA que não informa acerca de uma manifestação em Santiago do Chile em defesa da escola pública que reuniu mais de um milhão de pessoas?...
E essas acções da NATO são legais ao abrigo do
Direito internacional? á vêm os lacaios dos EUA a seguir dizerem que eu defendo Kadafhi...e todas as ditaduras do mundo e arredores...
Re: E essas acções da NATO são legais ao abrigo do Ver comentário
Hipócritas!!!
Quantos milhões tivram que morrer no Ruanda para se intervir? E no Darfur? E quantos morrem diáriamente por subnutrição, por não poder aceder a medicamentos controlados pelos mesmos de sempre? Khadafi é o grande culpado de todos estes males e de outros aqui não referidos, MORRA Khadafi!
O facto de todas as intervenções do Ocidente nos últimos tempos, ou melhor dos USA encapotados com a chancela "Ocidente" se ter verificado em Paíse ricos em produtos petrolíferos é óbviamente mera coincidência!
Esperemos que o resultante deste guerra não seja algo semelhante aos talibans do Afganistão!!!
Começei a pensar. A NATO a mando dos EUA e seus
aliados bombardeiam varios paises por todo o mundo. Depois os governos desses paises para se defederem cometem crimes de guerra. Lá vem o Tribunal Penal Internacional mandar prender os criminosos para serem julgados. Mas como os EUA não aderiram ao TPI ficam sempre de fora, nunca são culpados de nada. Eles dizem que só querem a democracia nos paises ricos em petroleo. Penso eu de que...eheheheh
VIVA a "LIBERDADE (?)" !
Mais um País livre..., da independência. VIVA o neo-colonialismo.
Agora sim; vamos ter "pitról" e areia mais baratos.

Uma perguntinha:
Se não fossem os bombardeamentos da NATO, onde estavam os "rebeldes" lutadores pela "liberdade(?) ?
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub