Anterior
Direção do "Público" responde ao Conselho de Redação
Seguinte
Há sete interessados na Parque Expo, mas processo é nebuloso
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Narcotráfico no México já fez 50 mil mortos

Narcotráfico no México já fez 50 mil mortos

Desde 2006, milhares de pessoas foram mortas na guerra cruzada dos cartéis da droga do México e a ofensiva do Estado contra o narcotráfico. Um números muito próximo ao de baixas que os EUA sofreram em 16 anos de guerra no Vietname. 
|
Fotografias de desaparecidos fixadas à porta da morgue em Acapulco, a segundo cidade mais violenta do México, depois de Juarez
Fotografias de desaparecidos fixadas à porta da morgue em Acapulco, a segundo cidade mais violenta do México, depois de Juarez / Getty Images

Em seis anos, mais de 50 mil pessoas (55 mil, segundo dados  não oficiais) foram assassinadas de forma cruel no México, vítimas da guerra envolvendo o narcotráfico. Até 30 de setembro do ano passado, eram já 47.515 os homicídios contabilizados, segundo dados divulgados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que apontavam para 27 mortes por dia, 819 por mês e 9830 por ano.

Os números estão contabilizados a partir de 2006, ano em que o Presidente mexicano, Felipe Calderón (PAN), declarou guerra ao narcotráfico. Desde então, os traficantes têm respondido com violência, procuram impedir as investigações, fazem ameaças e tentam calar a imprensa.

É uma guerra sem precedentes, o que levou o senador  Francisco Labastida Ochoa(PRI, um dos dois partidos da oposição) a afirmar no início deste ano, após a divulgação do balanço de vítimas da guerra contra o narcotráfico, que "quando o mandato de Felipe Calderón chegar ao fim, o país vai contar com um número de vítimas superior às baixas (58.000) que os EUA tiveram na Guerra do Vietname".

80 jornalistas assassinados


É também uma guerra contra a liberdade de imprensa,  e que tem tirado a vida de de muitos jornalistas. Desde 2000, foram mortos 80 jornalistas  mexicanos.

Nos últimos 15 dias, a sede de um jornal sofreu um atentado com tiros e explosivos, tendo cinco jornalistas sido assassinados. Por medo, alguns jornais suspenderam, por tempo indeterminado, a publicação de qualquer notícia sobre a violência no México.

As forças do Governo - Exército e Polícia - estão nas ruas mas não conseguem acabar com a  violência por parte dos cartéis, que controlam pelo menos 71% dos municípios mexicanos. No passado domingo, as autoridades de Monterrey, no Estado de Nuevo León, encontraram 49 corpos decapitados.

Além disso, o México tem inimigos dentro do próprio Governo. Na passada quarta-feira, o ex-subsecretário da Defesa Nacional, o general Tomás Dauahare,  antigo número dois das Forças Armadas Mexicanas, foi detido por suspeita de ligação ao narcotráfico. Suspeita idêntica levou também para a prisão outro general, Roberto Gonzalez, que comandava uma unidade de elite do Exército.

Por tudo isso, os partidos de oposição (PRI e PRD) afirmam que a violência que assola o México é a prova o fracasso da política de segurança implementada pelo chefe de Estado.

Em novembro do ano passado, a ONG Human Right Watch denunciou que a justiça mexicana é praticamente incapaz de investigar e prender os responsáveis, e em apenas "uma fração desses casos foram iniciadas investigações".  O ano de 2011 terminou com um morto a casa meia hora, milhares de detenções e poucas sentenças.

E é num país em guerra, praticamente controlado pelo narcotráfico e onde a imprensa está acossada, que os mexicanos vão às urnas no dia 1 de julho  para escolher o novo Presidente e parlamentares.


Opinião


Multimédia

Retrato político de um país livre

Traçámos um mapa partindo dos resultados das eleições para a Assembleia Constituinte de 1975 e dos resultados das últimas eleições legislativas em 2011. O que mudou ao longo desse tempo? Como é que cada concelho votou em 1975 e em 2011? E como evoluiu a abstenção? Clicando sobre o ano e depois sobre os concelhos, no mapa ou no filtro, surgem as respostas.

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Mexico
Cheguei ha ano e meio ao distrito federal e posso dizer que este pais e uma mina de ouro para quem venha aq fazer negocio. E nem quero maginar o que seria esta econmia livre desses criminosos. Apoio a guerra. Contra estes animais, so com o uso da forca se consegue diminuir o fenomeno. Em algumas cidades, com juarez, monterrey ou saltillo ja se ve alguma melhoria mas outras infelizmente pioraram. Os grandes responsaveis sao os governanes do pri, o ps ca do sitio que levou o pais a bancarrota nos 90s e nos estados onde governam, nao aplicam as medidas do govern central. Estao totalmente vendidos aos criminosos. O pior e que apos 12 estes senhores arriscam se a voltar ao poder... Controam os media, forjam sondagens, etc... Se tudo correr pelo melhor em 2020 ja seremos a setima economia mundial
Comentários 1 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub