Anterior
Direção do "Público" responde ao Conselho de Redação
Seguinte
Há sete interessados na Parque Expo, mas processo é nebuloso
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Narcotráfico no México já fez 50 mil mortos

Narcotráfico no México já fez 50 mil mortos

Desde 2006, milhares de pessoas foram mortas na guerra cruzada dos cartéis da droga do México e a ofensiva do Estado contra o narcotráfico. Um números muito próximo ao de baixas que os EUA sofreram em 16 anos de guerra no Vietname. 
|
Fotografias de desaparecidos fixadas à porta da morgue em Acapulco, a segundo cidade mais violenta do México, depois de Juarez
Fotografias de desaparecidos fixadas à porta da morgue em Acapulco, a segundo cidade mais violenta do México, depois de Juarez / Getty Images

Em seis anos, mais de 50 mil pessoas (55 mil, segundo dados  não oficiais) foram assassinadas de forma cruel no México, vítimas da guerra envolvendo o narcotráfico. Até 30 de setembro do ano passado, eram já 47.515 os homicídios contabilizados, segundo dados divulgados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que apontavam para 27 mortes por dia, 819 por mês e 9830 por ano.

Os números estão contabilizados a partir de 2006, ano em que o Presidente mexicano, Felipe Calderón (PAN), declarou guerra ao narcotráfico. Desde então, os traficantes têm respondido com violência, procuram impedir as investigações, fazem ameaças e tentam calar a imprensa.

É uma guerra sem precedentes, o que levou o senador  Francisco Labastida Ochoa(PRI, um dos dois partidos da oposição) a afirmar no início deste ano, após a divulgação do balanço de vítimas da guerra contra o narcotráfico, que "quando o mandato de Felipe Calderón chegar ao fim, o país vai contar com um número de vítimas superior às baixas (58.000) que os EUA tiveram na Guerra do Vietname".

80 jornalistas assassinados


É também uma guerra contra a liberdade de imprensa,  e que tem tirado a vida de de muitos jornalistas. Desde 2000, foram mortos 80 jornalistas  mexicanos.

Nos últimos 15 dias, a sede de um jornal sofreu um atentado com tiros e explosivos, tendo cinco jornalistas sido assassinados. Por medo, alguns jornais suspenderam, por tempo indeterminado, a publicação de qualquer notícia sobre a violência no México.

As forças do Governo - Exército e Polícia - estão nas ruas mas não conseguem acabar com a  violência por parte dos cartéis, que controlam pelo menos 71% dos municípios mexicanos. No passado domingo, as autoridades de Monterrey, no Estado de Nuevo León, encontraram 49 corpos decapitados.

Além disso, o México tem inimigos dentro do próprio Governo. Na passada quarta-feira, o ex-subsecretário da Defesa Nacional, o general Tomás Dauahare,  antigo número dois das Forças Armadas Mexicanas, foi detido por suspeita de ligação ao narcotráfico. Suspeita idêntica levou também para a prisão outro general, Roberto Gonzalez, que comandava uma unidade de elite do Exército.

Por tudo isso, os partidos de oposição (PRI e PRD) afirmam que a violência que assola o México é a prova o fracasso da política de segurança implementada pelo chefe de Estado.

Em novembro do ano passado, a ONG Human Right Watch denunciou que a justiça mexicana é praticamente incapaz de investigar e prender os responsáveis, e em apenas "uma fração desses casos foram iniciadas investigações".  O ano de 2011 terminou com um morto a casa meia hora, milhares de detenções e poucas sentenças.

E é num país em guerra, praticamente controlado pelo narcotráfico e onde a imprensa está acossada, que os mexicanos vão às urnas no dia 1 de julho  para escolher o novo Presidente e parlamentares.


Opinião


Multimédia

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Mexico
Cheguei ha ano e meio ao distrito federal e posso dizer que este pais e uma mina de ouro para quem venha aq fazer negocio. E nem quero maginar o que seria esta econmia livre desses criminosos. Apoio a guerra. Contra estes animais, so com o uso da forca se consegue diminuir o fenomeno. Em algumas cidades, com juarez, monterrey ou saltillo ja se ve alguma melhoria mas outras infelizmente pioraram. Os grandes responsaveis sao os governanes do pri, o ps ca do sitio que levou o pais a bancarrota nos 90s e nos estados onde governam, nao aplicam as medidas do govern central. Estao totalmente vendidos aos criminosos. O pior e que apos 12 estes senhores arriscam se a voltar ao poder... Controam os media, forjam sondagens, etc... Se tudo correr pelo melhor em 2020 ja seremos a setima economia mundial
Comentários 1 Comentar

Últimas


Pub