0
Anterior
Multibanco desgraçou os portugueses
Seguinte
Divórcio é para ricos
Página Inicial   >  Opinião  >  Luis Pedro Nunes  >   Não me açambarquem o açúcar!

Não me açambarquem o açúcar!

O pânico que se instalou demonstra os gulosos em que nos transformámos.
|
Luis Pedro Nunes - Não me açambarquem o açúcar!

Ia faltar o açúcar em Portugal! As redações mobilizaram os seus correspondentes que cobrem as ondas de calor, os incêndios, as vagas de frio, a queda de neve anual na serra e estes foram enviados com urgência para as prateleiras dos hipers. A situação ainda não era grave - relataram nessa noite nos diretos -, mas tendia para a rutura iminente. Arrepiante isso do açúcar faltar no Natal. É uma visão dickensiana - algo entre a menina dos fósforos e as histórias que se contavam nos anos 80 sobre a URSS. É um prenúncio do que nos espera em 2011, sem um rebuçadinho para adoçar a boca e com frieiras nas mãos?

Nessa noite os telejornais abriram com a miserabilista crise do açúcar: os stocks estavam "quase mas mesmo quase em rutura... iminente". No dia seguinte, por todo o país deu-se uma energizada corrida ao açúcar. E não é que houve efetivamente um rutura nos stocks? O ministro da Agricultura veio à TV apelar contra o "açambarcamento" e mais uma vez ficámos a saber da malvadez da Europa, que depois de nos ensinar a plantar beterraba nos anos 90 agora já não deixa lavrar a terra e assim não podemos ser auto-suficientes em termos de açucareiros. Nem o açúcar - algo que juntamente com o comércio de escravos levámos com sucesso para o Brasil.

Durante uns dias a crise do açúcar bateu-se com valentia nos alinhamentos noticiosos para ser a abertura dramática. E não estamos em época baixa de notícias: o país está à beirinha da bancarrota e o mundo vive cataclismos geopolíticos diários com o WikiLeaks e até tivemos um furacão daqueles que dão soundbytes de populares "um ministro da Administração Interna a declarar um oficioso 'o Diabo andou literalmente à solta por aqui'", porque sabe que o Mafarrico é melhor a acertar faturas que o Estado.

Recordo-me vagamente de nos anos 80 ter faltado o tabaco em Portugal. Andava tudo a catar beatas e a fumar mata-ratos. E, curiosamente, teve algumas reações similares de açambarcamento, de stresse e de sintomas de abstinência por antecipação. Mas é que não se viu tanta loucura e ansiedade desde que em 1997 a polícia fechou o Casal Ventoso durante 48 horas deixando Lisboa sem drogas lúdicas para o réveillon.

Ninguém se lembrou que Portugal é um país com um milhão de diabéticos e que hoje o açúcar refinado - o branquinho do bom - é considerado um verdadeiro veneno. E, para mais, há cerca de 40% de casos não diagnosticados, o que faz com que quando chegam ao tratamento tragam já problemas graves associados à doença. E em 2025 espera-se que sejam 2 milhões de diabéticos para uma população de menos de 10 milhões de tugas. E os hábitos alimentares degradaram-se de forma absurda. Hoje, 30% das crianças são obesas, o que faz de nós um dos campeões europeus nesta matéria. O açúcar está dissimulado, vem escondido em mil produtos, dos cereais aos refrigerantes e apascentados num estilo de vida de PlayStation e X-Box, o que é excelente para açambarcar gordura e badochice. Tem um efeito nutricional vazio, é demolidor para a saúde oral, deprime o sistema imunitário, aumenta o risco de doença cardíaca, pode causar hipoglicemia, faz disparar a adrenalina nas crianças, aumenta o 'mau' colesterol, enfim, afeta negativamente o organismo em muitas outras maneiras. Os portugueses ingerem mais de 35 quilos por ano. Isto não é uma cacha jornalística: o açúcar refinado não está bem considerado na alta roda dos alimentos, enfim no jet set internacional da comida. Por cá é legal, estamos agarrados e a semana passada tivemos a prova disso.

Mas é Natal e felizmente o açúcar não vai faltar na mesa dos portugueses, senão havia um levantamento popular e as ruas haviam de ficar como aquela série nova da Fox com mortos-vivos a deambular à procura de um pacotinho de 10 gramas ou de umas hermesetas, só para matar o vício.

Na memória fica o velhote que há dias declarava satisfeito à repórter ter comprado dez quilinhos. Grande maluco. Hoje à noite deve estar a oferecer aos netinhos um pacote de quilo a cada. O resto fica para herança.

Dissimulado

A Deco, através da Proteste , lança regularmente alertas para o mundo açucarado em que vivemos, do pão de forma ao ketchup: não precisamos de ir às prateleiras abastecer-nos. Uma mera lata de refrigerante pode mais açúcar que uma tablete de chocolate ou uma fatia de marmelada ou ser o equivalente a cinco pacotes de açúcar para café.

Texto publicado na revista Única de 23 de dezembro de 2010

 

Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub