Anterior
Canadiano sem pernas escala o Kilimanjaro
Seguinte
Já há novos juízes para o Tribunal Constitucional
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "Não compete à ERC fazer acareações" no caso Relvas/"Público"

"Não compete à ERC fazer acareações" no caso Relvas/"Público"

Carlos Magno diz que não compete à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) confrontar testemunhas para apuramento da verdade. 
Lusa |
Carlos Magno durante a audição a Miguel Relvas
Carlos Magno durante a audição a Miguel Relvas / Mário Cruz/Lusa

O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) considera que "não compete" ao regulador "fazer acareações", defendidas pelo Sindicato dos Jornalistas no caso que opõe o ministro Miguel Relvas ao jornal "Público".

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) defendeu na quinta-feira uma acareação entre o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, e a editora de Política do "Público", Leonete Botelho, no caso das alegadas pressões sobre o diário e a jornalista Maria José Oliveira.

Em resposta, o presidente do Conselho Regulador da ERC, Carlos Magno, afirmou à agência Lusa que "não compete" à Entidade Reguladora para a Comunicação Social "fazer acareações".

A acareação é, em termos jurídicos, a confrontação de testemunhas para apuramento da verdade quando as declarações sobre determinado facto se contradizem.

Sindicato diz que meios da ERC não estão esgotados


Para o presidente do SJ, Alfredo Maia, "a ERC não esgotou os meios de prova à sua disposição, nomeadamente a acareação, para ultrapassar aquilo que considera ser uma 'contradição insanável' nos testemunhos" de Miguel Relvas e Leonete Botelho.

O sindicato anunciou igualmente na quinta-feira que vai requerer a reapreciação do caso Relvas/Público, em "duas matérias fundamentais": se houve ou não a ameaça do ministro de um boicote geral do Governo ao "Público", discriminando-o, e se houve ou não a ameaça de divulgar na Internet dados da vida privada da jornalista Maria José Oliveira.

Sobre este ponto, Carlos Magno disse à Lusa que aguarda o envio da carta do Sindicato dos Jornalistas para a ERC, para que os cinco membros do Conselho Regulador possam pronunciar-se sobre "a pretensão do sindicato".

Na quarta-feira, em deliberação aprovada por maioria, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social ilibou Miguel Relvas de "pressões ilícitas" sobre o "Público" e a jornalista Maria José Oliveira.

"Pressões ilícitas" não comprovadas


O Conselho Regulador considerou que "não se comprovaram as denúncias de que o ministro tenha ameaçado promover um blackout informativo de todo o Governo em relação ao jornal e divulgar na Internet um dado da vida privada" de Maria José Oliveira.

A ERC assinalou, no entanto, o "tom exaltado" de Relvas nos contactos telefónicos efetuados, nomeadamente para a editora de Política, e a ameaça de deixar de falar com o "Público", comportamento que "poderá ser objeto de um juízo negativo no plano ético e institucional", ainda que à ERC não lhe compete "pronunciar-se sobre esse juízo".

Acerca das declarações da diretora do "Público", Bárbara Reis, que, na quarta-feira, considerou que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social "revelou a sua inutilidade" com o seu parecer, Carlos Magno disse que "a todas as pessoas que foram depor na ERC foi lida uma declaração inicial sobre o objeto concreto da investigação: se havia ou não pressões ilícitas" do ministro sobre o "Público" e a jornalista Maria José Oliveira.

Jornalista demitiu-se


As "pressões", reiteradas pela direção do jornal e refutadas por Miguel Relvas, foram reveladas em maio pelo Conselho de Redação do "Público".

No início de junho, Maria José Oliveira anunciou a sua demissão do Público, alegando perda de confiança na direção do jornal.

A jornalista pretendia demonstrar num artigo, que acabou por não ser publicado, "as incongruências" das declarações do ministro no Parlamento sobre o "caso das Secretas".

A direção do "Público" considerou que não havia matéria relevante que justificasse a publicação da notícia, nem que constituía prática do jornal divulgar publicamente ameaças, ao contrário do que defendia o Conselho de Redação.


Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 30 Comentar
ordenar por:
mais votados
Relvas está ilibado 100%
O Ministro foi ao Parlamento explicar tudo o que havia a explicar.Agora o Bloco de Louçã e o Jerónimo do PCP querem o que^?
Até a ex Jornalista do Público mostrou estar conivente com história, no sentido de prejudicar Miguel Relvas de forma desonesta,utilizando o Jornal para interesses escondidos!
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Ainda acredita no Relvas ??????????????
Mentir era com Sócrates!
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Relvas está ilibado 100%
Acareações
As acareações como meio de obtenção de prova, nunca resultaram, todavia, estas só se justificam quando não há prova, quando é a palavra de um contra outro e, no caso, parece que era a palavra de alguns, contra a do Sr. Relvas. Sendo assim, uma eventual acareação, só teria razão de ser, caso a palavra de ministro em Portugal, valha pela de determinado número de cidadãos.
Re: Acareações
Sr Carlos Magno
Para que serve a ERC?
Re: Sr Carlos Magno
Re: Sr Carlos Magno
Para quando a restauração de um Estado de Direito
e de uma verdadeira Democracia?.............
o presidente da ERC está a mentir e sabe-o
A ERC, enquanto entidade administrativa independente com competência de regulação e supervisão no âmbito das suas atribuições, pode recorrer a todos os meios de prova admitidos em direito.
Já não falta nada...
... para estarmos no Estado Novo... a "Bem da Nação"!
À ERC não compete...
... fazer acariações nem qualquer outra coisa. Existe para quê? Só para ser "limpa nódoas" do primeiro ministro sombra?
POIS NÃO.
À ERC COMPETE FAZER GRANDES ALMOÇARADAS DE MARISCO QUE A NAÇÃO PAGA.
A ERC PODIA TAMBEM ALTERAR O NOME PARA 3 A 2, QUALQUER DECISÃO O RESULTADO É 3 A 2.
TENHAM VERGONHA E ACABEM COM ESTES TAÇOS, PORQUE NESTE MOMENTO EM PARTICVULAR O POVO PASSA MUITO MAL, PARA SUSTENTAR ESTES BOYS.
MAIS UMA SITUAÇÃO QUE AGONIA E É MUITO REVOLTANTE.
Este serventuario,
só lhe compete (ERC) julgar a legalidade ou ilegalidade do que fez o seu ministro. Faz de julgador.

Afinal reconhece, mas é-lhe indiferente que o ministro tenha feito pressões e tentado a livre expressão da jornalista e a liberdade editorial do jornal. A verdadeira questão é de etica e aí ficou-se

www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2623822&seccao=Fernanda C%E2ncio&tag=Opini%E3o - Em Foco
Nada.
A erc não faz um corno. Nada a obriga.

Nada, a não ser mamar bons ordenados, boas pensões, ajudas de custo e outras mordomias que tais.

Continuem, aqueles que ganham o ordenado mínimo e os que viram os subsídios cortados agradecem a demonstração de inutilidade paga com o suor de todos.
Reguladores
A ERC, tal como as outras entidades reguladoras que por aí proliferam, serve como correia de transmissão dos interesses do poder político e económico. Seja ele qual for. São entidades criadas para justificar o injustificável à custa da credibilidade de boa parte do Zé Povinho. De resto, são inúteis e custam caro. Não é assim sr. Magno?
Isto é uma NÂO NOTÍCIA
Eu não gosto do Ministro Relvas, aliás, penso mesmo que ele é um flop, ou seja, não é só da forma mas também do contéudo (oco).
No caso Jornal Público, ao que sei ele nunca falou com a jornalista, recebeu um e-mail que considerou errado (!?!?) e telefonou para uma superior e ... falou alto (falta de argumentos por vezes provocam isso) e disse que não falava mais para o jornal se a notícia saisse (tem esse direito enquanto pessoa, como governante tenho muitas dúvidas, aliás acho uma bacorada completa, mas ...).
Mais tarde tornou a telefonar e a pedir desculpa pelo tom alto (só lhe ficou bem) e terá referido que a jornalista estava a viver com alguém filiado noutro partido (ainda não percebi esta parte, agora temos que declarar tudo!?!?!?).
Isto já todos percebemos, o que me posso interrogar é se a jornalista não terá excedido as suas atribuições e o próprio jornal tenha mostrado algum desagrado, levando-a a pedir a demissão.
Resumindo, parece-me que se está a perder tempo e dinheiro a mais com esta NÂO QUESTÃO, o Sr Ministro deve ter mais juízo, deixar de ser malcriado e arrogante, só lhe fica bem e nós agradecemos o fim do(s) circo(s).
Afinal para que serve?
A ERC, claro.
Palhaçadas
Os partidos da oposição querem é palhaçadas. Até parece que não há coisas importantes para serem discutidas na AR.
O ministro Relvas pressioniou a jornalista. Qual o problema?
Os jornalistas não pressionam? Todos nós, na nossa vida diária, não somos pressionados a todo o momento?
Sejamos realistas: A liberdade de imprensa não foi nem está posta em causa. Tudo não passa de fait divers.
Re: Palhaçadas
Envie o seu curriculum para a ERC...
Estamos em presença de um Governo...
... que em vez de eliminar as gorduras do Estado alimenta-as e a ERC é um bom exemplo disso!!!
Comentários 30 Comentar

Últimas


Pub