Anterior
Canadiano sem pernas escala o Kilimanjaro
Seguinte
Já há novos juízes para o Tribunal Constitucional
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "Não compete à ERC fazer acareações" no caso Relvas/"Público"

"Não compete à ERC fazer acareações" no caso Relvas/"Público"

Carlos Magno diz que não compete à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) confrontar testemunhas para apuramento da verdade. 
Lusa |
Carlos Magno durante a audição a Miguel Relvas
Carlos Magno durante a audição a Miguel Relvas / Mário Cruz/Lusa

O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) considera que "não compete" ao regulador "fazer acareações", defendidas pelo Sindicato dos Jornalistas no caso que opõe o ministro Miguel Relvas ao jornal "Público".

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) defendeu na quinta-feira uma acareação entre o ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, e a editora de Política do "Público", Leonete Botelho, no caso das alegadas pressões sobre o diário e a jornalista Maria José Oliveira.

Em resposta, o presidente do Conselho Regulador da ERC, Carlos Magno, afirmou à agência Lusa que "não compete" à Entidade Reguladora para a Comunicação Social "fazer acareações".

A acareação é, em termos jurídicos, a confrontação de testemunhas para apuramento da verdade quando as declarações sobre determinado facto se contradizem.

Sindicato diz que meios da ERC não estão esgotados


Para o presidente do SJ, Alfredo Maia, "a ERC não esgotou os meios de prova à sua disposição, nomeadamente a acareação, para ultrapassar aquilo que considera ser uma 'contradição insanável' nos testemunhos" de Miguel Relvas e Leonete Botelho.

O sindicato anunciou igualmente na quinta-feira que vai requerer a reapreciação do caso Relvas/Público, em "duas matérias fundamentais": se houve ou não a ameaça do ministro de um boicote geral do Governo ao "Público", discriminando-o, e se houve ou não a ameaça de divulgar na Internet dados da vida privada da jornalista Maria José Oliveira.

Sobre este ponto, Carlos Magno disse à Lusa que aguarda o envio da carta do Sindicato dos Jornalistas para a ERC, para que os cinco membros do Conselho Regulador possam pronunciar-se sobre "a pretensão do sindicato".

Na quarta-feira, em deliberação aprovada por maioria, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social ilibou Miguel Relvas de "pressões ilícitas" sobre o "Público" e a jornalista Maria José Oliveira.

"Pressões ilícitas" não comprovadas


O Conselho Regulador considerou que "não se comprovaram as denúncias de que o ministro tenha ameaçado promover um blackout informativo de todo o Governo em relação ao jornal e divulgar na Internet um dado da vida privada" de Maria José Oliveira.

A ERC assinalou, no entanto, o "tom exaltado" de Relvas nos contactos telefónicos efetuados, nomeadamente para a editora de Política, e a ameaça de deixar de falar com o "Público", comportamento que "poderá ser objeto de um juízo negativo no plano ético e institucional", ainda que à ERC não lhe compete "pronunciar-se sobre esse juízo".

Acerca das declarações da diretora do "Público", Bárbara Reis, que, na quarta-feira, considerou que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social "revelou a sua inutilidade" com o seu parecer, Carlos Magno disse que "a todas as pessoas que foram depor na ERC foi lida uma declaração inicial sobre o objeto concreto da investigação: se havia ou não pressões ilícitas" do ministro sobre o "Público" e a jornalista Maria José Oliveira.

Jornalista demitiu-se


As "pressões", reiteradas pela direção do jornal e refutadas por Miguel Relvas, foram reveladas em maio pelo Conselho de Redação do "Público".

No início de junho, Maria José Oliveira anunciou a sua demissão do Público, alegando perda de confiança na direção do jornal.

A jornalista pretendia demonstrar num artigo, que acabou por não ser publicado, "as incongruências" das declarações do ministro no Parlamento sobre o "caso das Secretas".

A direção do "Público" considerou que não havia matéria relevante que justificasse a publicação da notícia, nem que constituía prática do jornal divulgar publicamente ameaças, ao contrário do que defendia o Conselho de Redação.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 30 Comentar
ordenar por:
mais votados
Relvas está ilibado 100%
O Ministro foi ao Parlamento explicar tudo o que havia a explicar.Agora o Bloco de Louçã e o Jerónimo do PCP querem o que^?
Até a ex Jornalista do Público mostrou estar conivente com história, no sentido de prejudicar Miguel Relvas de forma desonesta,utilizando o Jornal para interesses escondidos!
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Ainda acredita no Relvas ??????????????
Mentir era com Sócrates!
Re: Relvas está ilibado 100%
Re: Relvas está ilibado 100%
Acareações
As acareações como meio de obtenção de prova, nunca resultaram, todavia, estas só se justificam quando não há prova, quando é a palavra de um contra outro e, no caso, parece que era a palavra de alguns, contra a do Sr. Relvas. Sendo assim, uma eventual acareação, só teria razão de ser, caso a palavra de ministro em Portugal, valha pela de determinado número de cidadãos.
Re: Acareações
Sr Carlos Magno
Para que serve a ERC?
Re: Sr Carlos Magno
Re: Sr Carlos Magno
Para quando a restauração de um Estado de Direito
e de uma verdadeira Democracia?.............
o presidente da ERC está a mentir e sabe-o
A ERC, enquanto entidade administrativa independente com competência de regulação e supervisão no âmbito das suas atribuições, pode recorrer a todos os meios de prova admitidos em direito.
Já não falta nada...
... para estarmos no Estado Novo... a "Bem da Nação"!
À ERC não compete...
... fazer acariações nem qualquer outra coisa. Existe para quê? Só para ser "limpa nódoas" do primeiro ministro sombra?
POIS NÃO.
À ERC COMPETE FAZER GRANDES ALMOÇARADAS DE MARISCO QUE A NAÇÃO PAGA.
A ERC PODIA TAMBEM ALTERAR O NOME PARA 3 A 2, QUALQUER DECISÃO O RESULTADO É 3 A 2.
TENHAM VERGONHA E ACABEM COM ESTES TAÇOS, PORQUE NESTE MOMENTO EM PARTICVULAR O POVO PASSA MUITO MAL, PARA SUSTENTAR ESTES BOYS.
MAIS UMA SITUAÇÃO QUE AGONIA E É MUITO REVOLTANTE.
Este serventuario,
só lhe compete (ERC) julgar a legalidade ou ilegalidade do que fez o seu ministro. Faz de julgador.

Afinal reconhece, mas é-lhe indiferente que o ministro tenha feito pressões e tentado a livre expressão da jornalista e a liberdade editorial do jornal. A verdadeira questão é de etica e aí ficou-se

www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2623822&seccao=Fernanda C%E2ncio&tag=Opini%E3o - Em Foco
Nada.
A erc não faz um corno. Nada a obriga.

Nada, a não ser mamar bons ordenados, boas pensões, ajudas de custo e outras mordomias que tais.

Continuem, aqueles que ganham o ordenado mínimo e os que viram os subsídios cortados agradecem a demonstração de inutilidade paga com o suor de todos.
Reguladores
A ERC, tal como as outras entidades reguladoras que por aí proliferam, serve como correia de transmissão dos interesses do poder político e económico. Seja ele qual for. São entidades criadas para justificar o injustificável à custa da credibilidade de boa parte do Zé Povinho. De resto, são inúteis e custam caro. Não é assim sr. Magno?
Isto é uma NÂO NOTÍCIA
Eu não gosto do Ministro Relvas, aliás, penso mesmo que ele é um flop, ou seja, não é só da forma mas também do contéudo (oco).
No caso Jornal Público, ao que sei ele nunca falou com a jornalista, recebeu um e-mail que considerou errado (!?!?) e telefonou para uma superior e ... falou alto (falta de argumentos por vezes provocam isso) e disse que não falava mais para o jornal se a notícia saisse (tem esse direito enquanto pessoa, como governante tenho muitas dúvidas, aliás acho uma bacorada completa, mas ...).
Mais tarde tornou a telefonar e a pedir desculpa pelo tom alto (só lhe ficou bem) e terá referido que a jornalista estava a viver com alguém filiado noutro partido (ainda não percebi esta parte, agora temos que declarar tudo!?!?!?).
Isto já todos percebemos, o que me posso interrogar é se a jornalista não terá excedido as suas atribuições e o próprio jornal tenha mostrado algum desagrado, levando-a a pedir a demissão.
Resumindo, parece-me que se está a perder tempo e dinheiro a mais com esta NÂO QUESTÃO, o Sr Ministro deve ter mais juízo, deixar de ser malcriado e arrogante, só lhe fica bem e nós agradecemos o fim do(s) circo(s).
Afinal para que serve?
A ERC, claro.
Palhaçadas
Os partidos da oposição querem é palhaçadas. Até parece que não há coisas importantes para serem discutidas na AR.
O ministro Relvas pressioniou a jornalista. Qual o problema?
Os jornalistas não pressionam? Todos nós, na nossa vida diária, não somos pressionados a todo o momento?
Sejamos realistas: A liberdade de imprensa não foi nem está posta em causa. Tudo não passa de fait divers.
Re: Palhaçadas
Envie o seu curriculum para a ERC...
Estamos em presença de um Governo...
... que em vez de eliminar as gorduras do Estado alimenta-as e a ERC é um bom exemplo disso!!!
Comentários 30 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub