Anterior
Saint-Gobain Portugal vai reduzir 50 trabalhadores
Seguinte
Governo apresenta 'pequeno choque fiscal'
Página Inicial   >  Economia  >   "Não admito que minhas afirmações sejam distorcidas", diz presidente da AdC

"Não admito que minhas afirmações sejam distorcidas", diz presidente da AdC

Manuel Sebastião disse que as suas afirmações acerca dos combustíveis foram "distorcidas e aproveitadas para confundir o mercado e os consumidores em benefício de interesses próprios".
Lusa |
Manuel Salgado garante que as suas afirmações foram distorcidas
Manuel Salgado garante que as suas afirmações foram distorcidas / Nuno Botelho
O presidente da Autoridade da Concorrência, Manuel Sebastião afirmou hoje à Lusa não admitir que as suas "afirmações sejam distorcidas e aproveitadas para confundir o mercado e os consumidores em benefício de interesses próprios" na sequência de um comunicado da ANAREC.
 
A Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC) disse hoje em comunicado que as recentes afirmações de Manuel Sebastião à imprensa dão "razão às suas críticas" quanto à qualidade dos combustíveis à venda nas grandes superfícies.  
 
"Não admito que as minhas afirmações, enquanto presidente da Autoridade da Concorrência, sejam distorcidas e aproveitadas para confundir o mercado e os consumidores em benefício de interesses próprios", disse Manuel Sebastião, reiterando que os combustíveis em causa "cumprem todos os requisitos técnicos".

Queixa-crime contra ANAREC


 
Em Abril, o presidente da ANAREC, Virgílio Constantino, tinha afirmado em declarações à agência Lusa que os combustíveis à venda nos hipermercados estão "tecnologicamente ultrapassados há décadas e desfasados das exigências tecnológicas dos motores fabricados hoje". Em reacção, a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição apresentou uma queixa-crime contra o presidente da ANAREC.  
 
No comunicado de hoje, a ANAREC "congratula-se por esta entidade [AdC] vir a terreno dar razão às suas críticas", referindo-se a declarações de Manuel Sebastião na passada semana que, segundo a associação de revendedores, disse que os postos de abastecimento dos hipermercados praticam preços em média 10 cêntimos mais baratos, pelo facto de venderem produtos mais simples.
 
A AdC diz, em comunicado, que nunca fez afirmações "nem qualquer apreciação valorativa" sobre os combustíveis à venda em postos de abastecimento, grandes superfícies comerciais ou quaisquer outros. 
 
"O presidente da AdC repudia quaisquer aproveitamentos que possam ser feitos das suas afirmações, com intenções pouco claras, acima das quais a AdC se coloca, e que apenas contribuem para confundir o mercado e os consumidores", acrescenta o comunicado do regulador. 
 
Em declarações à agência Lusa, Manuel Sebastião afirmou que "a AdC tem por missão assegurar a aplicação das regras de concorrência em Portugal (...) dentro da mais completa independência e equidistância em relação aos interesses particulares dos agentes do mercado".

Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub