14
Anterior
Instituições de solidariedade social alvo da ASAE
Seguinte
Tempo instável no fim-de-semana
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Museu do pénis já está aberto ao público

Na Islândia

Museu do pénis já está aberto ao público

Entre Maio e Setembro o Museu Falológico da Islândia abre as portas para revelar ao mundo todos os pormenores do órgão sexual masculino. A colecção tem mais de 250 exemplares, de 90 espécies animais.
|
Só no verão passado o museu recebeu mais de seis mil visitantes

Uma casa islandesa que mais parece saída de um conto infantil guarda lá dentro uma exposição pouco apropriada para crianças: uma vasta colecção de pénis das mais variadas espécies animais. A colecção do Museu Falológico Islandês, que começou a ser formada em 1974 por Sigdurdur Hjartson, já conta 261 órgãos preservados, oriundos de 90 espécies animais diferentes.

A grande falha é mesmo o pénis humano, que dentro de algum tempo poderá ser colmatada: quatro homens já prometeram doar os seus órgãos genitais quando morrerem. Prova do êxito deste museu, é diversidade de nacionalidades destes doadores humanos, dos quais constam um alemão, um norte-americano, um inglês e um islandês. Quanto ao número de visitas, só no verão passado mais de seis mil curiosos deram entrada no museu. O dono garante que 60 por cento eram mulheres.

Aberta entre Maio e Setembro, a exposição de pénis mostra ao mundo todos os pormenores do órgão sexual masculino. Há de todos os tamanhos e feitios: o maior, de uma baleia cachalote, pesa 70 quilos e possui 1,7 metros de comprimento. O mais pequeno, com apenas dois milímetros, precisa de uma lente para ser visto. Conservados dentro de frascos de vidro ou embalsamados e pendurados na parede, os exemplares são na sua maioria doados por pescadores, caçadores e biólogos.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
Autorizacao para doar
Sera que pediram autorizacao aos animais antes de eles morrerem para os seus orgaos genitais serem doados?

Tenham cuidado que os de sociedade protectora dos animais ainda invadem o museu e reclamam os penis de volta aos seus 'donos'...
Donas de Casa Desesperadas
A exposição terá, segundo creio, tanto sucesso que não tardará a haver um pénis de cada nacionalidade exposto. A concretizar-se esta minha suposição as senhoras de todo o mundo poderão, finalmente, em consciência, decidir que nacionalidade mais lhes convém, sem terem que dar a volta ao mundo.
É impresão minha ou estás aí aos saltos?
Re: Donas de Casa Desesperadas
Oportunidade
Considerando uma utilização bastante reduzida acho que vou mandar o meu para lá...
Vamos tirar a limpo a história do burro e do leão
Tu já escolheste o teu..é do Cachalote 1,70m heheh
1,70? Por isso também não mexes o pescoço...
Re: Vamos tirar a limpo a história do burro e do l
O pénis do lado esquerdo faz-me lembrar
grande parte do povo português...nomeadamente os jovens.eheheh...
Já asseguraram a aquisição do pénis do 1º ministro
será exposto no museu com uma lupa ao lado...
E Portugal vai investir na cultura?
Para quando o Museu da Xaxa na praça do comércio? Um país tem que apostar na educação e na cultura ( isto é cultura parvo).
ACEITAM-SE MESSAS....
EU PHALO TU PHALAS...
Simplificando
Será que na Islandia quando nos chateamos basta dizer "vai para o museu !"
Para as miúdas portuguesas
Em Braga, aquela caloira de 18 anos foi violada na queima das fitas...
Miúdas, tenho 25 anos e já sou doutor. As estudantes da universidade do Minho faziam estas três coisas: juntavam-se, amarravam o rapaz e com uma faca da cozinha afiada amputavam o orgão sexual do rapaz. Miúdas, capem esses ordinários todos!
Re: Para as miúdas portuguesas
Comentários 14 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub