Siga-nos

Perfil

Expresso

Vídeo

Presidente da TAP acusa Rui Moreira de aproveitamento político

  • 333

O presidente da TAP acusou o presidente da Câmara do Porto de ter mudado de opinião quanto à supressão das quatro ligações aéreas a partir do aeroporto Sá Carneiro apenas "por razões políticas", noticia hoje o Jornal de Notícias.

"Rui Moreira disse que a ponte aérea era ótima notícia", revela hoje a manchete do Jornal de Notícias, com Fernando Pinto a adiantar que o autarca Rui Moreira está a aproveitar-se da companhia aérea para tirar proveitos políticos.

Na entrevista ao JN, Fernando Pinto revela não compreender "a guerra" que o autarca do Porto está a fazer contra a TAP, principalmente com a publicação do livro "TAP -- Caixa Negra", da sua autoria, além de que segundo afirma, quando lhe apresentou o plano estratégico da empresa para o Porto este terá dito que era uma ótima notícia.

"Respeito muito o doutor Rui Moreira, mas dizer que faria tudo para prejudicar a TAP (...) não acredito que seja sincero e acho que ele não tem ideia do quão importante a empresa é para todos nós e para Portugal", sublinhou Fernando Pinto ao diário.

O presidente executivo da TAP revela ainda na entrevista que reuniu com Rui Moreira para lhe apresentar o plano de supressão de quatro rotas para a Europa a partir do aeroporto Porto e a criação de uma ponte aérea entre a cidade portuense e Lisboa, assegurando que o autarca reagiu de forma positiva.

Fernando Pinto adianta ter ficado surpreendido com a reação de Rui Moreira, por saber tratar-se de um plano que poderia ser criticado, mas ao contrário do esperado revela que o autarca "não deu grande importância".

"Esses voos já são servidos pelas 'low-cost', não há grande problema, ainda em que vão manter o longo curso e a ponte aérea é uma ótima noticia porque os empresários podem vir de qualquer lugar da Europa em voos constantes", terá dito Rui Moreira na ocasião a Fernando Pinto, de acordo com o relato deste ao Jornal de Notícias.

Segundo o presidente executivo da TAP, a "guerra" terá começado depois daquela reunião, sucedendo-se os ataques.

Fernando Pinto revela ter ficado "muito preocupado", afiançando ter trabalhado muito para evitar um conflito, mas adianta que a TAP "pela visibilidade que tem, é muito usada como arma de arremesso político".