Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Fotogalerias

K é o maior supercomputador do mundo

  • 333

O supercomputador K entrou em funcionamento em novembro de 2011 no Japão, na cidade de Kobe, e é hoje o mais rápido do mundo.

João Ramos (www.expresso.pt)

Está instalado num edifício construído para o efeito, perto de Kobe (Japão) . Cumpre as melhores práticas ambientais para permitir a dissipação do calor gerado pela computação
1 / 5

Está instalado num edifício construído para o efeito, perto de Kobe (Japão) . Cumpre as melhores práticas ambientais para permitir a dissipação do calor gerado pela computação

O K está em cima de uma estrutura especialmente preparada para resistir aos terramotos mais violentos, sem interromper o funcionamento
2 / 5

O K está em cima de uma estrutura especialmente preparada para resistir aos terramotos mais violentos, sem interromper o funcionamento

Ocupa uma área de quase 2000 metros quadrados onde estão alinhados 864 armários (racks) onde ‘residem’ os 88.128 processadores
3 / 5

Ocupa uma área de quase 2000 metros quadrados onde estão alinhados 864 armários (racks) onde ‘residem’ os 88.128 processadores

Para assegurar o funcionamento dos processadores do K, os engenheiros instalaram no piso inferior um sistema sofisticado de arrefecimento a água e a ar
4 / 5

Para assegurar o funcionamento dos processadores do K, os engenheiros instalaram no piso inferior um sistema sofisticado de arrefecimento a água e a ar

O K tem 864 armários (racks) onde estão os processadores SPARC. Comunicam entre si e com as memórias e os sistemas de armazenamento de informação através de fibra ótica
5 / 5

O K tem 864 armários (racks) onde estão os processadores SPARC. Comunicam entre si e com as memórias e os sistemas de armazenamento de informação através de fibra ótica

Se o supercomputador K estivesse a funcionar em 11 de m arçode 2011, quando aconteceu o terramoto e o tsunami na região de Fukushima, no norte do Japão, muitas das vítimas desta tragédia teriam sido salvas. O K também pode ser muito útil a solucionar problemas científicos insolúveis até agora ou que levariam muito tempo a resolver em áreas como as ciências da vida, síntese de novos materiais ou astrofísica.