Anterior
Hugo Chávez fala por telefone com TV venezuelana
Seguinte
Ministério Público vai recorrer no caso Portucale
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Morte de jovem na maratona de Londres gera onda de solidariedade

Morte de jovem na maratona de Londres gera onda de solidariedade

Claire Squires morreu antes da meta, correndo para arrecadar fundos para uma instituição.  

|
Reprodução da foto de perfil do Facebook da jovem

A morte de uma jovem britânica na maratona de Londres, no passado domingo, está a gerar uma enorme onda de solidariedade a favor da instituição para a qual Claire Squires estava a correr.  

De acordo com o "MailOnline", Claire Squires, 30 anos, estava quase a chegar à meta da corrida, próximo do St. James Park, em Londres, quando desmaiou e teve morte súbita. Os médicos no local ainda tentaram salvar-lhe a vida, sem sucesso.  

Cabeleireira de profissão, Claire participava na Maratona para angariar dinheiro para uma instituição de solidariedade social - Os Samaritanos , que visa ajudar pessoas depressivas e com tendências suicidas, onde a mãe já era voluntária há duas décadas.

Além disso, a prova também servia de homenagem ao irmão da jovem, que morreu de overdose, aos 25 anos, depois de a namorada ter falecido num acidente de viação.

Instituição lamenta morte trágica


O acontecimento trágico desencadeou uma enorme campanha de solidariedade na Internet a favor da instituição. Os donativos não param de subir, fixando-se atualmente nos 257 mil euros (210 mil libras).

A instituição já lamentou a morte da jovem e agradeceu os crescentes donativos das pesoas.

"Estamos devastados pela morte trágica de Claire Squires, a atleta que correu por nós na maratona de Londres, no domingo. Estamos também profundamente tocados pelo enormes apoios que temos recebido", pode ler-se no site da instituição.  

O resultado da autópsia deve ser conhecido nos próximos dias.  


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
Esperemos que o dinheiro chegue a quem precisa
E que não haja nenhum "atleta" a fugir com ele para uma meta longínqua.

Era o risco cá em Portugal...
Re: Esperemos que o dinheiro chegue a quem precisa
Re: Morte de jovem na maratona de Londres gera ond
O desporto pode, e tem matado, as pessoas é que pensam que só dá saúde!
Comentários 3 Comentar

Últimas


Pub