8
Anterior
Pintura rupestre deve ter começado com homem de Neanderthal
Seguinte
Morreu Rodney King
Página Inicial   >  Sociedade  >   Morreu Roger Garaudy

Morreu Roger Garaudy

Resistente antinazi, dissidente comunista e, ultimamente antissionista e propagandista muçulmano, Roger Garaudy morreu em Paris, com 98 anos.
|
Roger Garaudy deixou mais de 50 livros publicados, a maioria dos quais durante a sua fase de pensador marxista
Roger Garaudy deixou mais de 50 livros publicados, a maioria dos quais durante a sua fase de pensador marxista /  Getty Images

O filósofo francês Roger Garaudy morreu ontem em Paris. Nascido em 1913, teve um longo percurso político que o levou dos católicos progressistas à Resistência durante a II Guerra Mundial. Aderiu nessa altura ao Partido Comunista Francês mas nunca cortou os laços com o catolicismo, mantendo uma relação de amizade com outro resistente, o Abade Pierre, fundador do movimento Emaus.

Autor de numerosas obras de reflexão marxista, Roger Garaudy viria a romper com o comunismo ortodoxo em 1968, após a invasão soviética da Checoslováquia que pôs termo à Primavera de Praga. Nessa altura tornou-se numa figura de referência da renovação da esquerda europeia, a par de Jean Paul Sartre.

O seu quadro de referências voltou a mudar drasticamente em 1982, quando se converteu ao islamismo, mudando o seu nome para Ragaa. Aproximou-se da causa palestiniana, tornou-se num feroz detrator da política externa israelita e enveredou pela negação do Holocausto, na linha das posições iranianas.

Isso fez com que o seu livro "Os Mitos Fundadores da Política Israelita" (não publicado em Portugal) fosse proibido em França e que acabasse por ser condenado com pena suspensa em 1998, por violar a lei francesa que considera crime o negacionismo.

Deixou mais de 50 livros publicados, a maioria dos quais durante a sua fase de pensador marxista.


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
Roger Garaudy
Conheci Roger Garaudy durante a visita que fez a Portugal em finais dos anos 70: provocador e sereno, elegante e aparentemente inovador. De facto, foi assim que o encontrei; foi também assim que o li em obras como "L’Alternative" (1972), "Parole d'homme" (1975), "Le projet espérance" (1976) e "Pour un dialogue des civilisations" (1977). O seu "Dieu est Mort", de 1962, se não me engano, foi obra que também me marcou, pela análise que fazia de Hegel. Nos anos que em Portugal se seguiram ao 25 de Abril um intelectual deste calibre, primeiro pensador oficial do PCF, depois expulso do partido e, sobretudo, convertido ao Cristianismo, com a sua "Palavra de Homem" e "Projecto Esperança" Garaudy era então voz particularmente interessante, uma que dava gosto conhecer. Depois, para grande surpresa minha, veio a sua "conversão" ao Islamismo, fase que não acompanhei, pois achei que na vida de um intelectual autêntico a única conversão que bastava era, precisamente a que ele fez do comunismo mais dogmático ao Cristianismo mais inovador. Com efeito, embora sem de todo conhecer os seus motivos e as suas justificações, a adesão de Garaudy ao Islamismo, depois agravada com o seu (pelo menos aparente) negacionismo em relação ao Holocausto, deixou-me não só perplexo mas também, para dizer a verdade, sem mais motivação para o seguir, para continuar a ler a sua impressionante produção literária. Garaudy morreu em França, no dia de Santo António, aos 99 anos de idade.
Re: Roger Garaudy
Re: Roger Garaudy
Re: Garaudy - PCF e depois...
Re: Roger Garaudy
Ora porra...
Morreu um camaleão!
Nem era peixe, nem carne, muito menos marisco, ou caracol!
Será que esse gajo sabia bem quem ele era?
Apenas um oportunista.
Re: Morreu Roger Garaudy
Inconformista? Buscando o sentido para vida a todo o transe? Tentou!
O drama de João Barois...
Também li e acompanhei o pensamento de Garaudy nos anos 60 e 70. Quanto à última fase, após a "conversão", não posso deixar de recordar "O Drama de João Barois" de Roger Martin du Gard, que li na juventude e muito de marcou. A lição da história é que, com a idade vem a debilidade física e mental, e, por fraqueza, renegam-se causas que defendemos na idade da razão.
Comentários 8 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub