1
Anterior
Morreu Pedro Ramos de Almeida
Seguinte
Morreu Gregorio Peces-Barba
Página Inicial   >  Sociedade  >   Morreu Oswaldo Payá

Morreu Oswaldo Payá

Oswaldo Payá, 60 anos, líder do movimento cristão Liberación e um dos mais destacados membros da dissidência interna cubana, morreu num acidente de viação.

Lusa |
Oswaldo Payá tinha 60 anos
Oswaldo Payá tinha 60 anos / Desmond Boylan/Reuters

O dissidente cubano Oswaldo Payá, um dos mais destacados opositores ao regime da ilha, morreu domingo em consequência de um acidente de viação nos arredores da cidade de Bayamo.

No acidente também ficou ferido o vice-secretário das Novas Gerações do Partido Popular espanhol, Angel Carromero, e um cidadão sueco, informou a embaixada espanhola em Cuba.

As autoridades cubanas iniciaram uma investigação ao acidente, mas testemunhas oculares indicam que o condutor perdeu o controlo da viatura que acabou por iri contra uma árvore.

Outro dos ocupantes, um cubano, terá morrido também no acidente.

Oswaldo Payá, 60 anos, era o líder do movimento cristão Liberación e dos mais destacados membros da dissidência interna cubana.


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Oswaldo Payá/Helena Cidade Moura
Lamentável critério da edição escrita do "Expresso" que no seu obituário destaca com fotografia o obito de um dissidente cubano e refere em curtas e secas frases o desaparecimento de uma extraordinária portuguesa, opositora ao salazarismo, deputada em democracia e uma das responsáveis pela maior campanha de alfabetização efectuada neste país. Pelos vistos, para quem escreve essa coluna, os opositores que têm valor são os de outros países e, se calhar, o salazarismo nem seria mau de todo...
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Pub