3
Anterior
Maior telescópio do mundo vai ter base de ensaios no Alentejo
Seguinte
Missão: cidades mais bonitas e práticas
Página Inicial   >  Sociedade  >   Morreu Antoine Sibertin-Blanc

Morreu Antoine Sibertin-Blanc

Organista da Sé de Lisboa, nascido em Paris mas radicado em Lisboa há meio século, Antoine Sibertin-Blanc morreu aos 81 anos. O funeral é domingo, pelas 14h, da Sé Patriarcal de Lisboa para o cemitério de S. Pedro de Sintra.
|
Antoine Sibertin-Blanc, numa foto do Festival Internacional de Órgão de Lisboa, do ano passado
Antoine Sibertin-Blanc, numa foto do Festival Internacional de Órgão de Lisboa, do ano passado / DR

Professor aposentado de Órgão e de Improvisação da Escola Superior de Música, organista titular da Sé de Lisboa há 51 anos, desde os seus 30, morreu hoje, no ano em que completava 81 anos, soube o Expresso.

Antoine Sibertin-Blanc nasceu em França, em Paris, mas daí saiu pouco depois de fazer 20 anos para ir viver no Luxemburgo. Em 1961, rumou a Lisboa e nunca mais saiu de cá, agora considerava-se "mais apreciador de Portugal do que os próprios portugueses".

Na capital francesa, foi discípulo de Maurice Duruflé, no Conservatório Nacional Superior, e de Edouard Souberbielle e G. Lioncourt, na escola César Frank, onde concluiu os cursos de Piano, Órgão, Improvisação, Canto Gregoriano, Direção Coral e Composição. Antes de ir tocar, aos 24 anos, na Igreja de Saint Joseph, foi organista e mestre de capela nas igrejas de La Madeleine e de Saint Merry.

O seu repertório abrangia compositores desde a época pré-clássica até à atualidade, mas interessava-se, sobretudo, pela música ibérica. 

Como é que este parisiense veio parar a Lisboa, ele próprio contou à "Voz da Verdade", em abril do ano passado, naquela que será a sua última entrevista: "Por volta do ano 1955, estava imigrado no Luxemburgo onde era organista em Saint Joseph. Cinco anos depois, senti vontade de ir embora. Foi então que um colega francês, que estava contratado para assinar pelo Centro de Estudos Gregorianos de Lisboa, desistiu e telefonou-me para saber se eu estava interessado naquele cargo... e eu estava interessado, evidentemente! Cheguei então a Lisboa em 1961, há 50 anos, e comecei a lecionar órgão e harmonia musical".

Quatro anos após a sua chegada, foi inaugurado o órgão da Sé Patriarcal de Lisboa e  Antoine Sibertin-Blanc apresentou uma candidatura, tendo sido selecionado. E assim, cumpriu-se o seu sonho de ser organista de uma catedral, uma paixão que cultivava desde miúdo, desde que ouvira os órgãos da Catedral de Notre Dame.

Da sua primeira atuação na Sé de Lisboa, lembrava-se "perfeitamente", foi no dia da inauguração do órgão, como participante do terceiro de muitos concertos que assinalaram a data. 

Considerado um especialista no improviso, Sibertin-Blanc não conseguia definir de onde vinha a inspiração. À "Voz da Verdade" diria: "Por vezes há pouca inspiração, outras sai tudo naturalmente. O melhor é não pensar antes. Tudo tem de vir automaticamente, segundo o sentimento do momento. Temos de estar muito calmos e serenos para acompanhar momentos especiais da liturgia".

Era, desde 27 de Setembro de 2006, comendador da Ordem de Santiago de Espada. 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
O mundo musical portugues ficou mais pobre
O mundo musical +prtugues ficou mais pobre com a morte do "Senhor Orgão" de Lisboa. Um grande homem, humilde e generoso que tantas vezes me preencheu com a sua música e a sua virtuosa capacidade de improvisação. Descanse em paz
Descanse em Paz...
Que descanse em Paz...!!
Horas mágicas
Muito jovem ainda, era com alvoroço que esperava pela temporada para ir ouvir este intérprete maravilhoso. Aos domingos lá ia eu e eram lindas aquelas horas. Ouvi-o anos a fio. Fica a saudade.
Comentários 3 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub