1
Anterior
Nissan Leaf: A revolução elétrica já começou
Seguinte
21 Candidatos ao Carro do Ano
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Life & Style  >  Auto crítica  >   Mitsubishi I-MIEV Um eléctrico citadino

Mitsubishi I-MIEV Um eléctrico citadino

Troféu Volante de Cristal, Carro do ano: A Mitsubishi já vende carros elétricos em Portugal. Como é guiar o i-MIEV?

|
Quem disse que todos os carros japoneses são iguais? Na abordagem ao veículo elétrico Mitsubishi e Nissan seguiram abordagens diferentes. Enquanto a Nissan apostou num carro parecido com os outros (ver texto sobre o Leaf), a Mitsubishi optou por um carro claramente concebido para a cidade (que é, afinal, o habitat natural destes veículos dada a sua autonomia limitada).

O I-MIEV, com a sua forma futurista, é, claramente, um carro para acomodar quatro pessoas e não muita bagagem.

Esta lógica de simplificação também passa pelo carregamento: o fabricante não recomenda nenhuma instalação especial em casa, para além, claro, de uma boa tomada de terra, dimensionada para um débito de 16 A. O tempo de recarga baixa, comparativamente com outros modelos elétricos, cifrando-se nas seis horas.

É o ideal para quem o possa ligar à tomada enquanto trabalha ou mais que o suficiente para carregar tranquilamente toda a noite, seja em casa, seja num posto público da rede nacional de recarca da MOBI.E.

Em alternativa, há o chamado carregamento rápido nalgumas áreas de serviço (veja em http://www.mobie.pt/ ) que devolve 80% da carga em meia-hora e que, segundo o importador nacional, não acarreta risco de envelhecimento da bateria.

Chega de teoria. Que tal se porta o Mitsubishi I-MIEV? A resposta é: nada mal!

Tem boas dimensões para a cidade e responde bem no meio do trãnsito. Como tem tração atrás, convém negociar com calma as rotundas em tempo de chuva, se me faço entender...

Na hora de estacionar é um regalo e se precisar de um arranque mais rápido ou de ultrapassar com mais genica, não ficará desiludido, pois os 67 cv e, sobretudo, os 180 Nm de binário respondem prontamente. Convém é não fazer do carro um GTI porque a bateria descarrega num instante.

Ao fim de umas horas ao volante constata-se que não vale a pena ir a morrer nas subidas nem abusar do modo ECO. A cada subida corresponde geralmente uma descida e nesta, se tirarmos o pé ou travarmos de vez em quando, recuperamos alguma energia.

Por outro lado, havendo condições para circular à vontade, resulta melhor deixar embalar o carro para a velocidade ideal e, a partir daí, gerir o andamento.

Em condições especialíssimas a marca anunciou uma distância máxima percorrida de 220 km.

Mas o condutor prudente nem com os 150 km anunciado pelo fabricante contará. Se for prudente, antes de chegar aos 100 km o melhor é começar a pensar onde vai ligar a ficha...Esta "angústia do depósito vazio" passa a ser uma característica inerente à condução dos carros elétricos. Só desaparecerá com o hábito, a generalização dos postos de carregamento e o aperfeiçoamento desta tecnologia.

Em contrapartida o importador português anuncia um custo de recarga em horário noturno e contador bi-horário doméstico da ordem dos € 1,5 mais IVA. O que, tendo em conta os quilómetros que o carro consegue percorrer, dá um custo de um euro ao cem (mais IVA), quatro ou cinco vezes menos que um diesel de baixo consumo.

Para já a Mitsubishi propõe-nos o I-MIEV por € 30.250 (clientes particulares), na linha dos carros elétricos da concorrência e dos híbridos mais comuns (exceção feita aos Honda - Insight e Jazz - mais próximos dos € 20 mil).

Para quem precise dum carro de trabalho ou possa prescindir dos bancos de trás há uma versão furgão por € 29.000 mais IVA (para empresas).







Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Podiam-no ter feito mais bonito !
Parece um Piolho do PUBIS ! Porque diabo o fizeram tão FEIO ?
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub