24 de abril de 2014 às 19:45
Página Inicial  ⁄  Economia  ⁄  Ministro da Economia desvaloriza contestação na Covilhã

Ministro da Economia desvaloriza contestação na Covilhã

Álvaro Santos Pereira compreende a contestação e assegura que o mais importante é manter a coesão social e o diálogo. "Gostaria de desafiar alguém a mostrar que outro Governo cortou nos interesses instalados como este".
Lusa
Veículo de Álvaro Santos Pereira teve de interromper a marcha António José/Lusa Veículo de Álvaro Santos Pereira teve de interromper a marcha

O ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, desvalorizou hoje, em Coimbra, a contestação de manifestantes de que hoje foi alvo na Covilhã, afirmando que "em todas as grande mudanças, em períodos de crise, há sempre vozes descontentes".

O ministro defendeu que, neste período "o mais importante" é manter a coesão social, o diálogo social, e "sempre as portas abertas", entre o Governo, parceiros sociais, trabalhadores e empresas.

"Mostrarmos que Portugal, mais uma vez, é diferente. Já passámos por muitas crises no nosso passado, gravíssimas, e soubemos sempre dar a volta, mantendo-nos unidos e tendo coragem para reformar", sublinhou.

Em conversa com jornalistas, no final de uma conferência que hoje proferiu na Faculdade de Economia de Coimbra, salientou que a razão de ser das reformas, e que na Covilhã foram contestadas, "é o interesse nacional e não interesses privados".

"Eu gostaria de desafiar alguém a mostrar que outro Governo cortou nos interesses instalados como este"


Álvaro Santos Pereira já durante a conferência, que proferiu na sua qualidade de antigo aluno daquela faculdade, realçara que o atual Governo "foi onde nunca ninguém tinha ousado tocar", em relação aos denominados "interesses instalados", para libertar crédito para a economia.

"Eu gostaria de desafiar alguém a mostrar que outro Governo cortou nos interesses instalados como este", nomeadamente nas "rendas excessivas" da energia, observou.

Referiu que o atual Governo "cortou dois mil milhões, pela simples razão de que, a austeridade, os sacrifícios são para ser partilhados por todos".

Respondendo a questões levantadas pela assistência, o ministro da Economia alegou que o abandono do projeto do TGV terá como opção a aposta na "bitola europeia" para as comunicações ferroviárias entre Portugal e a Europa, com duas ligações, uma através de Sines, Lisboa, Setúbal e Madrid e outra no Centro, de Aveiro, Vilar Formoso e Salamanca.

"Estamos em comunicação com a União Europeia para acertar todos os detalhes, para podermos lançar os concursos, mas obviamente que a intenção do Governo é fazê-lo o mais rapidamente possível, tendo em conta os condicionalismos financeiros", do país e da Comunidade, explicou.

Língua portuguesa


O ministro preconizou ainda uma aposta cada vez maior na língua portuguesa como "instrumento económico poderosíssimo" que é, para a criação de redes de negócios e empresariais no âmbito da lusofonia.

"A língua não pode ser só um fator de união cultural, histórica", observou, frisando com as taxas de desenvolvimento que os países de língua portuguesa estão a apresentar "existem sinergias enormes" e aos governos compete dinamizar uma maior cooperação económica, uma maior integração económica.

No entendimento de Álvaro Santos Pereira, para Portugal "parte da diversificação dos mercados passa certamente pela lusofonia".

A Álvaro Santos Pereira coube hoje proferir a conferência "Memorando para o Crescimento e o Emprego", que inaugurou um ciclo da Associação de Antigos Estudantes da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Comentários 38 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
O ministro anedota !

Mais engraçado quando lido, menos levado a sério quando fala !!!

Já agora e falando de bitola europeia, conviria que o ministro se informasse se a Espanha está interessada em investir na dita. É que esta, actualmente, só começa em Barcelona em direcção a França.

Com tanta promessa e tratado, duvido que nuestros hermanos nos levem a sério !!
anedotas saõ estes sindicalistas pagos Ver comentário
Re: anedotas saõ estes sindicalistas pagos Ver comentário
Vergonha de media
Duas dúzias de energúmenos da CGTP andam pelo País a fazer protestos em cada lugar onde vai o Governo ou o Presidente da República.
Os media, que sempre trataram com pinças tudo o que tenha a ver com a CGTP ou o PC, prestam-se, mais uma vez, a não fazer o seu trabalho
Re: Vergonha de media Ver comentário
Vergonha de comunistas,funcionários dos sindicato Ver comentário
Re: Vergonha de comunistas,funcionários dos sindi Ver comentário
Re: Vergonha de comunistas,funcionários dos sindi Ver comentário
Re: Vergonha de media Ver comentário
Apupos e insultos
Faz bem o ministro Álvaro em não dar importância a essas mini manifestações.São poucas dezenas de pessoas, profissionalizadas no assunto, que têm a sua agenda e que obedecem a um plano estabelecido.

Esse plano começa com o afastamento de Carvalho da Silva , a que se lhe segue um greve geral, várias greves nos sindicatos controlados, transportes públicos especialmente , uma moção de censura e agora a fase dos insultos.

Correu mal quase tudo, greve geral e moção, mas agora podem começar a ter algum êxito, porque tiveram um aliado inesperado nos autarcas.

Irritados, com razão, com o desaparecimento das repartições , escolas e tribunais, das suas povoações estão a dar uma mãozinha ao PCP na sua estratégia de acosso.

Em Castro Daire, seria impossível um protesto daqueles, sem uma palavrinha do presidente da câmara.

De qualquer modo, não há perigo físico, pois acredito que as múmias da Soeiro Pereira Gomes tenham dado instruções nesse sentido. Eles próprios têm muito receio de distúrbios que não possam controlar.....
A língua e o pastel de nata
Boa aposta do Álvaro das meiguices covilhanenses, a seguir ao pastel de Belém, vem a língua, espero que seja a de Camões, não a de vaca que também gosto estufadinha com puré de batata e que seria um sucesso de exportação.
na terra de Sócrates,o "arquitecto" dos emigrantes Ver comentário
Re: na terra de Sócrates,o Ver comentário
O Alvaro o liberal
Será possível que o pacifico povo português, dos brandos costumes, se veste de vermelho e ainda te vai democráticamente à cara ?
Passos de Raiva
Há cães em todo o lado! Alguns até raiva têm, são pagos para isso. Vacinem-se.
Re: Passos de Raiva Ver comentário
O DESESPERO DAS PESSOAS.
NÃO É LAMENTAVEL, É O DESESPERO.
OS POLITICOS NÃO SÃO A SOLUÇÃO, SÃO A CAUSA DA CRISE E OS SACRIFICIOS NÃO SÃO PARA TODOS, SACRIFICIOS SÃO SÓ PARA ALGUNS.
COMO É QUE HÁ PESSOAS QUE AINDA TEM CORAGUEM PARA VOTAR PS,PSD E CDS?
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Re: O DESESPERO DAS PESSOAS. Ver comentário
Desempregados...?
Eu compreendo o desespero de quem fica sem meios para sustentar os seus familiares a si próprio...
Mas quase apostava que daqueles manifestantes nem um só estará desempregado, aposto que são funcionários do Partido ou da sua Sucursal a CGTP...
Diz o manifestante que se atirou para cima do carro que o fez para se salvaguardar da ameaça do motorista que queria mandar o carro para cima dele...
Pura ficção de quem deve ver muitos filmes...então o carro nem uma só vez se vê nas imagens, que tenha feito alguma tentativa de andar, quando o dito estava à sua frente...
Achei piada
Gostei daquele sindicalista, salvo erro o responsável pela delegação local, e que se atirou para cima do carro do ministro, afirmar que o fez em defesa própria.
E está o pessoal trabalhador entregue a encomendas destas, que só teem habilidade para fazer greves e arruaças. Triste fim a que estamos destinados.
Viram no Ministro o Paizinho Estado ali à mão!
Ainda existe muita gente que vê no Estado um Paizinho que tem de lhes resolver todos os problemas, mesmo que não façam grande esforço para melhor a sua própria condição!

Esta cena degradante que vimos é protagonizada precsiamente por esse tipo de gente: que viu no ministro o símbolo, ou reprentante do Paizinho Estado ali mesmo à mão de semear. Como grande culpado das suas desgraças. Então porque não malhar nele se estava ali, mesmo a jeito!

Re: Viram no Ministro o Paizinho Estado ali à mão! Ver comentário
Re: Viram no Ministro o Paizinho Estado ali à mão! Ver comentário
Re: Viram no Ministro o Paizinho Estado ali à mão! Ver comentário
Re: Viram no Ministro o Paizinho Estado ali à mão! Ver comentário
Re: Ministro da Economia desvaloriza contestação n
há gente aflita!
Covilhâ
Por muita razão que tenham, e têm-na, perdem com estas atitudes, SIMPLESMENTE VERGONHOSO, e comunicação goza com estas cenas.
energumes da cgtp-in/pcp
estes vermes da sociedade,que desjam....
vejam isto num email que me enviaram
Peçam ao PCP e à CGTP, cujos sindicatos afundaram as empresas públicas em 30,000 milhões de passivo para encherem a pança aos camaradas sindicalizados com salários chorudos e mordomias, pagos pelo contribuinte.
Peçam ao PCP e ao BE, que ajudaram o PS a aprovar um TGV que já nos custou 300 milhões só em papelada, e vai custar outro tanto em indemnizações
E AGRADEÇAM AO FUGITIVO DE PARIS O SUCESSO COM DINHEIRO EMPATADO NO AEROPORTO DE BEJA! JÁ TIVERAM DE FAZER MAIS 25 HOTÉIS DE 5 ESTRELAS… PARA ACUDIR AO ÊXITO TURÍSTICO
Re: energumes da cgtp-in/pcp Ver comentário
CANADA
O ministro diz que cortou nos interesses instalados, nao tem vergonha de cortar a quem tao pouco tem?e o monstro Estado quando começa a reduzir?as contestaçoes sempre iram existir em Portugal e em todo o mundo.O que estava á espera um governo que manda as pessoas emigrar e vai buscar um ministro ao Canadá?
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub