5
Anterior
Acordo ortográfico e bocejo...
Seguinte
Telemóveis e automóveis dão saúde
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Educação e Ciência  >  Falta de castigo  >   Ministério da Excelência e Ciência

Ministério da Excelência e Ciência

|

Trinta alunos por turma? É pouco. Quarenta ou cinquenta, bem cingidinhos, é mais estimulante para novos conhecimentos. Imagine-se o elevado potencial de crianças e jovens, encostadinhos uns aos outros, num contentor...

Nuno Crato, enquanto ilustre convidado para programas televisivos sobre Educação, era um paladino da excelência. Agora, no governo, com o lápis de matemático na mão, executa-a.

A partir do próximo ano lectivo, por despacho do titular do Ministério da Excelência e Ciência (MEC), o número máximo de alunos por turma, do 5º ao 12º ano, passará a ser de 30, quando agora é de 28. E o número mínimo subirá para 26.Já em Agosto passado, no 1º Ciclo (do 1º ao 4º ano), o número de alunos tinha subido de 24 para 26.

A medida foi justificada pela "procura excepcional de matrículas". Entulhar a sala de aula de alunos, no 2º e 3º Ciclos e no Secundário, deve ser também motivada pela previsão de uma procura excepcional de inscrições, de gente que busca a excelência na ciência.

Vão chegar às escolas, que têm as obras de requalificação paradas, hordas de alunos ávidos de conhecimento solidário. Assim ficarão mais juntinhos uns aos outros, a consumirem mais oxigénio por metro cúbico, o que facilita a circulação de um certo ar de conhecimento e de bom hálito.

É sabido que as turmas mais reduzidas promovem a desatenção, a indisciplina, a bagunça, o insucesso. Um aluno, numa sala mais vazia, é obrigado a gritar para o colega do fundo, "é pá em que século viveu Galileu?" perturbando o Galileu que vive em cada professor.

O professor, em turmas com mais alunos, tem a tarefa facilitada. Aproveitando estas novas condições de excelência, a medida de valorização das condições da aprendizagem, despachada pelo nóvel prior do Crato, dará mais tempo ao professor. Em contexto de sala de aula, com os alunos entretidos em animada aprendizagem, pode apostar na sua auto-formação, jogando sudoku, alindando a sua página do facebook, amimando os chats, perante a inutilidade pedagógica do quadro interactivo.

Trinta alunos por turma? É pouco. Quarenta ou cinquenta, bem cingidinhos, é mais estimulante para novos conhecimentos. Imagine-se o elevado potencial de crianças e jovens, encostadinhos uns aos outros, num contentor ou numa espécie de sala de aula.


Opinião


Multimédia

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.


Comentários 5 Comentar
ordenar por:
mais votados
Ministério de excelência e ciência
Este ministro como já o afirmei aqui por diversas vezes é um génio. Só uma pessoa rigorosa e que percebe do assunto pode aumentar as turmas para 30 alunos. Aliás já tinha dado sinal que o Ensino está bem entregue ao ter substituído TIC (Informática) para dar lugar a história, geografia e religião e moral, ou não fazer parte de um governo que pertence a um Estado Laico. Por outro lado nunca vi nenhum pedido de emprego a exigir tais disciplinas, mas todos pedem informática. Aliás não deve saber pela certa que vão ser necessários até 2015 700 mil pessoa com essa formação na Europa. Países como a Inglaterra e outros já estão a dar formação aos jovens nesse sentido.

http://ec.europa.eu/news/...

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl...
Não vejo onde está o problema
Da minha experiência pessoal, já lá vão umas décadas bem largas, turmas com trinta alunos são reduzidas o suficiente, para permitir aos docentes um bom exercício da ...docência.De facto, nesses longínquos anos cinquenta/sessenta, num dos principais estabelecimentos do secundário de Lisboa, as turmas tinham invariavelmente mais de quarenta alunos, e não passava pela cabeça de ninguem achar isso imcomportável ou sequer excessivo. Sabendo que os tempos são outros - para o bem e para o mal - continuo a pensar que um grupo de trinta alunos é não só adequado ao conhecimento individualizado, por parte do professor, de cada um deles, nas suas potencialidades e dificuldades, como ao estabelecimento de uma razoável interacção dentro do grupo. Outra coisa seria se estivessemos a falar de circunstâncias ideais, em que talvez um professor para cada aluno fosse hipótese a ponderar; só que tudo tem o seu preço e teremos que nos deixar de fantasias, ainda que menos radicais do que essa.
Re: Não vejo onde está o problema
A minha turma devia ser diferente da sua
Educação de massas.
Quando o nivel cultural e de conhecimentos de um povo é baixo,acontece este tipo de situações de ter maus governos.Isto já acontece à quase 40 anos em Portugal em que o governo que sucede é sempre pior.A questão de fundo prende-se com o élitismo.Quem tem dinheiro,paga ensino privado,com garantia de diploma.Para os tesos é o safe-se quem puder e cultura geral fica para os média resolverem e a curto prazo tem-se as massas manipuladas e prontas para votarem nos mesmos.Isto é uma espécie de guerra sem dar um tiro.Depois temos os saudosistas,que vem dizer no tempo éra 50 por turma.Pois.Os Mellos e outros nesse tempo não exigiam grandes conhecimentos e a guerra também ajudava a eliminar uns quantos e já néssa altura muitos preferiram passar a fronteira a salto.Mas hoje está melhor.Os portuguese pagam o ensino e toda apredizagem e os jovens vão por éssa Europa fora divulgar a nossa cultura.Assim é ministro esperto,as pessoas é que não entendem a sua visão avançada.
Comentários 5 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub