24 de abril de 2014 às 16:39
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Ministério da Educação aumenta dimensão das turmas

Ministério da Educação aumenta dimensão das turmas

Limite máximo no 5.º ao 12.º anos sobe de 28 para 30 alunos. Pais dos estudantes no ensino básico vão poder escolher escola.

Isabel Leiria (www.expresso.pt)

O Ministério da Educação decidiu aumentar o número máximo de alunos por turma no 5.º ao 12.º anos. A partir do próximo ano letivo, cada turma deste nível de ensino será constituída por um mínimo de 26 estudantes e um máximo de 30. Hoje, os limites são de 24 e 28 alunos, respetivamente, ainda que, a título excecional, possa ser autorizada uma dimensão superior.

O despacho relativo às matrículas e constituição de turmas ainda não foi publicado em Diário da República mas já pode ser consultado no portal das escolas (https://www.portaldasescolas.pt/imageserver/plumtree/portal/matnet/despacho_mat.pdf ).

O diploma confirma ainda o aumento das turmas no 1.º ciclo, decidido em agosto do ano passado e justificado pela "procura excecional de matrículas". Desta vez, as inscrições ainda não começaram - iniciam-se no próximo domingo no caso do pré-escolar e do ensino básico - mas fica desde já determinado que as salas do 1.º ao 4.º anos deverão funcionar com 26 crianças e não  24, como aconteceu até 2010/2011.

Escolha sujeita à existência de vagas


Quanto ao ensino recorrente, estabelece-se o limite de 30 estudantes para abertura de uma turma.

Tal como já fora anunciado, o Ministério da Educação também consagra a possibilidade de os pais dos alunos do ensino básico escolherem livremente a escola, independentemente do estabelecimento de ensino pretendido se encontrar ou não na área de residência ou do trabalho do encarregado de educação.

No entanto, se a procura ultrapassar as vagas disponíveis aqueles critérios serão determinantes na seleção.

 

Comentários 31 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
NO POUPAR NÃO ESTÁ O GANHO

Uma medida parecida com a das vagas nos lares de idosos. Aumenta-se a capacidade à custa da qualidade dos serviços prestados. Claro que as turmas com mais alunos implicam menos tempo do professor para cada aluno. Com o aumento do grau de exigência, provas finais no 4º e no 6º ano, os resultados escolares vão baixar. Parece difícil, mas vai ser verdade. Já somos o país da Europa que mais chumba. Mas estamos apostados em bater este nosso recorde. Não se percebe a politica deste governo. Poupa onde não deve e continua a alimentar os desperdícios do costume.
Re: NO POUPAR NÃO ESTÁ O GANHO Ver comentário
Ministério da Educação aumenta dimensão das turmas
Este ministro como já o afirmei aqui por diversas vezes é um génio. Só uma pessoa rigorosa e que percebe do assunto pode aumentar as turmas para 30 alunos. Aliás já tinha dado sinal que o Ensino está bem entregue ao ter substituído TIC (Informática) para dar lugar a história, geografia e religião e moral, ou não fazer parte de um governo que pertence a um Estado Laico. Por outro lado nunca vi nenhum pedido de emprego a exigir tais disciplinas, mas todos pedem informática. Aliás não deve saber pela certa que vão ser necessários até 2015 700 mil pessoa com essa formação na Europa. Países como a Inglaterra e outros já estão a dar formação aos jovens nesse sentido.

http://ec.europa.eu/news/...

http://viriatoapedrada.bl... ource=BP_recent

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl...

http://viriatoapedrada.bl...
'Ministério da Educação aumenta dimensão das turma
Em relação ao primeiro ciclo, aumenta-se a capacidade das turmas na mesma medida em que se reconhece que o número de alunos tem baixado. Portanto, ocorre-me duas razões que até se podem conjugar:

1. Trata-se de criar capacidade para as pessoas poderem exercer a sua escolha.

2. Trata-se de comprimir o número de turmas na esperança de poupar professores.

Mas conjugando as duas medidas fica-me a impressão que isto pode facilitar o encerramento de escolas. Basta os pais exercerem o seu direito de preferência que leve à rarificação de turmas em certas escolas, onde antes os alunos seriam distribuídos de forma homogénea.

De qualquer forma, eu tenho uma posição ambígua sobre o direito de preferência. Por um lado, discordo do mesmo enquanto direito de escolher os professores e o universo de colegas dos alunos... entendo que isso pode levar a diferenciações injustas entre as escolas, e a uma demissão do interesse dos pais no comportamento das escolas. Por outro lado, existem situações em que elas convêm às famílias em termos logísticos, por exemplo, quando na educação dos filhos destas se aprestam os avós a ajudar, ou a escola está perto de outras onde outros filhos andam.

Em todo o caso, o direito de preferência não está consagrado nos outros ciclos, e aí, o aumento do limite de estudantes na mesma turma, é economicismo do pior.

PS.: O Expresso não vai divulgar o relatório para a educação da OCDE?
Re: 'Ministério da Educação aumenta dimensão das t Ver comentário
Re: 'Ministério da Educação aumenta dimensão das t Ver comentário
Ó Crato...então a memória?

Se com 28 alunos as turmas estavam ingovernáveis...

quer para a aprendizagem, quer para a disciplina...

agora ficarão muito pertinho da bandalheira...

Para quem sempre andou a falar da qualidade o ensino...

esta medida veio mesmo a calhar!
"TUDO BEM"
Desde que subam também o grau de exigência e aplicação aos alunos e professores acabando já agora com o regabofe de livros que apenas duram um ano ou dois.
Disciplina é preciso também um aumento.
É pedir muito???
kácus
pois...
como é para tÊ-los contentes e alienados a bater palmas e a dar vivas, tanto fazem 20 como 40...quantos mais melhor maior a festa...
Re: pois... Ver comentário
Pois é...
Há muitos, muitos anos, no Liceu Normal de Pedro Nunes, as turmas eram constituídas por 32 alunos e os resultados parece que foram bastante bons.
Não vale a pena referir que os tempos eram outros, que só alguns é que tinham acesso ao ensino secundário, mas o facto que também conta , e muito, é que nem toda a gente era professor, pois até havia um exame de Estado para se ser professor e não a mera entrega de um certificado de habilitações como ocorre agora.
Se não acreditam , perguntem ao Marcelo ou mesmo ao actual Mi istro da Educação que por lá também andaram.
Era no tempo em que? Ver comentário
Re: Era no tempo em que? Ver comentário
Re: Era no tempo em que? Ver comentário
Re: Era no tempo em que? Ver comentário
Re: Era no tempo em que? Ver comentário
Era no tempo em que? Ver comentário
Re: Era no tempo em que? Ver comentário
Re: Era no tempo em que? Ver comentário
Sabe uma coisa curiosa Ver comentário
Re: Sabe uma coisa curiosa Ver comentário
Re: Ministério da Educação aumenta dimensão das tu
O número de alunos por sala aumenta, mas o número de professores por sala mantem-se. Será possível obter bons resultados com apenas um professor para, no mínimo, 26 alunos?
Pragmatismo

Realmente como não é para aprender 28 ou 30 ou mesmo 50 vai dar ao mesmo.
E se aumentarem o peso do exame do 4º ano na avaliação daqui a 10 anos 75% dos alunos vai estar no 4º ano.

A minha pergunta é sincera porque não sei : alguma vez Crato deu aulas numa escola pública entre o 5º e o 12º ano?
Ou o que sabe do assunto aprendeu com o Mário Crespo no Plano Inclinado?
mais de 20 alunos, é uma triste ideia...
Eu também acho que uma turma não deve ter mais de 20 alunos, porque não aprendem devidamente; os alunos que ficam ao fundo da sala têm dificuldade em ver para o quadro e não ouvem bem o que o professor diz, a não ser que este ponha a secretária ao meio da sala, é cansativo para os alunos e para o professor! é uma triste ideia!
ABERRAÇÕES EDUCATIVAS
Mais uma asneira do tamanho que tem - infinita. Então se 90% das escolas - novas construções, na maioria, têm salas desenhadas para 22 a 24 alunos, o ministro quer lá meter 30. Anedota e desconhecimento integral da realidae da escola.
Enquanto estiverem estes teóricos de pobre retórica à frente da educação, Portugal será sempre um país 3º mundista.
Nem vale a pena falar na dimensão pedagógica. Nesse aspecto, é de um desconhecimento brutal sobre a nossa massa estudantil.
vomitar para cima do prato
Continuamos na mesma senda: o princípio economicista acima de tudo! Os valores que devem ser os pilares da sociedade estão há muito ignorados e esquecidos, a educação a saúde, o direito ao trabalho, enfim os famosos 3 S que o nosso pedagogo Agostinho da Silva explicou - o Saber, o Sustento e a Saúde. Neste caminho continuamos a desfazer o que que iniciou, atabalhoadamente é certo, há 40 anos atrás.
A nossa sociedade tem, em termos mais estatísticos, mais jovens a estudar mas na realidade turmas e turmas de miúdos que nunca chegam a saber o que andam a fazer na escola, que saem completamente iletrados, sem objetivos na vida e sem preparação para nada!
Para que serva uma escolaridade obrigatória que não prepara os jovens para a vida? O que queremos todos nós? Andamos todos adormecidos? Embriagados?
Ora aí está
Aquilo que eu classifico de idiotice.
Chumbos, exames e turmas grandes...
Turmas maiores saem mais baratas.
Podemos fazer muitos exames mas, se os fizermos fáceis, ou se os critérios de correção e classificação deixarem passar os erros dos alunos, ou se os exames não tiverem influência significativa no facto de um aluno passar ou chumbar, fazer exames não vai ter impacto nenhum no ensino. Os alunos do 9º ano hoje em dia têm de fazer exame a Português e Matemática e há 25 anos atrás não tinham, mas os alunos de há 25 anos atrás sabiam mais. Ah! Nessa altura eles chumbavam com mais facilidade! (Os chumbos não resolvem o facto de os alunos não saberem mas impedem pessoas - que não sabem! - de progredir e continuar a "não saber" nos anos seguintes, apesar de se manterem na escola e terem aproveitamento escolar...)
Re: Chumbos, exames e turmas grandes... Ver comentário
barbaridades...
Medida meramente financeira!

Até a minha mulher-a-dias sabe que, no país que temos, até turmas com 10 alunos se podem tornar impraticáveis (pedagogicamente).

Chega a um ponto em que "vale tudo menos tirar olhos!".
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub