Anterior
Cavaco Silva deseja feliz Natal aos portugueses
Seguinte
Fundador do Facebook eleito personalidade do ano pela "Time"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Ministério chumba soluções de Augusto Mateus para salvar SNS

Ministério chumba soluções de Augusto Mateus para salvar SNS

Estudo de economistas do ISEG conclui que os utentes do Serviço Nacional de Saúde têm de pagar mais e usar melhor os serviços. Tutela diz que a medida é injusta.

|
Estudo foi coordenado pelo economista e antigo ministro Augusto Mateus
Estudo foi coordenado pelo economista e antigo ministro Augusto Mateus / António Pedro Ferreira

O mais recente estudo para "reformar depressa e bem" o Serviço Nacional de Saúde (SNS) vai amarelecer nas secretárias dos governantes. Com a chancela do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), e coordenado pelo economista Augusto Mateus, o documento conclui que o SNS só será salvo se todos pagarem mais. Mas os responsáveis do Ministério da Saúde apressaram-se a garantir que essa questão "não está em cima da mesa", ainda para mais com eleições à porta.

Pedido ao ISEG há um ano pelo Health Cluster Portugal (que reúne mais de 100 empresas da Saúde) e apresentado há uma semana, o estudo corta a direito nos atuais moldes de funcionamento das unidades de saúde públicas. As reformas propostas vão desde taxas moderadoras mais caras para quem recorre às Urgências para tratar problemas sem gravidade clínica; seguros de saúde alternativos ao SNS ou aluguer de infraestruturas públicas aos privados, até à limitação da aplicação das deduções fiscais apenas a remédios com receita.

"A racionalização das urgências, por exemplo, não pretende afastar as pessoas dos serviços mas dar-lhes uma indicação de que a Urgência não pode ser a consulta dos pobres", explica Augusto Mateus. E acrescenta: "Uma taxa moderadora é um incentivo à boa utilização dos serviços". A justificação do economista não convence os utentes, nem o próprio Ministério.

"Não se pode sobrecarregar mais os portugueses, sobretudo os que têm menos recursos", alerta o porta-voz do Movimento dos Utentes dos Serviços de Saúde, Manuel Vilas Boas. E o secretário de Estado da Saúde, Óscar Gaspar, aproveita para fazer uma revisão da matéria ao professor catedrático Augusto Mateus: "Nos últimos anos, todas as iniciativas na Assembleia da República foram no sentido de mais isenções nas taxas moderadoras". Ora, precisamente o que os académicos reprovam.

"Não são medidas que despejam sacrifícios sobre as pessoas mas que chamam a atenção para a necessidade de equilibrar o SNS. O melhor sistema é aquele que fornece aos cidadãos mecanismos que lhes permitem fazer melhores opções e é preciso que haja complementaridade entre o público, o privado e o social", garante Augusto Mateus.

Este discurso é para muitos "a introdução do princípio do utilizador-pagador, ou seja, a privatização do Serviço Nacional de Saúde", diz o médico da associação SOS-SNS, Bruno Maia. O economista do Gabinete de Estudos da CGTP Eugénio Rosa nem tem dúvidas: "Seria a destruição do Serviço Nacional de Saúde e a inversão total do que diz a Constituição".

O secretário de Estado da Saúde explica que "uma maior ligação aos privados traria mais custos para o utente", mas desdramatiza o fim do SNS. "Concordo com o ISEG de que há um problema de sustentabilidade e que é preciso um consenso nacional em torno da Saúde, mas não concordo com as medidas a tomar".

Óscar Gaspar admite que "não é possível dar tudo a todos a preço zero, mas, como a OMS diz num relatório publicado há dias, não existe um solução universal". Ou seja, nem um SNS fechado nem sempre aberto aos privados. "A proposta do ISEG acabaria por criar um sistema onde os utentes com mais recursos iriam ter mais acesso à Saúde", acredita o governante.

O presidente do Health Cluster Portugal, Luís Portela, diz que o estudo foi pedido ao ISEG para "que se continue a apostar num sistema que funciona mas onde é preciso criar condições para que se alimente a si próprio". Na sua opinião, "hoje tem que se maximizar a eficiência em tudo". Uma regra que o secretário de Estado da Saúde afirma estar sempre presente: "Em 2005 a Saúde representava 5,2% do PIB, em 2011 4,7%; tem havido menos encargos e não consta que as pessoas se queixem de ter perdido cuidados".

 


Argumentos

"A proposta do ISEG acabaria por criar um sistema onde os utentes com mais recursos iriam ter mais acesso à Saúde"

Óscar Gaspar, secretário de Estado da Saúde

"Não podemos ter uma equidade que é insustentável. A Urgência, por exemplo, não pode ser a consulta dos pobres"

Augusto Mateus, economista e professor catedrático do ISEG

Texto publicado na edição do Expresso de 11 de dezembro de 2010


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
MEDIDA INJUSTA DIZ O MINISTÉRIO
Então como classifica o Ministério a recente farsa do aumento dos medicamentos em 6%, decidida por dec lei, que nunca entrou em funcionamento, só porque os Srs. armazenistas e as Farmácias não deixaram?
INJUSTO É RETIRAR A QUEM NÃO TEM, PARA DAR A QUEM SÓ OSTENTA LUXO E RIQUEZA.
País doente
Já se esperava as opiniões por parte do economista do Gabinete de Estudos da CGTP e do secretário de Estado da Saúde. Esta gente quer manter tudo na mesma por forma a não perder os votos.

Obviamente que só o FMI poderá mudar qualquer coisa neste país seriamente doente.
Comentários 2 Comentar

Últimas


Pub