28 de fevereiro de 2015
Página Inicial   >  Opinião  >  Miguel Sousa Tavares

O estado do Estado de direito

 | 

As coisas estão a ficar perigosas. Eu não votarei em quem não prometa pôr fim a esta paródia do Estado de direito.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Os despojos do dia

 | 

Não são o ministro Marques Guedes, ou Passos Coelho, ou Cavaco Silva, que conseguirão, com a profundeza do seu pensamento visionário, deter o curso da história. Talvez devessem perguntar a Paulo Portas porquê: ele sabe.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Grécia e Ucrânia: Europa

 | 

Nem Passos, nem Portas, nem Cavaco Silva podem admitir que a Grécia obtenha o que quer que seja.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

Ó António, diga qualquer coisa, porra!

 | 

Numa longa entrevista de três páginas ao "Público", anteontem, António Costa diz coisas muito acertadas, faz diagnósticos muito correctos sobre o país e a Europa, mas, se me perguntarem hoje o que disse ele de novo ou de importante (considerando que até aqui não tinha dito rigorosamente nada), confesso que não me consigo lembrar de coisa alguma, só generalidades inócuas. Perguntado como vem acompanhando a situação na Grécia, responde com o Governo português. 

 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Se nós não somos a Grécia é porque somos parvos

 | 

Não, isto não é uma história de criancinhas, como quer esperançosamente pensar Passos Coelho. Isto é política a sério, política dura, feita de escolhas difíceis, de opções que vão marcar os tempos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

 

Tanto tempo perdido!

 | 

A decisão do BCE é uma boa notícia, caída do céu para um Governo que não fez nada para a merecer.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Lusitana expiação

 | 

1 Parece, consta, prevê-se (mas nunca fiando até ao último suspiro), que Alberto João Jardim se vai mesmo embora do governo regional da Madeira, tendo consumado um recorde para a história da governação em Portugal: 37 anos consecutivos de poder, mais um do que Oliveira Salazar. Ninguém sabe o que haverá para lá desse Cabo da Boa Esperança, se os milhares de devotos madeirenses a quem Jardim nunca falhou não sufocarão com tamanha liberdade a que não estão habituados, se um terrível sentimento de orfandade não varrerá toda a ilha, paralisando-a na única forma de vida que conhece. 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

A religião do mal?

 | 

Os terroristas, que em nome do profeta, degolaram o "Charlie Hebdo", são argelinos nascidos em França, cidadãos franceses de acolhimento. E, quer se trate de "lobos solitários" do terrorismo islâmico, quer de membros da Al-Qaeda do Magrebe ou outra organização fundamentalista, o facto de serem argelinos de origem faz do seu acto uma espécie de epílogo de uma crónica longamente anunciada. A crónica dos sucessivos e trágicos erros cometidos pela colonização europeia no Magrebe e no Médio Oriente e da posterior e demencial vingança dos colonizados e abusados.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

Salve-se o lince

 | 

Em matéria de política do ambiente, tudo se resume a duas coisas: cobrar mais impostos à conta da "fiscalidade verde" e gastar milhões a brincar aos linces de peluche.

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI .

 

A prisão e o poder

 | 

1 No domingo, passei à porta da prisão de Évora onde José Sócrates cumpre "a pena preventiva" de prisão preventiva. Já a noite se instalara, as câmaras e repórteres de televisão ali acampados tinham-se retirado e apenas escuridão vinha lá de dentro. Nunca estive preso e custa-me imaginar o que possa ser tal violência, muito embora já tenha visitado vários presos, a começar pelo meu pai, no Forte de PIDE, em Caxias, onde às vezes cumpria uma espécie de penas preventivas pelo crime de querer viver em liberdade. Anos vividos em estado de excepção de direitos e garantias individuais e anos de prática de advocacia criminal não me permitiram ficar imune à violência que estar preso representa sempre, sobretudo se preventivamente. Não quer dizer que me oponha à prisão preventiva ou que não entenda a sua necessidade e fundamento em determinadas situações, apenas que não abdico da exigência de que ela seja absolutamente excepcional e fundamentada. Na minha maneira de ver, a prisão preventiva serve, nomeadamente, para que um marido que já agrediu a mulher e prometeu matá-la, não fique em liberdade para cumprir a promessa, como várias vezes vimos suceder. Mas não pode servir, por exemplo, para facilitar a investigação ou pressionar os presos preventivos a confessarem o que se pretende, desse modo dispensando a investigação de mais trabalhos e canseiras.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub