Anterior
Os tachos de Passos: a "relvanização" da política!
Seguinte
Cavaco Silva: sei o que escreveste no teu Facebook desalinhado!
Página Inicial   >  Blogues  >  Politicoesfera  >   Miguel Relvas e António Costa: uma coligação inesperada

Miguel Relvas e António Costa: uma coligação inesperada

|

1. O Partido Socialista está absolutamente moribundo: António José Seguro arrisca-se a entrar para a história como o pior líder socialista de sempre. Ziguezagueante, sem uma ideia forte, sem convicções - um autêntico cata-vento, que define a sua agenda política ao sabor da espuma dos dias. Verdadeiramente, António José Seguro não é um líder, sendo apenas o gerente ou o administrador de insolvência de um partido (dito) socialista que se encontra completamente insolvente (mesmo falido!) de ideias. Compreendo que é difícil um líder de oposição se afirmar no momento presente, em que Portugal se encontra adstrito ao cumprimento de uma série de obrigações muito apertadas e exigentes contraídas com instituições internacionais. Mas que diabo! Se compararmos as oposições dos países que se encontram em dificuldades financeiras com a prestação do Partido Socialista, porventura, iremos concluir que o PS português é a pior oposição de todas.

2. Estas considerações levam-nos ao protagonismo granjeado por António Costa no presente Verão. O timing da entrevista de António Costa foi cautelosamente pensado: aproveitou o período que antecede as férias (esta época é vulgarmente chamada "silly season") para marcar a sua posição dentro do PS e condicionar, por essa via, António José Seguro. Convém chamar a atenção para o facto de António Costa ter ensaiado já o disparo do tiro fatal a António José Seguro - mas o actual líder do PS gorou-lhe as expectativas. Como? Com o recurso a um expediente ilegal e manhoso de revisão dos Estatutos, fazendo tábua rasa das regras procedimentais próprias da Constituição do partido. Aí, António José Seguro revelou que, para além de um líder político fraco, é uma pessoa com o mesmo carácter de Miguel Relvas. Desta feita, António Costa aproveita o desaparecimento absoluto do líder socialista para o remeter para a mais tremenda insignificância política. Seguro desapareceu do mapa político nas últimas (largas!) semanas porque não tem uma ideia, uma sugestão, um reparo ao Governo - muito menos uma convicção forte. Esse é o problema: António José Seguro é um político despido de convicções, num país à deriva, com um Governo fanaticamente pró-troika. António Costa percebe e, apesar de não conseguir ser guarda-redes do Benfica, será o ponta de lança socialista brevemente. E goleará, naturalmente, António José Seguro.

3. Contudo, chamo a atenção dos caríssimos leitores para um pormenor que passou despercebido aos comentadores políticos: é que António Costa recebeu uma bênção de Miguel Relvas (o Estado, como se sabe, assumiu uma dívida de 277 milhões de euros da Câmara) que torna quase impossível a tarefa de o derrotar nas próximas autárquicas. Explicação? Aparentemente trata-se de uma decisão inacreditável de Miguel Relvas, que poucas semanas antes, tinha lançado o nome de Fernando Seara para Lisboa. Mas não: Miguel Relvas actuou com o intuito de beneficiar António Costa. Facilmente se percebe a razão de ser desta decisão: para o Governo de Passos Coelho, é crucial aguentar António José Seguro na liderança do PS. Porque é um líder fraco; porque é um homem que não se impõe internamente muito menos no país; porque é um conhecido e amigo pessoal de Miguel Relvas e, portanto, muito previsível - Seguro não faz mossa ao Governo. Ao invés António Costa, por muitos defeitos políticos que tenha é um homem de causas; aguerrido no combate político; muito experiente e com um discurso muito agressivo para com o Governo. E os eleitores gostam de António Costa. Já se sabe que com Seguro o PS não descola nas sondagens, mesmo com as medidas duras do Governo, Miguel Relvas e Passos Coelho sentem que com António Costa o filme poderia ser diferente. E tal cenário seria desastroso para o Governo, nesta altura. Por conseguinte, Miguel Relvas ajudou António Costa para o levar a recandidatar-se à presidência da Câmara de Lisboa e tornar mais fácil a sua vitória. Julga-se, assim, que António Costa ficará afastado da corrida à liderança do PS, deixando António José Seguro disputar as próximas eleições legislativas. Miguel Relvas coliga-se objectivamente com Costa, preferindo perder Lisboa do que criar um sarilho futuro para o Governo. Só que estas contas podem sair mal - e vão sair furadas. Porquê? Porque se António Costa ganhar Lisboa e o PS não ganhar com uma folga considerável as autárquicas, o peso de António Costa dentro do PS aumentará. Conclusão: a mente brilhante de Miguel Relvas poderá ter começado a escrever a ascensão de António Costa no PS e, quem sabe, no país.

P.S- Em tempo de Verão e de férias, chamo a vossa atenção para a música do jovem João Só e sua banda, com os seus temas muito bem compostos e interpretados - e com letras muito divertidas e repletas de significado. Para assistir a actuações ao vivo de grande qualidade musical, é ver a jovem banda " Konsumo Obrigatório" com  a sua vocalista Mónica Rodrigues, que irá tocar nas noites quentes (espera-se) de Lisboa.


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 20 Comentar
ordenar por:
mais votados
Jornalismo, opinião e interesses pessoais
Muitos jornalistas especializaram-se em encontrar alguns defeitos ou dificuldades, para de forma redonda, dizer que o 'mundo' vai acabar.

JLE ao dizer, «...António José Seguro não é um líder, sendo apenas o gerente ou o administrador de insolvência de um partido...», nota-se um sentimento que confunde o desejo com a realidade.

Recordo apenas que nenhum líder é inquestionável, enquanto não forma governo...

Se é isso que demonstra capacidade de liderança;
Se é isso que permite (com o nosso dinheiro) dar tachos aos conspiradores (como acontece com cavaco em relação ao JPSLopes - até criou uma secretaria);
Se é isso que permite ameaçar os adversários internos;
Se é isso que permite exercer uma vingança profícua;
Se é, não sei! Mas sei que quem distribui tachos, quem satisfaz boys, quem 'ameniza' jornalistas, já é considerado um grande líder.

Bolas, que somos mesmo (enquanto povo) masoquistas!!!!
O SEGURO é o maior amigo do PASSOS de Coelho
Re: Jornalismo, opinião e interesses pessoais
Crónicas
No texto de Esteves há uma verdade, acima de toda a dúvida ; O Governo tem todo o interesse em manter Seguro como lider do PS. É da mesma geração da parelha dirigente (Passos/Relvas), ao que parece, há um longo conhecimento mútuo e vias de contacto privilegiadas.
  Quanta da fraqueza de Seguro não será devida ao constrangimento de enfrentar amigos ??

Quanto às intrigas sobre Lisboa, não me parecem muito fora de contexto. Lisboa , com Costa, é sempre um objectivo muito difícil e será o preço a pagar por manter o principal adversário de mãos atadas. Enquanto presidente da câmara, Costa estará ocupado e são quatro anos de folga.

A tareia a Seguro era desnecessária e não prima pela elegância. Esteves, talvez pela juventude e aspecto frágil opta pelo vozeirão e bicos de pés.
  Seguro é o típico político profissional, nado e criado nas juventudes partidárias e não é muito diferente dos seus congéneres, em vários partidos.
Podem ser considerados um efeito perverso do sistema, que cria gente sem contacto com a realidade, vivendo na redoma da vida partidária,com a pequena intriga,os grupos, as facadinhas, como companhia do dia a dia.
Seguro não faz mossa ao Governo.
Se Seguro não faz mossa ao Governo, isso não pode nem deve ser entendido, como sinal de fraqueza do líder socialista, mas antes como a consequência do seu sentido de responsabilidade perante as dificuldades que o país atravessa e para as quais muito contribuíram os governos socialistas, inclusive num dos quais António Costa foi ministro. O período eleitoral ainda se encontra distante pelo que o líder socialista disporá de tempo suficiente para apresentar propostas alternativas às da actual coligação e apontar os erros cometidos pelo governo de Passos Coelho. O povo não compreenderia uma oposição agressiva, como sugere o cronista, que pusesse em causa a estabilidade do país. Seguro tem feito a oposição possível; a oposição crítica com responsabilidade.
Re: Seguro não faz mossa ao Governo.
Re: Seguro não faz mossa ao Governo.
Presunção e água benta
...mais uma língua viperina à procura de protagonismo.

O estilo está ultrapassado, o conteúdo são apenas presunções e muito fel, e sobre o todo perpassa um vago sentimento de inveja da importância das pessoas de quem fala (quase sempre mal, aliás).

Presume que tem algo para dizer e apenas se contorce com um réptil agitando a língua bífida e cuspindo veneno.

É de supôr que venha a ter o destino de todos os répteis: depois de mudar de pele várias vezes, acabará por desaparecer debaixo de uma pedra.

AJS versus AC
Observo que alguns comentários tentam fazer crer que AJS tem sido um bom líder da oposição, mas só se fôr para o Governo. António José Seguro tem única e simplesmente, deixado passar impune toda e qualquer medida tomada pelo Governo, por mais gravosa que a mesma seja para o Povo. Tem levado a que a visibilidade do Partido Socialista, como maior partido da oposição, seja nula. Não há qualquer crítica ou ideia que contraponha às medidas gravosas que o Governo tem tomado. Efectivamente António Costa, não só tem ideias, carisma e influência como tem uma outra coisa que o Governo não quer e que já deu provas como Presidente da Câmara de Lisboa, tem apoio à esquerda, situação que incomoda muita gente.
Não sei se é bem assim

Tem havido uma tendência generalizada para apoucar Seguro.
De facto parece que o homem não cola com o lugar. Aparentemente só tem uma ideia (prolongar o plano de assistência por mais um ano), não ganha debates com Passos na AR, não gera empatia, enfim, é como se não existisse.

Mas em Portugal isso não interessa nada, como é manifestamente provado por Cavaco, Guterres, Barroso, Sócrates, Passos, todos eles apagados, sem chama nem carisma até ao dia em que se tornam 1ºs ministros perante a estupefacção geral.

Não menosprezem Seguro. Para lá chegar a única qualidade indispensável é a paciência e a intuição do momento certo para dar a estocada na maioria.
!
"António José Seguro não é um líder, sendo apenas o gerente ou o administrador de insolvência de um partido (dito) socialista que se encontra completamente insolvente (mesmo falido!) de ideias".

Gostei desta. Aquilo que eles fizeram ao País desde 1995 era o sufuciente para ficarem falidos para sempre ... mas não só de ideias...!!!
Já em anteriores
comentários que fiz aqui no expresso sobre A. J. Seguro, tenho quase a certeza que disse precisamente o que João Lemos Esteves acaba de opinar.
Subscrevo totalmente o que aqui foi dito sobre A. J. Seguro, porque ele foi e é desde há muitos anos amigo pessoal principalmente do Miguel Relvas.
Não é por acaso que quando estalou a bronca do não diploma, A. J. Seguro nem um comentário fez acerca de um tema que todo o país comentava e ridicularizava.
Há pessoas que pela sua forma de ser e de estar na vida, a sua garra e a sua frontalidade, têm muita propensão para líderes.
A.J.S., está muito longe disso.
Tem feito uma (não) oposição ao governo, porque no fundo se abrir muito a boca, o Relvas vai cair-lhe em cima.
O PS com Seguro, está mesmo morto, já nem sequer está moribundo.
António Costa deveria mesmo acabar o mandato na Câmara, mandar o Seguro para o PSD, e tomar as rédeas ao PS.
Já chega deste governo pessimista, cinzento, retrógado e conservador.
A minha geração lá teve o seu Salazar. Chega!
vou informá-lo de
os terrenos adquiridos, pertença da CML, estarão incluidos no projeto de privatização da ANA.
ora os terrenos não eram do Estado; foram comprados para que depoisse possa alienar, esperando-se encaixar uma boa maquia com a privatização da empresa aeroportuária!
mais, até lhe arranjo um potencial comprador, quer ver:
"A operadora aeroportuária alemã Fraport disputará a compra da ANA Aeroportos de Portugal, afirmou o diretor de projetos da Fraport, Felix von Berg, a jornalistas após palestrar em seminário sobre aeroportos em São Paulo.
A venda, que será feita após uma concorrência publica, deve ser concretizada até dezembro."
Agora investigue...se calhar foi o Relvas que obrigou a fraport a avançar (o Felix von Berg é maçom!e estudou na Lusófona tb!)...
Teoria da conspiração?
E o Óscar na categoria de "Melhor conspiração política inventada por um comentador" vai para............. trrrr...... trrr....... João Lemos Esteves!!
Re: Miguel Relvas e António Costa: uma coligação i
Pois essa teoria de conspiração do relvas é uma coisa demasiado elaborada mesmo para quem tem um QI muito acima da media como parece ser o caso do dito cujo...Ó seguro é uma nulidade... é mais do mesmo... e não tem uma ideia que seja aproveitavel para o pais... dali só sai caca mesmo...é um politico profissional como há muitos neste pais e cujo unico talento é o chico espertismo.....
Meu benfeitor ...
... finalmente umas palavrinhas sobre Miguel Relvas ... as saudades já não se aguentavam !!! Esta mistura em liquidificador politico com Costinha Salvador da Pátria ... umas pitadas de nada e um pouco mais de qualquer coisa ... A Bem da Nação e Ávante que a Festa vai boa ...
Silly Season...
Em primeiro acho piada a este rapazola, faz uns artigos para o Expresso e grande parte destes não passam de reflexões de uma mente distorcida.

Nos últimos tempos existe uma moda na Comunicação Social e na sociedade em geral, dar pancada em Relvas, este rapazola muito gosta de desancar no Ministro, invocando causas ou motivos que nem lembra ao diabo.

Sobre o conteúdo do artigo, o rapazola acha que Relvas deu uma benesse a António Costa, esquecendo-se de um pormenor importante, a privatização da ANA e TAP.

Este acordo permite ao Governo avançar com a privatização sem estar dependente do litígio sobre os terrenos do Aeroporto de Lisboa, pelo que é público estes eram da CML.

Sobre Seguro, não é propriamente um líder incontestável no PS, não tem carisma e as ideias não abundam, repete até a exaustão que é necessário prolongar os prazos do memorando de entendimento, que a austeridade é má.

Qualquer que fosse o líder do PS estaria numa situação terrível, o Engenheiro Bancarrota deixou o país na ruína e ainda por cima deixou o memorando de entendimento com a Troika para o seu sucessor, Seguro está bem entalado.

Não é fácil ser-se alternativa perante um passado tão negro, a memória está muito fresca e ninguém irá esquecer os 6 anos de Sócrates..

Todos os dias temos notícias de surpresas, esqueletos escondidos nos armários...

Falta uma cadeira ao Relvas...
É uma cadeira pelos cornos abaixo...
Ó João
João Lemos Esteves, não gosto de criticar destrutivamente, como tal recebe isto como uma benevolência, tem calma, eu entendo-te, mas o teu tempo chegará.
E se chegar, ansiamos para que não te contradigas a ti mesmo.
Uma opinião só, passa mais tempo a estruturar o teu comentário, e quiçá a pensa-lo melhor também, são dois ou três parágrafos, convém ser informação crédula.
Melhores dias virão ;)
Comentários 20 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub