17 de abril de 2014 às 8:19
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Miguel Relvas: clima de contestação foi "gerado e estimulado"

Miguel Relvas: clima de contestação foi "gerado e estimulado"

O ministro da Presidência foi hoje várias vezes vaiado durante o seu discurso no Congresso Nacional das Freguesias, em Portimão.
Lusa

O ministro Miguel Relvas afirmou hoje que o clima de contestação com que foi recebido, em Portimão, no encerramento do congresso nacional das freguesias foi "gerado e estimulado", mas escusou-se a apontar culpados.

"Todos estes climas são gerados e são estimulados e este clima foi estimulado. Estavam aqui vários autarcas", disse o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares aos jornalistas no final do 13.º Congresso da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), que decorreu em Portimão.

Miguel Relvas escusou-se a concretizar os mentores da contestação: "Não me compete a mim, não sou comentador político".

O ministro disse que acredita "firmemente no caminho que está a ser seguido", o que o levou a marcar presença no encerramento do congresso, observando que para evitar a contestação "o mais fácil" seria não estar presente.

Reforma tem vários autarcas a trabalhar


"Nunca vi reformas a favor de palmas e de aplausos. As boas reformas são feitas com determinação, com realismo e contra a adversidade", disse Miguel Relvas.

O governante frisou que quando o Governo anterior assinou o acordo com a troika "estava prevista a extinção de freguesias, como estavam previstas outras medidas difíceis e delicadas que estão a ser cumpridas".

Contudo, Miguel Relvas realçou que a reforma do Estado central, regional e local, será feita como forma de valorizar as freguesias, porque, disse, "é altura dos portugueses deixarem de pagar os sacrifícios" com aumentos de impostos.

"Esta reforma tem vários autarcas a trabalhar e estamos a conversar com as associações de municípios e de freguesias ", concluiu.
 

Comentários 59 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Material explosivo
Tentar extinguir a mais pequena chafarica pública em Portugal é uma missão altamente perigosa e requer traje especial.

Por menor que seja a Junta, é um estrutura que dá poder, que dá prestígio, ás vezes dá emprego a pessoal partidário e qualquer ataque é visto como um rombo no edifício autárquico, ninho de ladrões, de Norte a Sul, com honrosas excepções. As comissões nas compras, as requalificações
  de terrenos, as empresas municipais, têm produzido, ao longo dos anos, centenas, senão milhares de novos milionários, que compram apartamentos em municípios vizinhos, ou nas grandes cidades, que têm toda a família empregada no esquema e só sairão de lá à bomba.

Da próxima vez, é melhor o Relvas levar escolta reforçada, ou sai de lá em pedaços.......
Re: Material explosivo Ver comentário
Re: Material explosivo Ver comentário
Re: Material explosivo... as Ver comentário
O cancro são as câmaras não as freguesias
Não digo que não haja sitios onde o número de freguesias tenha que ser cortado ou reduzido , principalmente nas grandes cidades , onde essa divisão territorial já não faz sentido e a sua existência é redundante com a existência de outros seriços camararios , etc ...

Agora , o grosso , a maior parte , a grande maioria não , continua a fazer falta , são o último garante de conexão territorial em muitos locais onde reina a desertificação e onde outros serviços publicos e privados já desertaram.
Alem do mais são o meio mais eficaz e rentavel de gestão dos dinheiros publicos , como bem disse um representante das freguesias ,não fomos nós que fizemos as dividas.

O governo erra claramente no alvo , o problema sim , são as autarquias , essas sim estão mais que endividadas e têm que ser fortemente reduzidas , para metade ou um terço.
São um péssimo exemplo de gestão , não são sustentaveis ao contrario das freguesias.
E actualmente não se justifica ter-se uma divisão territorial tipo sec. XIX , com as actuais vias e meios de comunicação , que reduziram e muito as distâncias , existindo câmaras ao lado umas das outras.

Há que fazer a ligação do número das autarquias com a distância em termos de tempo , fazendo reagrupar autarquias em entidades maiores , para que se possa poupar assim em redundâncias de custos , aqueles que se repetem câmara a câmara.

É aqui que o governo deve atacar , não nas freguesias , mas este governo , como sempre ataca é os mais fracos.
Miguel Relvas: tem subido uns pontos insperados...
E não é que até estou a admirar a coragem de Miguel Relvas ?

Será que ele ao tomar posse também tomou uns comprimidos para aumentar a coragem ?

Aparecer de frente aos PRESIDENTES DE JUNTA, que vão ser eliminados?

É meter-se na boca do lobo...

Ou é teso ou tolo...

Re: Miguel Relvas: tem subido uns pontos insperado Ver comentário
Re: Miguel Relvas: tem subido uns pontos insperado Ver comentário
Esse relvado...
...está minado. Cuidado Relvas.
As Juntas de freguesia em Portugal, de um modo geral, constituem a amostra de tudo quanto é mau e que é ampliado quando falamos do Estado.
Ou seja, a malandrice de que enferma o Estado e que tanto odiamos, tem nas Juntas de Freguesia, as suas "escolinhas" estabelecendo um paralelo com o que se passa no futebol. Caciquismo, negociatas, nepotismo entre outros, desenvolvem-se nas Juntas fazendo delas a maior parte delas, verdadeiros "abcessos" dos quais se alimentam vários "artistas" e que por sua vez dão de comer a outros tantos da respectiva igualha. São como assim dizer, os "juvenis" numa escala em que o Estado seriam os "seniores" e as Câmaras os "juniores". Clientela partidária menos cotada e mais boçalóide, começa pois por aqui a sua "carreira".
Quem não se lembra da célebre expressão cómica do "o prasidante da junta sou eu, hum..."
Re: Esse relvado... Ver comentário
Miguel Relvas clima de contestação foi estimulado
Sempre se disse que quem espalha ventos se arrisca a colher tempestades. Este ministro que deve ser mesmo assim o maior trauliteiro deste governo, apesar de não faltarem por lá bons exemplos, só está a colher o que semeou quando era oposição. Pessoalmente até acho que no caso presente até tem razão, pois o País tem de fazer a reforma da Administração, porque a última foi feita em 1832 por Mouzinho da Silveira e até cá muita coisa mudou. No entanto cá se fazem cá se pagam e no caso presente nem paga o justo pelo pecador, mas sim pecador.

Agentes provocadores
Quem gerou e estimulou então esta contestação ?

Será que foram os agentes provocadores da polícia ?

http://goo.gl/KDDOv

Ah , não , estes trabalham para o governo.

Mas realmente o governo sabe do que fala de provocação percebe ele.
Não é nada que não tenham feito...
...quando estavam na oposição.... lembram-se das "esperas" que faziam sempre que o Sócrates se deslocava a algum lado?

«Miguel Relvas: clima de contestação foi "gerado e estimulado"»

... como se isso fosse necessário ou não houvesse motivos!... Salazar também utilizava os mesmos métodos para acusar quem discordava dele.
Poder Local contra este escroque político!
Este homem não tem legitimidade intelectual, em nenhuma área, nem reconhecimento público de seriedade política, para uma reforma destas, porque ela toca com o mais estimado setor do nosso Estado que as populações mais amam e a que mais devem.

Este jagunço político, isolado e desprezado pelo mundo da política autárquica, é hoje Presidente da Assembleia Municipal de Tomar, através de uma coligação que implementou entre o PSD e PS nabantino, dando pelouros a tempo inteiro a dois vereadores socialistas, a troco de ser votado para Presidente da AMTomar. Estava isolado e desprezado pelo seu próprio partido em Tomar, depois de MFLeite o ter enxotado das listas nas penúltimas legislativas. A coisa foi feita à pressa, para não desaparecer da política - ruiu a semana passada.

Este escroque político quer armar-se em Mouzinho da Silveira, o grande Reformador do séc. XIX, quando não se lhe conhecem uma ideia política, um pensamento digno sobre o que quer que seja.

Este homem é um perigo para a democracia portuguesa, o que nomeou Luís Duque e JMFernandes para definir serviço público para a comunicação social.

Que categoria tem esta bestunta política para mexer na menina dos olhos da Fundação da nossa Pátria, da sua independência, que foi o Poder Local Municipalista? Que credibilidade lhe é reconhecida?

Até quando os autarcas honestos deste Portugal vão ouvir e dialogar com o maior inimigo da nossa democracia desde Abril 74?

A este homem ninguém "compraria uma BIC"!
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Situação!!Explique-se!!! Ver comentário
Re: Situação!!Explique-se!!! Ver comentário
Não sei o quê ? Ver comentário
Re: Não sei o quê ? Ver comentário
LoooooooooooooL Ver comentário
Re: LoooooooooooooL Ver comentário
Você não tem culpa! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Re: Poder Local contra este escroque político! Ver comentário
Claro que sim
Foi gerado por quem nos colocou nesta situação.

Ou será que ele pensa que nos temos todos a qualidade de vida dele?

"Todos estes climas são gerados e são estimulados"
Foram vocês (Políticos portugueses) que criaram estes tachos artificiais, lidem com eles agora!!!
As freguesias são o 1º patamar do poder local
As freguesias são o 1º patamar do poder local. São o orgão autárquico que mais perto está das populações.
Poder-se-á ter a tentação de dizer que quase não servem para nada dada as escassas competências próprias que detêem.
Enganamo-nos porém se tivermos apenas tal ideia.
  É que a dinâmica e a pressão que uma Junta de Freguesia pode exercer ao nível das instâncias competentes, quando a competência não é sua, é muitas vezes (se não a maior parte das vezes) determinante na resolução dos problemas que afectam a população.
Por isso a importância tão grande que este primeiro patamar do poder local tem por ser aquele que mais próximo está dos eleitores.
Podemos dizer que está cara a cara diariamente com os eleitores. Por isso uma Junta de Freguesia representa também um ajudante de peso para qualquer Munícipio.
E será que a despesa que afoga o país vem das Freguesias? Juntem todos os automóveis de luxo que estão à porta dos Ministérios e Secretarias de Estado (a começar no Sr. Relvas) e todas as benesses dos titulares desses orgãos e veremos que o seu valor dá para colocar todas as Freguesias deste país a funcionar durante mais de dois anos.
Continuamos a cortar a despesa no mais miserável...
Já se ouviu alguma coisa sobre o corte das despesas nas Câmaras Municipais? É que aí pia mais fino, não é Sr. Relvas? Porque não começa por aí?...

clima de contestação foi "gerado e estimulado" ??
Não vá por aí Sr. Ministro. Olhe que Salazar costumava queixar-se do mesmo.
UNAM-SE SENHORES AUTARCAS.
É bom chamar a atenção para uma realidade muito importante que se manifesta neste forum, relativamente aos que atacam as autarquias e os autarcas:

ELES SÃO, OU PARECEM, AQUELES RESSABIADOS QUE JOGARAM NAS LISTAS B E PERDERAM, DESGRAÇADAMENTE, CONTRA AS LISTAS A.
(Em letras maíúsculas, não gritadas, só para eles lerem melhor, porque o que os move é ressabiamento)

Miguel Relvas é o demagogo ajuntador destes bandos épicos que não conseguiram ainda deitar mãos, já não ao esbulho, mas aos despojos.

Portanto, é gente do mundo partidário, perigosa para a democracia e para o povo, porque não houve paínço para eles.

Disponibilizem-lhes qualquer coisinha... Coitados.

Mas lembrem-se: os despojos não os chincam. O Escroque do Miguel Relvas já os tem assinalados - os que vão abocanhar depois desta reforma, caso os autarcas não o mordam à dentada em próximas reuniões.

O Poder Local é a menina dos olhos dos últimos 37 anos.

A maioria dos autarcas são bons servidores do povo.

Os mamões tão à rasca...
O problema da redução do número de freguesias é a perda da "MAMA" de muitos autarcas e seus lacaios, e foi isso que levou à saída de metade dos delegados.
  E o grande "cancro" do sistema é exactamente este problema de mexer nos interesses instalados que não querem largar.
Foram os sucessivos governos que criaram estes "TACHOS" e alguns deles já tentaram eliminar este despesismo, mas foram fortemente influenciados para não o fazer.
Só um governo com "TOMATES" é que poderá acabar com esta roubalheira e vamos lá ver se este "GOVERNO" também não desiste.
Parece-me que este Portugal está condenado a ter que cair ao abismo, e só depois é que vamos trepar a encosta desse abismo para chegarmos à superfícíe...

Re: Os mamões tão à rasca... Ver comentário
O MEU PAPEL
Qual o meu papel no combate contra a corrupção, a injustiça e a irresponsabilidade política no nosso país? A minha crítica mostra-se coerente com os meus actos e com as minhas escolhas? A minha participação democrática resume-se à escolha de um símbolo partidário que depois toma todas as decisões por mim. Faço realmente parte de uma democracia ou sou vítima de uma burla política? A 100editora.net iniciou a primeira batalha. Vale a pena participar?
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub