23 de abril de 2014 às 15:41
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Miguel Morais Leitão nos Assuntos Europeus

Miguel Morais Leitão nos Assuntos Europeus

Antigo secretário de Estado do Tesouro vai agora com Paulo Portas para um posto decisivo nos Negócios Estrangeiros.
Filipe Santos Costa (www.expresso.pt)
Com Miguel Morais Leitão (à direita), Paulo Portas coloca alguém da sua confiança como secretário de Estado dos Assuntos Europeus Ana Baião Com Miguel Morais Leitão (à direita), Paulo Portas coloca alguém da sua confiança como secretário de Estado dos Assuntos Europeus

Miguel Morais Leitão é o novo secretário de Estado dos Assuntos Europeus, apurou o Expresso. O ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, consegue assim colocar alguém da sua absoluta confiança num posto decisivo para a política externa.

O perfil de Morais Leitão encaixa bem no pendor mais económico que Paulo Portas quer dar ao seu ministério. Licenciado em Direito, mas com um percurso feito na área financeira, Miguel Morais Leitão estava ligado ao BPI, onde trabalhou sobretudo na área de pensões e fundos de investimento.

Número dois do MNE


Enquanto secretário de Estado-Adjunto e dos Assuntos Europeus, Morais Leitão será o número dois do MNE, substituindo Portas sempre que isso seja necessário.

Durante o Governo de coligação entre Durão Barroso e Paulo Portas, Miguel Morais Leitão ocupou dois cargos públicos: foi presidente do conselho de administração da EMPORDEF (a holding das indústrias de defesa do Estado), tendo-se destacado no processo de privatização das OGMA; e foi secretário de Estado do Tesouro e das Finanças do XVI Governo Constitucional, com Bagão Félix.

Ao longo dos últimos dias, corria a informação de que os Assuntos Europeus ficariam para um nome do PSD - o que acabou por não se verificar. Sendo assim, para o PSD deverá ficar a secretaria de Estado das Comunidades - é apontado Feliciano Barreiras Duarte -. assim como a Cooperação.

Comentários 27 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Um a um lá vão aparecendo...
... não tarda que os 11 se transformem em 41.
Re: Um a um lá vão aparecendo... Ver comentário
Re: Um a um lá vão aparecendo... Ver comentário
Pois mas na area da saúde o ministerio não pode
estar ocupado por alguem que nada percebe de saúde. O individuo de saude só se fôr patra tratar da saúde dos bolsos dos cidadãos, das companhias de seguros e dos grupos financeiros, mas com terapias diferentes para cada caso, como é obvio. Agora saiu recentemente do conselho de administração da empresa de seguros de saúde privados MEDIS. É o mesmo que entregar o ouro ao bandido. E mais a saúde não é uma mercearia para ser gerida por um individuo que sabe de números com a particularidade de ter conhecimentos informáticos...
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Re: Pois mas na area da saúde o ministerio não pod Ver comentário
Meu caro runaldinho. Abdiquei dos meus mais de 100 Ver comentário
É isso mesmo que pretendem. Mais de 1 milhão Ver comentário
Re: É isso mesmo que pretendem. Mais de 1 milhão Ver comentário
O resistente ...
a quê? Este senhor não deve pagar impostos e, como tal, pensa que os serviços e cuidados de saúde não têm que ser financiados, que a despesa na Saúde não tem de ser controlada, enfim, que estamos num País onde tudo é de borla. É o tal Estado social num país de fadas madrinhas e varinha de condão. Como se o Dr. Paulo Macedo já não nos tivesse dado provas de ser competente e irrepreensível ...
Re: O resistente ... Ver comentário
Todos com uma experiência em gestão-economicista
È o que o pais necessita , mas será exequível, sem serem circunspectos em relação á passagem da teoria a pratica??

Esperemos para ver esta gestão austera de pastas como exemplo a da Assunção Cristas - Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território sem experiência politica numa situação de extrema decadência em alguns deste sectores estão .
  Pensando positivo pior não deve ficar !!! Só o tempo nos transmitirá confiança ou desconfiança com os resultados deste trabalho espinhoso .
Excelente escolha
Mais uma excelente escolha para o novo Governo. O Dr. Miguel Morais Leitão tem extraordinárias qualidades técnicas, pessoais e políticas que postas ao serviço do País são mais um factor de confiança no novo caminho que Portugal tem que trilhar. Saúdo mais este português que abdica, seguramente, de bem estar pessoal em nome do bem comum. Parabéns.
Miguel Morais Leitão
a ver vamos......?????
Mais um cúmplice da perda da soberania.
Para alcançarem seus fins, os “homens de negro” da UE e do FMI não foram mesquinhos. Começaram por recusar o desbloqueamento de uma fatia de 12 mil milhões correspondentes a uma parte dos 110 mil milhões de crédito concedido à Grécia em Maio de 2010 . Em seguida acenaram com a promessa de um novo empréstimo, reembolsável em três anos, de um montante de 30 mil milhões de euros (20 mil milhões pela UE e 10 mil milhões pelo FMI). Em contrapartida, exigiram que a Grécia acelerasse a privatização dos seus serviços públicos e pusesse em acção um novo “plano de austeridade” a acrescentar-se aos quatro anteriores. O governo grego tendo aceite os seus diktats, eles (por enquanto pelo menos) decidiram desbloquear a fatia de 12 mil milhões do empréstimo já acordado em 2010 e conceder à Grécia um novo empréstimo de 30 mil milhões de euros em 2012.

O drama que hoje se desenrola na Grécia já começou a desenrolar-se na Islândia, na Irlanda, em Portugal, na Espanha e arrisca-se muito, se se deixarem livres as mãos dos dirigentes da UE e do FMI, a desenrolar-se amanhã na Itália, Bélgica, França…
Algém que pode ajudar Portugal na Relação C/Europa
Desejo os maiores votos de sucessso Profissional e Pessoal. Trata-se de alguém que está à altura do cargo! Conhecendo a pessoa, os seus métodos são directos e eficazes e a sua gestão eficiente! tudo de bom para Portugal.
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub