2
Anterior
EUA: novo escândalo sexual no Congresso
Seguinte
Sónia Brazão arrisca pena entre três a 10 anos
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Meteo: temperaturas vão descer

Meteo: temperaturas vão descer

Pequena subida da temperatura e enfraquecimento do vento previstos para amanhã é sol de pouca dura. Já na sexta-feira os valores do termómetro voltam a descer no litoral oeste. Agosto será ameno.

|
Menos vento mas também menos calor este fim de semana no litoral
Menos vento mas também menos calor este fim de semana no litoral / Paulo Cordeiro/Lusa

Tudo indica que este será um verão atípico. Deveria estar a fazer mais calor, mas alterações da situação meteorológica estão a condicionar o tempo em Portugal continental, que vai continuar a oscilar em agosto.

A partir do dia 1, a tendência é para uma descida acentuada da temperatura,  adverte o meteorologista Bruno Café, do Instituto de Meteorologia.

Para quinta-feira, 28, a previsão para o continente é de céu geralmente limpo, pequena subida da temperatura máxima nas regiões Norte e Centro e ligeira descida no Sul.

O vento vai passar a fraco (inferior a 15km/h) em Portugal, exceto no Algarve e zonas montanhosas, onde vai soprar moderado ( 15 a 25km/h).

Menos 4º a 5º C em agosto


O aumento do calor vai sentir-se apenas na quinta-feira (máximas de 37º C em Castelo Branco e Évora), visto que na sexta-feira Portugal volta a ter temperaturas mais amenas com nova descida da máxima no litoral oeste, e neblina ou nevoeiro matinal.

No sábado, o céu apresentar-se-á com alguma nebulosidade, situação que se vai repetir nos dias seguintes. Assim, neste sábado haverá pequena descida da temperatura, em especial da máxima no litoral oeste e da mínima no interior norte e centro.

A partir de segunda-feira, dia 1 de agosto, se se mantiver a tendência haverá uma descida acentuada da temperatura máxima, que poderá sofrer uma queda da ordem de 4º a 5º C, mantendo-se esses valores no Norte e Centro, em especial, mas também no Algarve. 

Julho ventoso


De acordo com o Instituto de Meteorologia, após um período de temperaturas elevadas e de vento fraco no final de junho e início de julho, uma alteração da situação meteorológica no passado dia 3 de originou no território continental descida das temperaturas. E também aumento da intensidade de vento, que passou a soprar moderado a forte, em particular no litoral oeste, nomeadamente a partir de dia 17 de julho, dia em que se registaram 74km/h em Lisboa e 56km/h em Setúbal, como valores máximos de rajada.

A explicação do Instituto de Meteorologia é que uma grande diferença de pressão entre o Atlântico, com o anticiclone dos Açores intenso, e uma região depressionária na Europa Ocidental (uma depressão na região das ilhas britânicas associada à depressão térmica no interior da Península Ibérica), provocou esta situação de vento forte, que ocorreu mais intenso no litoral do que no interior, pelo efeito de brisa marítima que intensificou o vento de Noroeste, em especial durante a tarde.

Segundo a análise  divulgada no site do Instituto de Meteorologia, o anticiclone dos Açores, que em condições normais de verão deveria ter o seu núcleo principal a norte do arquipélago, teve-o ligeiramente a sul. Posicionamento que permitiu ainda a passagem de ondulações frontais da corrente de Oeste, que nesta época do ano deveriam atingir as latitudes mais a Norte, e que acabaram por se dirigir para Sul, influenciando Portugal Continental, sobretudo o Norte, região onde se registou até alguma precipitação.

Associada a esta situação meteorológica de vento registaram-se, até ao passado dia 20, em todo o território, à exceção da região do Algarve, nomeadamente no litoral oeste, temperaturas abaixo do normal para a época. Deve, contudo, salientar-se que desde 2000 já ocorreram seis anos em que a média da temperatura máxima, em julho, foi inferior à normal do período de 1971-2000, conclui o Instituto de Meteorologia.  

 


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
É consequência de problema político nos Açores.
Quando César perde força a temperatura baixa no Continente. Nem tudo se justifica com o aquecimento global.
culpados
A culpa deste verão atípico é com certeza do Governo! Quem mais pode ser culpado? Ok! A culpa é do S. Pedro! Demita-o Sr. Cavaco!
Comentários 2 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub