Anterior
Uma guerra cada vez mais nossa
Seguinte
Um gigantesco bunker chamado Cabul
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Internacional  >  O Expresso no Afeganistão  >   Médicos portugueses capazes de salvar americanos

Médicos portugueses capazes de salvar americanos

O Expresso chegou a Cabul num voo militar com uma equipa médica portuguesa que vai tentar salvar a vida dos soldados que estão na frente de combate. O novo hospital militar do Afeganistão está preparado para uma guerra maior, mais exigente e mais mortífera.
|
Equipa médica militar a bordo do Hércules C-130 que os levou para o Afeganistão
Equipa médica militar a bordo do Hércules C-130 que os levou para o Afeganistão /  Micael Pereira

Entrar no espaço aéreo do Afeganistão funciona como uma pequena injecção de adrenalina. Até aí, nos dois dias que ficaram para trás desde que saí de Lisboa, o pesado e barulhento Hércules C-130 da Força Aérea Portuguesa voara como se estivesse a navegar num lago parado.

O major que comandava a tripulação explicou o que se ia passar: por razões de segurança, poderiam acontecer manobras imprevisíveis. "Vamos entrar na zona de turbulência", disse ele a brincar. Para a maioria dos 15 médicos, enfermeiras e socorristas militares que viajavam comigo, este era o nosso baptismo de fogo no "C", como carinhosamente é tratado o C-130 entre oficiais. E uma estreia também no Afeganistão.

O avião desceu quase a pique, colando-nos às redes laterais da espécie de armazém que o C-130 é por dentro, e rapidamente se fez à pista. Cabul está num vale rodeado de montanhas - o maciço Hindu Kush - como se fosse uma cratera de muitos quilómetros, despovoada de árvores e inundada pelo pó do Verão. Tudo é castanho e seco à volta.

Foi uma viagem interessante, ao contrário dos avisos que me fizeram em Lisboa, em relação às condições que o C-130 improvisa para os passageiros. O verdadeiro desconforto no avião é o rugido incessante dos motores a hélice, mas que se resolve com tampões ou auscultadores. As duas noites de paragem pelo caminho, em Salónica (Grécia) e Baku (Azerbeijão) ajudaram. Deu para dormir e ler um pouco mais sobre o Afeganistão. O teatro da guerra está a mudar rapidamente e um dos muitos sinais disso é o novo hospital militar que vai ser estreado esta semana em KAIA, a sigla para Kabul International Airport, e onde a equipa de médicos que veio no avião vai trabalhar, debaixo das ordens dos militares franceses.

A equipa médica, na verdade, só tem dois médicos: Alípio Araújo, especialista em medicina, e Olavo Gomes. Os outros militares são enfermeiros (quase todos mulheres), socorristas e técnicos de laboratório e análise. Vêm montar uma enfermaria e gerir os internamentos dos feridos em combate, dos feridos ou doentes nos quartéis da missão da NATO no país (a ISAF, International Security Assistance Force) e, em terceiro lugar, de alguma população civil afegã. Outras equipas virão mais tarde revezar esta, que ficará em comissão até Outubro.

Na pista, o calor estava suportável. Mais do que seria de esperar. Eu e os dois jornalistas da agência Lusa, que aproveitaram também o voo para virem em reportagem, fomos avisados que era provável que nos primeiros dias pudéssemos sangrar do nariz, por causa do clima tão seco.

KAIA é um aeroporto misto, onde aterram também as ligações comerciais, mas a maior da sua área e das áreas envolventes foi transformada num enorme complexo militar, com a presença de soldados de 11 países da NATO, incluindo Portugal, que tem instalada dentro do seu perímetro uma unidade de formação e treino ao exército afegão da divisão de Cabul.

Na gare, soldados americanos acabados de chegar dos Estados Unidos aguardavam pacientemente que os viessem buscar em carros blindados para as suas unidades. Um batalhão de centenas de legionários franceses passou por nós em passo acelerado. Disseram-me que vão substituir soldados de infantaria, o que é uma indicação de que a guerra, se já era séria, está a ficar ainda mais séria.

Proibidos de ir à cidade

As medidas de segurança são extremas. Os médicos portugueses estão proibidos de sair do campo militar do aeroporto durante os quatro meses que vão cá permanecer. E a circulação fora dos quartéis é planeada e feita como se tratasse quase de uma saída para combate.

Desde que cheguei, faz agora 24 horas, ainda não pisei um metro de chão que não fosse solo militar. Para nos levarem do aeroporto para um outro campo da NATO, baptizado de Warehouse, a 13 quilómetros de distância, foi formada uma coluna de nove carros, com um grupo operacional de comandos em prontidão máxima, a conduzirem típicos Hummers americanos. Às entradas e saídas dos checkpoints, todos os veículos militares ou civis são inspeccionados por um detector de explosivos.

Há uma razão para tanta cautela: as ameaças mais séria à segurança dos militares no Afeganistão são hoje as bombas de fabrico caseiro que os insurgentes, como é aqui chamado o inimigo, colocam nas bermas das estradas ou em carros incaracterísticos que se metem pelo caminho. Por isso, os veículos da ISAF tem um letreiro vermelho à retaguarda para que ninguém se aproxime e não deixam que ninguém se meta pelo meio de uma coluna de transporte.

Em 2006, quando os Comandos portugueses andavam em operações de busca e combate no sul do país, onde a situação é mais crítica do que em Cabul, os procedimentos de segurança adoptados eram menores. O perigo vinha das balas das Kalashnikovs. Mas os insurgentes adaptaram-se e evoluíram, importando do Iraque, ainda que não na mesma escala, o método do bombista suicida. É por isso que o novo hospital onde os médicos portugueses vão trabalhar está preparado para um perfil muito particular de feridos em combate. Os amputados.


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 30 Comentar
ordenar por:
mais votados
É UM MARTÍRIO.
Já viajei algumas vezes em Hercules c-130. Já fiz Beirute - Paris. É um inferno.
No Afeganistão está em curso, com tendência a recrudescer, uma guerra universal. Estão em jogo estágios de civilização antagónicos, que envolvem interesses globais.
Entre o Afeganistão e o Paquistão, sob a batuta do fundamentalismo islâmico, está sediado o maior quartel general do terrorismo internacional.
Se o mundo civilizado permitir que esta célula assuma uma postura de Estado, num ou noutro país, a escalada terrorista torna-se incontrolável.
Obama, de forma mais discreta, por ventura mais eficaz, segue a determinação de Bush. O Ocidente tem, agora, a oportunidade de pressionar, enquanto o estado de graça de Obama estiver no ar. É o momento de usar toda a força para debelar este quisto internacional.
Se Portugal poder dar o seu contributo, não lhe ficará mal. Que o não faça apenas por exigências diplomáticas. É necessário muita preparação e muita exigência, porque são muitas as adversidades.
Eu sei o que digo.
Re: É UM MARTÍRIO.
4 DE DEZEMBRO ao Top Mais
Re: 4 DE DEZEMBRO ao Top Mais
Re: 4 DE DEZEMBRO ao Top Mais
Re: 4 DE DEZEMBRO ao Top Mais
marimbando literalmente
Chá , muita falta de chá ....
Besta quadrada!
mais um cházinho sff , ou dois ...
Quem mais podia falar nesse tom?
WAKE UP ...
Vou passar a informar o forum
Informa , informa ...
Espera-se que este diário continue...
... porque será do maior interesse conhecer os meandros. Mesmo que sejam curtos no espaço nunca o serão na narrativa de estar dentro da guerra. Já agora, diga-se que viajar num C-130 para o Afeganistão deve ser um autêntico martírio... Já fiz viagens curtas, com veículos no interior e... se não fosse a super simpatia dos nossos heróis do ar, teria sido um pesadelo.
O (-1)
Alguém me sabe dizer, porque não saio nos pontos do (-1).
Re: O (-1)
Re: O (-1)
Re: O (-1)
a presença dos portugueses
Nunca percebi a presença dos portugueses no Afeganistão! Se calhar também não é para perceber...
Re: a presença dos portugueses = servilismo
A minha médica de familia não é de certeza.
A minha médica de família não é de certeza. Ela até já me disse que quando a gripe A atacar, vai meter atestado médico para não ir para o centro de saúde dar consultas e ficar lá de quarentena. Conheço pessoas que nestas alturas são capaz de partirem pernas e braços (SEUS) para não irem trabalhar. Isto está a ficar bonito.
MAS PORQUE NÃO HAVERIAM?
Os americanos têm uma fisiologia diferente?

Que Treta pá...

Inspiração angloTRETA mete nojo pá...
Saloiada!
Uma perna amputada de um americano é igual a uma perna amputada de um português assim como uma diarreia.Os nossos médicos na guerra colonial trabalhavam sem condições, com temperaturas de 35 a 40 graus. Andavam de DO, Helio,Nordatlas, Dakota, etc. Os novos médicos são feitos de quê? De porcelana, para não dizer outra coisa?
Mas os médicos portugueses vão para o
Afeganistão para salvar só americanos? e os milhares de civis, mulheres e crianças vitimas dos bombardeamentos americanos, não precisam também de serem tratados? É que em 5/5/2007, bombardeamento americano mata 21 civis na provincia de Helmand. Em 18/6/2007, pelomenos sete crianças morreram num ataque aereo americano na provincia de Paktia. Em 6/7/2008, bombardeo americano mata 47 civis no distrito de Deh Bala. Em 22/8/2008 ataque aereo dos EUA mata 90 civis na provincia de Herat e em 4/5/2009 bombardeio dos EUA mata 147 civis no vilarejo de Granai. Ao mesmo tempo que uma familia Afegâ acusa a Nato de usar bombas de fósforo. De então para cá não posso adiantar mais nada porque não tenho tido acesso a comunicação social livre e independente, porque estou em Portugal.
Nota: As informações atraz referidas foram tiradas do Jornal O Estado de S.paulo de 9/5/2009, considerado um jornal politicamente de direita.
Pois...é!
Este servilismo embalado por estas noticias, acaba por ser mais chato e até mais desconfortável do que andar num C130, onde andei por duas vezes. Sáo noticias que nos tentam impingir medicriodade de se ser português e de fazermos algo pelos americanos, fica-se inchado por esse facto e na conta do tio sam, já náo pertencemos a espanha... Que até somos um pais simpático com um sotaque mexicano...esta a visão do tipico americano em relação aos portugueses e num passado não muito distante. Somos quem somos e pela nossa maneira de ser e pelo que já fomos deveriamos mais fazer do que esperar palmadinhas nas costa para tornarmos a fazer...Saudações do Kimbo!
Ca fora la dentro
Só tenho pena e que estejam debaixo das ordems de franceses!
guindar o 4 DE DEZEMBRO ao Top Mais
Pela maneira como o 4 DE DEZEMBRO escreve é por demais evidente que ou os comentadores do Expresso.pt têm um grau de exigência muito duvidoso ou ele se pontua a si mesmo através de outros nomes de código. Não tenho grandes dúvidas que esta última seja a hipótese mais plausível. Até porque as razões possíveis para esse tipo de comportamento obtuso rondarão um orgulho desmedido, uma vaidade doentia, e, de facto, os seus comentários, se bem analisados (e descontando o chorrilho de erros de sintaxe e ortografia…) mostram bem essas mesmas “qualidades”… Não seria muito difícil comprovar a falcatrua, mas seria trabalho entediante já que procuraríamos outros textos, também eles, sem qualquer interesse.
Não quero crer que a primeira hipótese, a de serem os comentadores a guindar o 4 DE DEZEMBRO ao Top Mais, possa ter efectivamente acontecido…
mecs (meios de comunicação social)!

O título da notícia é provinciano, mesquinho e humilhante...
Re: mecs - Uma guerra suja +uma
Comentários 30 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub